Composições complexas de uma formação

entre a matéria-prima e a obra-prima do professor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n66.p220-233

Palavras-chave:

Atenção, Complexidade, Coerência, Professor

Resumo

Com base no referencial teórico do pensamento complexo (MORIN, 2007a, 2008a), escrevemos sobre o exercício do professor em meio aos desafios da educação atual. Nosso objetivo se constituiu em problematizar sobre composições da construção do conhecimento do professor e como a conscientização destes pode ser o próprio rearranjo de sua formação. Entre o que ensinar e o que aprender; entre o como, o porquê e o para quê do exercício do professor existe o mundo. Sinalizamos que o exercício do professor precisa ser um percurso atencioso, perceptivo e coerente compartilhado na relação com o mundo, onde constrói permanentemente a matéria-prima e a obra-prima de seu conhecimento para além de um utilitarismo. Perguntamos qual(is) seria a matéria-prima do professor? Qual(is) seria a obra-prima do professor? Neste percurso, propomos outras vias que possibilitem o professor compreender e questionar os implícitos de seu ser e saber para além de uma pedagogia da transmissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Pacheco Marques, Universidade Federal de Juiz de Fora

MARQUES, Luciana Pacheco

Professora Titular da Faculdade de Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Educação pela

Universidade Estadual de Campinas

luciana.marques65@gmail.com

https://orcid.org/0000-0003-2430-831X

Alan Willian de Jesus, Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora

Alan Willian de Jesus

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação

Universidade Federal de Juiz de Fora

Bolsista CAPES

Coordenador Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora

(32)98703-5478

alan.faced@yahoo.com.br

Referências

CORAZZA, Sandra Mara. Didaticário de criação: aula cheia, antes de aula. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 16., 2012, Campinas. Anais... Araraquara: Junqueira & Marin, 1994. p. 278-284. Disponível em: <http://endipe.pro.br/ebooks-2012/>. Acesso em: 20 jul. 2019.

DESCARTES, René. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

FERRATER MORA, José. Dicionário de Filosofia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982a. Tomo único.

FERRATER MORA, José. Diccionario de Filosofia. 4. ed. Madrid: Alianza Editorial, 1982b. Tomo 1.

FOERSTER, Heinz von. Visão e conhecimento: disfunções de Segunda Ordem. In: SCHNITMANN, D. F (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 59-74.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GLEISER, Marcelo. A simples beleza do inesperado: um filósofo natural em busca de trutas e do sentido da vida. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2017.

GOBRY, Ivan. Vocabulário Grego da Filosofia. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

KOHAN, Walter Omar; WAKSMAN, Vera (Orgs.). Filosofia para crianças na prática escolar. Petrópolis: Vozes, 1998.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre a experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

LARROSA, Jorge. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

LARROSA, Jorge; RECHIA, Karen. P de professor. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. 13. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

MORIN, Edgar. Antropologia da liberdade. Margem - Ética e o futuro da cultura, São Paulo, Educ/Fapesp, n. 9, p. 13-26, mai. 1999.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002a.

MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. ALMEIDA, Maria da Conceição; CARVALHO, Edgard de Assis (Orgs.). São Paulo: Cortez, 2002b.

MORIN, Edgar. Meus Demônios. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, Edgar. Diálogo sobre o conhecimento. São Paulo: Cortez, 2004.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007a.

MORIN, Edgar. O método 5: A humanidade da humanidade – a identidade humana. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007b.

MORIN, Edgar. O método 6: Ética. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007c.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2007e.

MORIN, Edgar. O método l: A natureza da natureza. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2008a.

MORIN, Edgar. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2008b.

MORIN, Edgar. Reencontre avec Edgar Morin - Pour une réforme de la pensée. Cahiers Pedagogiques, n. 268, nov. 1988. In: PETRAGLIA, Izabel Cristina. Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008c, p. 87-102.

MORIN, Edgar. Saberes globais e saberes locais: o olhar transdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2008d.

MORIN, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Sulina, 2015.

ORIGEM DA PALAVRA. Coerência. 2011. Disponível em: <https://origemdapalavra.com.br/palavras/coerencia/>. Acesso em: 20 jul. 2019.

ROUFI, Dalila. As invenções do Gênio Imêmore. Ilustrações Fernanda Cruzick. Juiz de Fora: Funalfa, 2016.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-28

Como Citar

MARQUES, L. P.; JESUS, A. W. de. Composições complexas de uma formação: entre a matéria-prima e a obra-prima do professor. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 31, n. 66, p. 220–233, 2022. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n66.p220-233. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/12362. Acesso em: 13 abr. 2024.