Cultura, morte e vida na metáfora da formação do nacionalismo guineense, em Ndani de Abdulai Sila e Vita de Flora Gomes

  • JONH JEFFERSON DO NASCIMENTO ALVES Universidade Federal de Alagoas

Resumo

Resumo: O presente estudo versa sobre a narrativa da nação como representação coletiva tematizando a cultura do povo guineense. O texto permite o encontro entre discursos coloniais, preconceitos e efeitos traumáticos sobre a identidade africana, indagando o quanto os projetos e sonhos nacionalistas na Guiné-Bissau foram realmente alcançados e como o passado contribuiu nas produções artístico-literárias na contemporaneidade. Neste sentido, tomamos por corpus de análise as obras ficcionais A Última Tragédia (1995), romance de Abdulai Sila e Nha fala (2002), filme de Flora Gomes, vozes de uma sociedade complexa e atual, cujas produções abordam especificamente a tentativa de construção de uma identidade nacional a partir da cultura, da história e das dicotomias vida e mortes simbólicas em contextos pós-coloniais.

Palavras-chave: Cultura; Identidade; Nacionalismo; Pós-colonialismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

A Morte Simbólica como processo de transformação. Disponível em: https://maitriinstitutodepsicologia.com/2019/12/02/a-morte-simbolica-como-processo-de-transformacao/. Acesso em: 02/11/2020 às 21h.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas: Reflexão sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução: Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 1983.

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

AUGEL, Moema Parente. A nova literatura da Guiné-Bissau. Bissau: INEP, 1998.

AUGEL, Moema Parente. O desafio do escombro: a literatura guineense e a narração da nação. 2005. 387 f. Tese (Doutorado em Literatura Portuguesa) Faculdade de Letras, Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

AUGEL, Moema Parente. O discurso literário dos anos noventa: revelando os arquivos do silêncio. In: AUGEL, Moema Parente. O desafio do escombro: nação, identidades e póscolonialismo na literatura da Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Garamond, 2009, p. 290-309.

BAKHTIN, M. M. A Cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de Françóis Rabelais. Trad. Yara Frateschi. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1987.

BHABHA, Homi. Narration and narration. London: Rouledge, 1990.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

CALBUCCI, Eduardo. Saramago: um roteiro para os romances. São Paulo: Ateliê Editorial, 1999.

CARELLI, F. “Cantam pretos, dançam brancos: coreografia da colonização em Nha Fala, de Flora Gomes”. Literartes, Revista Científica do grupo de pesquisa A Produção Literária e Cultural para Crianças e Jovens, São Paulo, vol.1, n.1, 2012.

CASSORLA, R. M. S. Do suicídio: estudos brasileiros. Campinas: Editora: Papirus, 1991.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. 1ª edição. Lisboa, Livraria Sá da Costa Editora, 1978.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, figuras, cores, números. Trad. de Vera da Costa e Silva. [et al]. 23. ed. Rio de Janeiro: José Olympio 2009.

CISNEROS, A. & ESCUDÉ, C. 2000. Historia general de las relaciones exteriores de la Republica Argentina. Buenos Aires : GELCARI.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

KOVÁCS, Maria. Júlia. (1996). A morte em vida. In.: Bromberg. M. H. P. Vida e morte: laços de existência. São Paulo: Casa do Psicólogo.

NHA Fala. Diretor: Flora Gomes. Produtores: Luís Galvão Teles, Jani Thiltges, Serge Zeitoun. Roteiro: Flora Gomes. Produção: Fado Filmes - Portugal, Les Films de Mai França, Samsa Films - Luxemburgo, 2002, DVD. (90 min).

ORLANDI, Eni P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Ed. Da Unicamp, 2002

PAPALAIA & OLDS, 2006. A morte e o morrer. Disponível em: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/esporte/a-morte-e-o-morrer/54018. Acesso em: 01/11/2020 às 15:30h.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano. 8. ed. Porto Alegre, Artmed, 2006.

RENAN, Ernest. “Qu’est-ce qu’une nation? Conférence faite en Sorbonne, le 11 mars 1882”. In: ______. Oeuvres complètes. Tome I. Paris: Calmann-Lévy Éditeurs, 1947, p. 887-906.

RIBEIRO, G. R. “Nha Fala, uma festa do tradicional com o moderno”. Revista África e Africanidades, Rio de Janeiro, ano 3, n.9, maio 2010, www.africaeafricanidades.com/ documentos/Nha_fala.pdf, 03/05/2010.

SCHWARZ, José Carlos. cf. AUGEL, Moema Parente. Ora di kanta tchiga. José Carlos Schwarz e o Cobiana Djazz. Bissau: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), 1997b (Série literária, Colecção Kebur, vol. 6).

SILA, Abdulai. A Última Tragédia. Kusimon, 1995.

SILA, Abdulai. A Última Tragédia. In: SILA, Abdulai. Mistida (Trilogia). Praia: Instituto Camões, 2002, p. 17-169.

VALANDRO, Letícia. A difícil Mistida guineense nação e identidade da Guiné-Bissau através da trilogia de Abdulai Sila. 2011. 133 f. Dissertação (Mestrado em Literaturas Portuguesas e Luso-Africanas). Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
Publicado
2021-12-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 35
  • PDF downloads: 66
Seção
ARTIGOS