A charge em sala de aula: práticas de letramento com vistas à criticidade dos estudantes

Resumo

O presente artigo é um recorte de uma prática de letramento multimodal crítico, resultante de uma pesquisa de Mestrado, realizada com estudantes de 9º ano em uma instituição pública do Ceará. Neste trabalho, objetivamos analisar uma das etapas da prática de letramento, a qual tinha como foco a leitura de charges variadas sobre a seca no Nordeste. Para o embasamento teórico, utilizamos contribuições de Maringoni (1996), Romualdo (2000) e Miani (2012) para questões acerca do gênero discursivo charge e de Soares (1998), Kleiman (2005), Street (2012, 2014) e Rojo (2012) para letramentos. Alicerçada em uma pesquisa-ação (THIOLLENT, 2011), com abordagem qualitativa e interpretativa, nossa investigação constatou que a leitura das charges, amparada por aspectos multissemióticos, pôde colaborar para a compreensão (e possível desconstrução) da imagem caricata do nordestino no contexto da seca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana dos Santos Pereira, Universidade Estadual do Ceará

Professora de Língua Portuguesa da Secretaria de Educação (SEDUC/CE). Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará (POSLA/UECE).

José Roberto Alves Barbosa, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido
(UFERSA/Caraúbas), no Departamento de Linguagens e Ciências Humanas (DLCH). Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

ARBACH, J. M. I. O fato gráfico: o humor gráfico como gênero jornalístico. 2007. 246f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27153/tde-22072009-182433/pt-br.php. Acesso em: 10 dez. 2015.
ASA (Articulação Semiárido Brasileiro). É no semiárido que a vida pulsa. Disponível em: http://www.asabrasil.org.br/semiarido . Acesso em: 10 jul. 2016.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 52. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.
GUILLEN, A. Seca e migração no Nordeste: reflexões sobre o processo de banalização de sua dimensão histórica. Trabalhos para discussão. Pernambuco, n. 111, ago. 2001. Disponível em: https://periodicos.fundaj.gov.br/TPD/article/view/926/647. Acesso em: ago. 2016.
KATO, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática, 1986.
KLEIMAN, A. B. Preciso “ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? Coleção linguagem e letramento em foco: linguagem nas séries iniciais. Ministério da Educação. Cefiel/IEL/UNICAMP, 2005.
KOCH, I.; VILLAÇA, E. V. M. Ler e compreender os sentidos do texto. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2014.
LIMA, H. História da caricatura no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1963.
MAGALHÃES, I. Letramento, intertextualidade e prática social crítica. In: MAGALHÃES, I. (Org.). Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012. p. 17-68.
MARINGONI, G. Humor da charge política no jornal. Comunicação & Educação. São Paulo, v.7, p. 85-91, set./dez. 1996. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36269/38989. Acesso em: 20 jan. 2016.
MIANI, R. A. Charge: uma prática discursiva e ideológica. 9ª Arte. São Paulo, v.1, n.1, p. 37-48, 2012. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/nonaarte/article/view/99622/98065. Acesso em: 27 fev. 2016.
RABAÇA, C. A.; BARBOSA, G. Dicionário de comunicação. Rio de Janeiro: Codecri, 1978.
ROJO, R. H. R. Diversidade cultural e de linguagens na escola. In: Multiletramentos na escola. ROJO, R. H. R.; MOURA, E. (Orgs.). São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 11-31.
ROMUALDO, E. C. Charge jornalística: intertextualidade e polifonia. Maringá: EDUEM, 2000.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.
STREET, B. Eventos de letramento e práticas de letramento: teoria e prática nos novos estudos do letramento. In: MAGALHÃES, I. (Org.). Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2012. p. 69-92.
STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.
THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Trad. do Grupo de Estudos sobre ideologia, comunicação e representações sociais da pós-graduação do Instituto de psicologia da PUCRS. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
Publicado
2021-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 74
  • PDF downloads: 155
Seção
ARTIGOS