O protagonismo de líderes negros nos livros infantis após a promulgação da Lei 10.639/03:

ressignificando visões simplistas?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p30-45

Palavras-chave:

Literatura Infantil, Representação negra, Lei 10.639/03, Nelson Mandela

Resumo

Este trabalho propõe-se a analisar a obra Madiba, o menino africano (2011), uma narrativa biográfica que traz como personagem principal Nelson Mandela, por meio da observação dos aspectos gráficos, editoriais e enunciativos do exemplar. A partir disto, objetivamos discutir de que modo os livros infantis publicados após a promulgação da Lei 10.639/2003, tecem suas representações e, ainda, como estas representações estão atreladas às instâncias de poder, como a escola e o governo. Nossas conclusões partem da reflexão de que embora o personagem negro figure como protagonista nestes livros, sua representação tende a ser baseada em percepções colonialistas; ademais, estas percepções inclinam-se a selecionar certos aspectos da sua trajetória que podem construir um imaginário social que vê o sujeito negro como pacífico ante às situações de racismo/preconceito. Deste modo, embora os relatos biográficos acerca de personagens negros sejam de grande relevância social — uma vez que ressignificam o imaginário coletivo quanto a aparência e origem do herói —, estes relatos ainda se atrelam a uma representação simplista tanto da África do Sul quanto do líder político, devendo ser repensados enquanto elementos representativos dos grupos étnico raciais nos livros literários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Stefanne Soares Silva, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET/MG)

estre em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET/MG). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Atualmente desenvolve pesquisas nas áreas de literatura para as crianças, edição de livros e representação negra. Está vinculada ao grupo de pesquisa Leitura Literária, Edição, Mediação e Ensino (LLEME).

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Trad. Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BARBOSA, Rogério Andrade. Madiba, o menino africano. Ilustração de Renato Alarcão. São Paulo: Cortez, 2011.


BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20
de dezembro de 1996. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm>. Acesso em: 15 ago. 2020.

CHARTIER, Roger. “Escutar os mortos com os olhos”. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 69, p. 6-30, 2010. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10510/12252>. Acesso em: 10 jan. 2019.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. São Paulo: Ática, 1991.

CORRÊA, Hércules Toledo; PINHEIRO, Marta Passos; SOUZA, Renata Junqueira. A materialidade da literatura infantil contemporânea: projeto gráfico e paratextos. In: PINHEIRO, Marta Passos; TOLENTINO, Jéssica M. Andrade (Orgs.). Literatura infantil e juvenil: campo, materialidade e produção. Belo Horizonte: Editora Moinhos, 2019.

CORTEZ. Belo Horizonte, 28 ago. 2019. Entrevista concedida à Vívian Stefanne Soares Silva.

COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, v.12, n. 23, p.100-122, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-77042007000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 13 nov. 2020.

DOSSE, François. O desafio biográfico, escrever uma vida. 2. ed. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: EDUSP, 2015.

DUARTE, Eduardo de Assis. Passado, presente, futuro: Cadernos Negros 40. Literafro: UFMG, 2018. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/literafro/resenhas/poesia/1038-cadernos-negros-40>. Acesso em: 15 jul. 2020.


DUPONT, Vera Regina Vargas. A criança negra na literatura infantil brasileira contemporânea. 2013. 99f. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Sociedade) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2013.

FRANÇA, Luiz Fernando de. Personagens negras na literatura infantil brasileira: da manutenção à desconstrução do estereótipo. 2006. 164f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2006.

GOUVÊA, Maria Cristina Soares. Imagens do negro na literatura infantil brasileira: analise historiográfica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n.1, p. 77-89, jan./abr. 2005. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ep/v31n1/a06v31n1.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2020.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro:Editora PUC-Rio, Apicuri, 2016.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil:sua história. Tradução de Maria da Penha Villalobos, Lólio Lourenço de Oliveira e Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: EDUSP, 2017.

HENDEL, Richard. O design do livro. Tradução de Geraldo Gerson de Souza e Lucio Manfredi. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2011.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: histórias e histórias. São Paulo: Editora Ática, 2007.

LINDEN, Sophie Van der. Para ler o livro ilustrado. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

LINDOSO, Felipe. O Brasil pode ser um país de leitores? Política para cultura /política para o livro. São Paulo: Summus Editorial, 2004.

MADELÉNAT, Daniel. “Biographieetroman”. Revue de sciences, t.98, n. 224, oct-déc. 1991apud DOSSE, François. O desafio biográfico, escrever uma vida. 2. ed. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: EDUSP, 2015.

MANDELA, Nelson. Longa caminhada até a liberdade. Tradução de Paulo Roberto Maciel Santos. Curitiba: Nossa Cultura, 2012.

MORAES, Odilon. O projeto gráfico do livro infantil e juvenil. In: OLIVEIRA, Ieda de. (Org.) O que é qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil: com a palavra o ilustrador. São Paulo: DCL, 2008.

MORENO, Jenny Lorena. O negro e a diferença nos livros de literatura infantil veiculados no Programa Nacional Biblioteca da Escola. 2015. 174f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2015.

NIKOLAJEVA, Maria; SCOTT, Carole. Livro ilustrado: palavras e imagens. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

OLIVEIRA, Maria Anória de Jesus. Personagens negros na literatura infanto- juvenil no Brasil e em Moçambique (2000-2007): entrelaçadas vozes tecendo negritudes. 2010. 301f. Tese (Doutorado em Literatura e Cultura) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

OLIVEIRA, Maria Anória de Jesus. Negros personagens na literatura infanto-juvenil brasileira: 1979-1989. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2003.

PINHEIRO, Marta. O diálogo entre texto escrito, ilustração e projeto gráfico em livros de literatura infantil premiados. In: OLIVEIRA, Luiz Henrique Silva de; MOREIRA, Wagner. (Orgs). Edição e Crítica. Belo Horizonte: CEFET-MG, 2018.

RAMOS, Graça. A imagem nos livros infantis: caminhos para ler o texto visual. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

TOLENTINO, Jéssica M. Andrade. A literatura para crianças e jovens sob coerções: uma análise crítica do PNLD Literário. 2020. 127f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

YENIKA-AGBAW, Vivian S. Illustrations and the MessagesThey Convey: African Culture in Picture Books. In: YENIKA-AGBAW, Vivian S. Representing Africa in children’s literature: old and new ways of seeing. London: Routledge, 2011.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

SILVA, V. S. S. O protagonismo de líderes negros nos livros infantis após a promulgação da Lei 10.639/03: : ressignificando visões simplistas? . Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 62, p. 30–45, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p30-45. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11081. Acesso em: 29 maio. 2024.