Pedagogia, matemática e estágio em docência: a experiência a partir de uma tríade formativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n2.169-191

Palavras-chave:

Estágio em docência, Tríade Formativa, Ensino de Matemática

Resumo

A necessidade de pensar o lugar ou o não-lugar reservado à educação matemática, seja nos documentos legais, seja nos currículos, impulsiona cada vez mais pesquisadores a identificarem o porquê das defasagens, considerando que desde os primórdios da humanidade até a modernidade, a matemática é vista, num contexto nacional, como inflexível e causadora de traumas em crianças e adolescentes. Considerando este cenário, esta pesquisa objetiva socializar as experiências vivenciadas durante o estágio em docência em Ciências e Matemática, no doutorado em Educação, organizado a partir do conceito de tríade formativa no curso de Pedagogia. A metodologia utilizada é qualitativa, precedida de revisão bibliográfica, utilizando como método a investigação da própria prática na perspectiva de Ponte (2002), Lima e Nacarato (2009), tendo como interlocutores estudantes de Pedagogia e Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Para viabilizá-la, enquanto o aporte teórico considera Zabalza (2014) para discutir estágio; as discussões sobre experiência foram ancoradas em Bondía (2002); Fiorentino e Lorenzato (2006) sobre educação matemática; o conceito de tríade formativa é utilizado a partir de Zanon (2003) e sobre formação de professores Tardif (2008), dentre outros, além dos documentos oficiais, Brasil (2002; 2006; 2015; 2017 e 2019) também foram incorporadas às análises. A pesquisa mostrou que as aprendizagens empreendidas, por meio dos diálogos, integram a constituição do ser docente, evidenciando o quão válido é a aproximação das escolas com a universidade pública. O contato dinâmico e flexível possibilita construir espaços de reflexão-ação-reflexão para qualificar as práticas pedagógicas, tanto das estudantes, dos docentes da educação básica, quanto dos docentes formadores.

Palavras chave: Estágio em docência. Tríade Formativa. Ensino de Matemática.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Alves da Cruz, Universidade Federal do Maranhão

Licenciada em Pedagogia, Mestra em Educação pela Universidade Federal do Maranhão, doutoranda em Educação em Ciências e Mtaemática ,na Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática-REAMEC. Docente do curso de Pedagogia ,da Universidade Federal do Maranhão, pesquisa formação de professores que ensinam Matemática, Estágio em Docência e Ensino de Matemática na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamnetal.

Neuza Bertoni Pinto, REAMEC-Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática.

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Professora Titular aposentada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná onde atuou como docente nos cursos de Pedagogia, Licenciatura em Matemática, Mestrado e Doutorado em Educação, entre 2000 e 2016. Atualmente é Docente Colaboradora do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Matemática - PPGECEM– REAMEC – UFMT, Vice Presidente e Pesquisadora do Ghemat Brasil e Pesquisadora do Ghemat Paraná. Realiza pesquisas na área de História da Educação Matemática, especialmente as relacionadas à formação de professores e saberes profissionais dos professores que ensinam matemática nos primeiros anos escolares

Suzana Andréia Santos Coutinho, Secretaria Municipal de Educação-SEMED de São Luís-MA

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Maranhão, Mestra em Educação pela Universidade Federal do Maranhão. Professora da Rede Municipal de Educação de São Luís- MA.

Referências

AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994. (Coleção Travessia do Século).

BANNELL, R. Formação discursiva do professor e a (re) construção crítica do saber pedagógico. Movimento: revista da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, Niterói, n. 4, set. 2001. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revista-movimento/article/view/32434>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BONDÍA, J L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução: João Wanderley Geraldi. revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, abr. 2002. Disponível

em: < https://www.scielo.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Decreto nº 32.606, de 23 de abril de 1953. Autoriza o funcionamento dos cursos de filosofia, letras neo-latinas, geografia e história e pedagogia da Faculdade de Filosofia de São Luiz do Maranhão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 abr. 1953. Seção 1. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-32606-23-abril-1953-329726-publi-cacaooriginal-1-e.html>. Acesso em: 10 jun.2020.

BRASIL. Decreto nº 39.663, de 28 de Julho de 1956. Concede reconhecimento aos cursos de geografia e história, letras neo-latinas e pedagogia, da Faculdade de Filosofia de São Luis, Estado do Maranhão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jul. 1956. Seção 1. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/de-

creto-39663-28-julho-1956-334221-norma-pe.html >. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da educação.Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 10 jun.2020. BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 maio 2006. Seção 1. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/ df/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 fev. 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica

e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 15 abr. 2019. Seção 1. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de Julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, 2 jul. 2015. Seção 1. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/ agosto-2017-pdf/70431-es-cne-cp-002-03072015-pdf/file>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BUTTIMER, A. Campo de Movimento y sentido del lugar. In: RAMÓN, M. D. G.(org.) Teoria y Método em La Geografia Anglosajona. Barcelona, Ariel, 1985. CHACÓN, I.M.G. Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed, 2003.

COSTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. utilização de recursos didático- pedagógicos na motivação da aprendizagem. In: Simpósio Internacional de Ensino e Tecnologia, 1., 2009.

D’AMBROSIO, B. S; LOPES, C. E. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 51, p. 117, abril de 2015.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos metodológicos. Campinas, SP: Autores associados, 2006.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

FREIRE, P. Educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LIMA, C. N. M. F. L; NACARATO, A.M. A investigação da própria prática: mobilização e apropriação de saberes profissionais em Matemática. Educação em revista, Belo Horizonte, v.25, n. 2, p.241-266, ago. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sc i_arttext&pid=S0102-46982009000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 jun. 2020.

MARANHÃO. Decreto n° 21, de 15 de abril de 1890. Reorganisa o ensino público do Estado. Palácio do Governo do Estado do Maranhão, Maranhão, 15 abr. 1890. Disponível em: <http://casas.cultura.ma.gov.br/portal/sgc/modulos/sgc_bpbl/acervo_digital/arq_ad/20141106160213.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

PASSOS, C. NACARATO, A. Trajetória e perspectivas para o ensino de Matemática nos anos iniciais. Estudos Avançados,

(94), 119-135, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/s010340142018.3294.0010>. Acesso em: 10 jun. 2020.

PONTE, J. P. Investigar a nossa prática. In: GTI – Grupo de Trabalho e Investigação (Org). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Portugal: Associação de professores de Matemática, 2002. p. 5-55.

SANTOS, M. J. C.; MATOS, F. C. C. A insubordinação criativa na formação contínua do pedagogo para o ensino da matemática: os subalternos falam?. renCiMa: Revista de Ensino de Ciências e Matemática. Edição Especial - Insubordinação Criativa nas Pesquisas Qualitativas em Educação Matemática v. 8, n. 4, 2017.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 2008.

TOZETTO, S. S. Trabalho docente e suas relações com o saber. In: ______. Trabalho docente: saberes e práticas. Curitiba: CRV, 2010. p. 21-51.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983. YOUNG, M. Para que servem as escolas?. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 10 jun. 2020.

ZABALZA, M. A. O estágio e as práticas em contextos profissionais na educação universitária. São Paulo: Cortez, 2014.

ZANON, L. B. Interações de licenciandos formadores e professores na elaboração conceitual de práticas docentes: módulos triádicos na licenciatura de Química. 2003, 282 p. Tese em Educação) – Programa de Pós graducação em Educação. Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2003. Disponível em: <https://www.btdeq.ufs- car.br/teses-e-dissertacoes/interacoes-de-licenciadas-formadores-e-professores-na-ela-boracao-conceitual-de-pratica-docente-modulos-triadicos-na-licenciatura-de-quimica>. Acesso em: 10 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-18

Como Citar

CRUZ, M. do C. A. da; PINTO, N. B.; COUTINHO, S. A. S. Pedagogia, matemática e estágio em docência: a experiência a partir de uma tríade formativa. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 5, n. 2, p. 169–191, 2020. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n2.169-191. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/9108. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos/Ensaios