O gênero textual-discursivo ‘História em Quadrinhos’ no ensino da língua inglesa

  • Jhonatan Carvalho Santos Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Tatiany Pertel Sabaini Dalben Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Resumo

Atualmente, professores de língua inglesa (LI) enfrentam diversos desafios no desenvolvimento da competência comunicativa dos seus alunos. Questões como políticas públicas, planejamento e motivação estão entre os fatores que impulsionam o fracasso no processo de ensino-aprendizagem de inglês no ensino básico brasileiro. Tendo este contexto como base e problemática, este trabalho qualitativo, de cunho bibliográfico busca discutir as vantagens no uso do gênero textual discursivo Histórias em Quadrinhos (HQ) como recurso didático-pedagógico para o aprendizado desta língua que hoje possui o status de língua franca. Como resultado, apresentaremos uma proposta de planejamento de uma aula com o uso deste gênero tendo como temática a ‘sustentabilidade’. Através do uso de HQ, acreditamos que, além da competência comunicativa em LI, pode-se também desenvolver pensamento crítico-reflexivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jhonatan Carvalho Santos, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Mestrando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Tatiany Pertel Sabaini Dalben, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Doutora em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2016), Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES (2008), Especialista em Ensino de língua inglesa pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES (2004). Possui Licenciatura Plena em Letras Português, Inglês e respectivas Literaturas - Faculdades Integradas Castelo Branco (2002). Professora Adjunta de língua inglesa vinculada ao Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) desde 2009. Coordenadora do Projeto Institucional English Teaching Assistants ? CAPES/FULBRIGHT/UESC. Coordenadora do Projeto de Pesquisa Produção de Materiais Didáticos de Língua Inglesa para a Formação Inicial de Professores. Editora-chefe da Revista Cadernos de Aulas do LEA (C@LEA). Coordenou o Curso de Bacharelado em Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais entre 2018 e 2019. Sua pesquisa de Mestrado buscou compreender as traduções de panfletos turísticos através da perspectiva desconstrutivista e analisá-las com base nos procedimentos técnicos da tradução e, finalmente, versar sobre a utilização dessas traduções no processo de ensino-aprendizagem de língua inglesa. Sua tese de doutorado buscou verificar o papel da tradução, sob uma perspectiva desconstrutivista, no desenvolvimento linguístico, intercultural e crítico de professores de língua inglesa em sua formação inicial. Suas pesquisas e estudos envolvem Tradução e Ensino-Aprendizagem de Línguas Estrangeiras, Linguística Aplicada Crítica, Interculturalidade, Inglês para fins específicos (ESP), Formação de Professores.

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Duas esferas da atuação de professores de línguas: domínio da língua-alvo e gestão do ensino nela realizado. In: MARTINS, Mário; ZONI, Martha (Org.) Experiências e Reflexões sobre a educação de línguas adicionais. Macapá: Editora da UNIFAP, 2016. p. 9-18.

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 2. ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. Speech genres and other late essays. Tradução de Vern W. McGee. Austin: University of Texas Press, 1986.

BRASIL. Lei nº 9795, de 28 de abril de 1999. Brasília, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Estrangeira. 2. ed. Brasília, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Língua Inglesa. Brasília, 2017. p. 241-245.

BRITISH COUNCIL. O ensino de inglês na educação pública brasileira: elaborado com
exclusividade para o British Council pelo Instituto de Pesquisa Plano CDE. 1º ed. São Paulo,
SP. 2015. Disponível em: https://www.britishcouncil.org.br/sites/default/files/estudo_oensinodoingles
naeducacaopublicabrasileira.pdf> Acesso em: 13 fev. 2018

CÂNDIDO DE LIMA, D. (Org.). Inglês em Escolas Públicas Não Funciona: uma questão, múltiplo olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

CARVALHO, D. A educação está no gibi. Campinas: Papirus, 2006.

DERRIDA, J. A Escritura e a Diferença. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 1967.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquimet al. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

FRANCO, E. S. HQtronicas: do suporte papel à rede internet. 2001. 189 f. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes da Unicamp, Campinas, 2001. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2018.

HYMES, D. H. On Communicative Competence. In: BRUMFIT, C. J. & JOHNSON, K. The Communicative Approach to Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, 1972.

MARCONDES, B.; MENEZES, G.; TOSHIMITSU, T. Como usar outras linguagens na sala de aula. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2003.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros Textuais e Ensino. 5. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MARZARI, G. Q.; GEHRES, W. B. S. Ensino de inglês na escola pública e suas possíveis dificuldades. In: Thaumazein. V. 7, n. 14, Santa Maria, 2015. p. 12-19.

MENDONÇA, M. R. de S. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros Textuais e Ensino. 5. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

RAMA, A.; VERGUEIRO, W. (Org.) Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2008.

RODRÍGUEZ, D. J. História em quadrinhos na aula de língua estrangeira: proposta de análise de adequação didática e sugestão de exercícios. 2008. 143 f. Dissertação (Mestrado em Letras – Língua e Literatura Alemã) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SANTOS, R. E. dos; VERGUEIRO, W. Histórias em quadrinhos no processo de aprendizado: da teoria à prática. Eccos Revista Científica. São Paulo, n. 27, p. 81-95, jan./abr. 2012. Disponível em: < http://www.redalyc.org/html/715/71523347006/ > Acesso em: 10 fev. 2018.

SCHUMACHER, M. Will Eisner: um sonhador nos quadrinhos. Tradução de Érico Assis. São Paulo: Globo, 2013.

SIQUEIRA, D. S. P.; ANJOS, F. A. dos. Ensino de inglês como língua franca na
escola pública: por uma crença no seu (bom) funcionamento. In: Muitas Vozes, Ponta Grossa, v.1, n.1, 2012. p. 127-149.

TAVARES, M. B. História em quadrinhos não ficcionais: usos e discursos. 2016. 208 f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

VERGUEIRO, W.; RAMOS, P. Quadrinhos na Educação: da rejeição à prática. São Paulo: Contexto, 2009.

WIDDOWSON, H. Teaching Language as Communication. Oxford: Oxford University Press, 1978.
Publicado
2021-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 102
  • PDF downloads: 67
Seção
ARTIGOS