PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O MAGISTÉRIO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA E O LUGAR DAS PRÁTICAS

  • Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas
Palavras-chave: Prática educacional, Formação de professores, Educação básica

Resumo

Neste artigo analisamos questões relativas ao conceito de prática educacional e suas relações com as teorias, a partir de onde levantamos questões sobre as práticas desenvolvidas na formação para a docência na educação básica, seja em processos de educação continuada, seja em processos de formação inicial no ensino superior. A discussão parte da descrição de dois exemplos concretos realizados, um em escolas municipais de São Paulo, outro em uma Universidade Federal, em Niterói, a partir da utilização de publicações. Agregase estes exemplos de referências a várias outras iniciativas. Pelo examinado, considerando o universo possível para mudar e renovar perspectivas nessas formações, constata-se que as iniciativas ainda são tímidas: de um lado, não têm afetado substancialmente os currículos institucionais de formação para a docência em suas dinâmicas e práticas; de outro, nas formações continuadas ainda não alcançaram largo curso. No entanto, são reveladoras da consciência da necessidade de mudar práticas educacionais para essas formações e se mostram como alternativas pedagógicas ao hábito instaurado nos cursos de formação para a docência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIKAWA, M. S.; GONZAGA, L. T. Programa de tutoria educacional: uma experiência inicial de formação continuada em serviço. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 12., 2015, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUC/PR, 2015. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/15962_9613.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

ALBUQUERQUE, M. P.; FRISON, L. M. B.; PORTO, G. C. Memorial de formação escrito no decorrer da prática docente: aprendizagens sobre alfabetização e letramento. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 95, n. 239, p. 73-86, 2014.

ALTET, M.; GUIBERT, P. Construire un curriculum européen a partir de l’observation et l’analyse des pratiques enseignantes. In: PASQUAY, L. et al. (org.). Travail réel des enseignants et formation. Louvain-la-Neuve: De Boeck Supérieur S.A, 2014. p. 79-96.

ANDRÉ, M. E. D. A. (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2016.

BASTOS, F.; NARDI, R. (org.). Formação de professores para o ensino de ciências naturais e matemática: aproximando teoria e prática. São Paulo: Escrituras, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. II Conferência Nacional de Educação: 1966 – Porto Alegre. Brasília, DF: MEC/INEP, 1967.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 04 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: MEC/CNE, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 01 julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 10 out. 2019.

CALDERANO, M. A.; MARQUES, G. F. C.; MARTINS, E. B. A. (org.). Formação continuada e pesquisa colaborativa: tecendo relações entre universidade e escola. Juiz de Fora, MG: Editora UFJF, 2013.

CANOAS (RS). Diretoria Pedagógica. Saberes em diálogo, docência, pesquisa e prática pedagógica. Seminário Municipal. Apresentação em powerpoint. Canoas, RS, 2018.

CARVALHO, D. L.; FIORENTINI, D. Refletir e investigar a própria prática de ensinaraprender matemática na escola. In: CARVALHO, D. et al. (ed.). Análises narrativas de aulas de matemática. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2013. p. 51-63.

FUZER, C. Leitura e avaliação de textos: etapas para a formação inicial de professores de produção textual. Textos FCC, São Paulo, v. 53, p. 10-51, 2017.

GARCIA, O. G. PROVE: 20 anos – o reconhecimento do valor de professores e professoras, como princípio orientador de uma proposta de formação do educador. Revista do Projeto de Valorização do Educador e Melhoria da Qualidade de Ensino – PROVE, São Paulo, Ano 16, n. 16, p. 2-4, nov. 2017.

GATTI, B. A. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, p. 51-67, 2013.

GATTI, B. A. Formação de professores: compreender e revolucionar. In: SILVA JÚNIOR, C. A. et al. (org.). Por uma revolução no campo da formação de professores. São Paulo: Editora UNESP, 2015. p. 229 -243.

GATTI, B. A.; NUNES, M. M. R. (org.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2009. (Coleção Textos FCC, nº 29).

GATTI. B. A.; SILVA, R. N.; ESPÓSITO, Y. L. Alfabetização e educação básica no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 75, p. 7-14, 1990.

GATTI, B. A. et al. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Textos FCC, São Paulo, v. 41, p. 1-120, 2014.

GATTI, B. A. et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília, DF: Unesco, 2019.

GRUPO DE ESCOLAS MUNICIPAIS DE ENSINO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE SÃO PAULO. Apresentação. Revista do Projeto de Valorização do Educador e Melhoria da Qualidade de Ensino – PROVE, São Paulo, ano 17, n. 17, nov. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo da Educação Superior. Sinopse Estatística – 2018. Disponível em: http://www.portal.inep.gov.br/web/guest/sinopsesestatisticas. Acesso em: 08 dez. 2019.

IZA, D. F. V.; SOUZA NETO, S. Por uma revolução na prática de ensino: o estágio curricular supervisionado. Curitiba: CRV, 2015.

KRONBAUER, S. C. G.; SIMIONATO, M. F. (org.). Articulando saberes na formação de professores. São Paulo: Paulinas, 2012.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MARTINS, M. C.; MOMOLI, D.; BONCI, E. (org.). Formação de educadores: modos de pensar e provocar encontros com a arte e mediação cultural. São Paulo: Terracota, 2018.

MARTINS, J. A.; ZAPPONE, M. H. Y. (org.). Formação docente: percursos e reflexões a partir do PIBID-UEM. Maringá, PR: EDUEM, 2018.

MOACYR, Primitivo. A instrução e as províncias: subsídios para a história da educação no Brasil, 1835-1889. Vol. 2. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1940.

NORBERG, M. (org.). Formação em contextos de estágios e desenvolvimento profissional. São Leopoldo, RS: OIKOS, 2017.

PAPI, S. O. G.; MARTINS, P. L. O. As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas aproximações. Educação em Revista, v. 26, n. 3, p. 39-56, 2010.

PASSOS, L. F. (org.) Formação de formadores e cursos de licenciatura: contextos, práticas e pesquisas. Campinas, SP: Pontes, 2018.

PIMENTA, S. G. A. et al. Os cursos de licenciatura em pedagogia: fragilidades na formação inicial do professor polivalente. Educação & Pesquisa, , v. 43, n. 1, p.15-30, mar. 2017.

RAMOS, A.; HOFFMANN, P. R. P.; RAZZERA, G. Projeto IMAGINE: formando educadores para uma docência multicultural, inclusiva e inovadora. Textos FCC, São Paulo, v. 57, p. 9-25, 2019.

RUAS, P. A. A. R. Práticas inclusivas no ensino de ciências. Textos FCC, São Paulo, v. 53, p. 132-178, 2017.

SANCHES, E. M. B. C. C. S.; PASSARELLI, L. G. (org.). Formando formadores para a escola básica do século XXI: relatos de pesquisa III. Campinas, SP: Pontes, 2019.

SARTI, F. M. Parceria intergeracional no estágio supervisionado de prática de ensino e o valor da experiência docente na formação de novos professores. In: PIOKER-HARA, F. C.; GURIDI, V. M. (org.). Experiências de ensino nos estágios obrigatórios: uma parceria entre a universidade e a escola. Campinas, SP: Alínea, 2013. p. 107-122.

SILVA, F. O.; RIOS, J. A. V. P. (org.). Iniciação à docência na educação básica: experiências formativas no PIBID. Salvador: EDUNEB, 2019.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 61-88, 2000.

UMBELLINO, M. M.: CIRÍACO, K. T. “Dores, dilemas e descobertas”: desafios de professores iniciantes na carreira do magistério. Momento: Diálogos em Educação, v. 27, n. 1, p. 399-425, 2018.

VASCONCELOS, M. Apresentando a obra. In: VASCONCELOS, M.; ANDRADE, V. C. de. Formação de professores e projetos interdisciplinares: perspectiva para uma outra escola. Curitiba: Brazil Publishing, 2019. p. 1-5.

VASCONCELOS, M.; ANDRADE, V. C. de. Formação de professores e projetos interdisciplinares: perspectiva para uma outra escola. Curitiba: Brazil Publishing, 2019.

Publicado
2020-04-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1162
  • PDF downloads: 601
Como Citar
GATTI, B. A. PERSPECTIVAS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O MAGISTÉRIO NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA E O LUGAR DAS PRÁTICAS. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 29, n. 57, p. 15-28, 3 abr. 2020.