A dimensão ética na formação de professores para a paz e os direitos humanos

Autores

Palavras-chave:

Ética. Formação de Professores. Ergologia. Dispositivo Dinâmico de Três Polos. Linguística Aplicada.

Resumo

Este artigo discute a dimensão ética para a formação de professores, especialmente os que pretendem contribuir para o desenvolvimento da paz e dos direitos humanos. A Ergologia, com destaque para o conceito de “Dipositivo Dinâmico de 3 Polos (DD3P)”, é ressaltada como facilitadora da postura ética, pois ressalta a importância das normas antecedentes (polo 1), a abertura para o novo (polo 2) e a gestão das normas e valores (polo 3). É apresentada a experiência da disciplina Tópicos em Linguística Aplicada III (LA 855), ministrada no primeiro semestre de 2019, levando-se em conta tanto a condução pela professora como o trabalho desenvolvido por duas alunas. As conclusões apontam para importância de se considerar a dimensão ética na formação de professores para a paz e os direitos humanos, o que requer um engajamento pessoal e coletivo de educadores e alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Raquel Motta, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Pesquisadora e professora da Educação Básica e Ensino Superior na área de Língua Portuguesa, Linguística e Linguística Aplicada. Tem bacharelado e licenciatura em Letras (Unicamp, 1996), mestrado (Unicamp, 2004) e doutorado em Linguística (Unicamp, 2009, com bolsa Fapesp). Foi pesquisadora de pós-doutorado no LAEL- PUC/SP, na área de Linguagem e Trabalho (2012-2015, com bolsa Fapesp), e Visiting Scholar na University of Texas at Austin (2013-2014, com bolsa BEPE-Fapesp). Atualmente é pesquisadora de pós-doutorado no Departamento de Linguística Aplicada da Unicamp, onde desenvolve pesquisa sobre formação de professores para paz e ministra aulas na Graduação.

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 1997.

CAEIRO, Alberto. Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

FIAD, Raquel Salek. Reescrita de textos: uma prática social e escolar. Organon (UFRGS), v. 23, p. 147-159, 2009.

FIAD, Raquel Salek. Algumas considerações sobre os letramentos acadêmicos no contexto brasileiro. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 6, pág. 23-34, jan. / jun. 2015.

FRANCHI, Carlos. Criatividade e gramática. São Paulo: Secretaria da Educação/ Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENP, 1988.

GERALDI, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. Cascavel/Campinas: Assoeste/Unicamp, 1984.

KABAT-ZINN, Jon. Full catastrophe living: how to cope with stress, pain and illness using mindfulness meditation. Londres: Piatkus, 1996.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e análise do discurso. São Paulo: Parábola, 2015.

MARTINS, Alice. Paz é a gente que faz. Trabalho final para a disciplina LA855. Campinas: Unicamp, 2019 (mimeo).

MENIN, M. S. S.; BATAGLIA, P. U. R.; ZECHI, J. A. M. (Org.). Projetos bem-sucedidos de educação em valores: relatos de escolas públicas brasileiras. São Paulo: Cortez, 2013.

MOTTA, Ana Raquel. "Comunicação não-violenta ” pelas lentes da Linguística: embates no combate à intolerância. Letrônica. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, v. 13, n. 2, abr/jun 2020a. (no prelo)

MOTTA, Ana Raquel. Precisamos falar sobre simulacro. Estudos de Lingua(gem). Vitória da Conquista: Universidade Estadual do Sul da Bahia, v. 18, n. 3, jul/set 2020b. (no prelo)

MOTTA, Clara. A autocompaixão para a não-violência ativa. Trabalho final para a disciplina LA855. Campinas: Unicamp, 2019 (mimeo).

MURCHO, Desidério. Ética e direitos humanos. Cadernos da Escola Legislativa. Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 37-56, jul/dez 2010.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris: Assembleia Geral da ONU, 1948.

PARR, Todd. O livro da paz. São Paulo: Panda Books, 2004.

PAVEAU, Marie-Anne. Linguagem e moral: uma ética das virtudes discursivas. Tradução Ivone Benedetti. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

PIAGET, Jean. O julgamento moral na criança. [1932]. Tradução: Elzon Lenardon. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

ROGERS, Carl. Tornar-se pessoa. [1961]. Tradução: Manuel José do Carmo Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

SCHWARTZ, Y. Reconnaissances du travail, pour une approche ergologique. Paris: PUF, 1997.

SCHWARTZ, Y; DURRIVE, L. (orgs.). Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói (Brasil): Editora da UFF. (2A edição revista e ampliada), 2010.

TRINQUET, Pierre. Trabalho e Educação: o método ergológico. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 93-113,ago.2010.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Tradução: Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

Downloads

Publicado

2020-06-16

Como Citar

MOTTA, A. R. A dimensão ética na formação de professores para a paz e os direitos humanos. Revista Encantar, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 237–258, 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/encantar/article/view/8727. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

I Simpósio Latino-Americano de Ergologia