“Da noite para o dia” o ensino remoto: (re)invenções de professores durante a pandemia

Palavras-chave: Ensino remoto. Pandemia. Docentes. Narrativas. (Re)invenções

Resumo

A pandemia da Covid-19 desvelou, de forma inconteste, problemas estruturais do nosso país, dentre tantos, aqueles ligados às condições precárias de ensino e de aprendizagem. Confrontados diuturnamente por um discurso desvalorizante, os/as docentes têm assumido, no contexto atual, importância vital no empreendimento de ações que garantam educação a milhões de estudantes. Afetados/as em sua vida pessoal e profissional, de forma disruptiva, abrangente e intensa, estes/as profissionais são lançados em um enredo que os/as convoca a operar mudanças profundas no modo de ser, pensar e fazer seu cotidiano docente, a partir do ensino remoto. Objetivamos, portanto, responder neste artigo, dentre outras, a seguinte questão: Como professores/as têm dado forma e produzido sentidos ao seu ofício no contexto do ensino remoto? Tomamos como aporte teórico Delory-Momberguer (2012, 2016); Souza e Meireles (2018); Passeggi (2010), dentre outros, e assumimos como um de nossos pressupostos que o ato de narrar é parte constitutiva do humano e possibilita aos sujeitos atribuir sentido e interpretar suas experiências. Convidamos professores/as da Educação Básica a produzirem narrativas escritas ou orais, sobre o contexto do seu trabalho nas condições atuais, os quais fizeram emergir desafios, estratégias, (re)invenções, aprendizagens e possibilidades para um vir a ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elzanir dos Santos, UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
Professora Associada do Departamento de metodologia da Educação, da Universidade Federal da Paraíba. Cursou Doutorado na Universidade Federal do Ceará, cursou Pedagogia e Mestrado em Educação na mesma Universidade. Cursa Pós-Doutorado no PPGeduc/UNEB. É vice-lider do grupo de pesquisa Curriculo, Formação de Professores e Pesquisa (Auto) biográficas (GPCFORPAB). Desenvolve estudos nas áreas de Didática, Avaliação e Formação de Professores, com ênfase na pesquisa (Auto) Biográfica.
Idelsuite de Sousa Lima, Universidade Federal da Paraíba
Idelsuite de Sousa Lima é Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com exercício no Departamento de Metodologia da Educação, do Centro de Educação desta Instituição. É líder do Grupo de pesquisa em Currículo, formação de professores e Pesquisa (Auto)biográfica. É editora da Revista Espaço do Currículo. Suas pesquisas são na área de educação, relacionadas com pesquisa (Auto)biográfica e narrativas, Currículo e Avaliação da Aprendizagem.
Nadia Jane De sousa, Universidade Federal da Paraíba
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2010). Atualmente é professora Associada da Universidade Federal da Paraíba, atuando na formação de pedagogos na área de Educação Infantil. Também tem realizado estudos e pesquisas acerca dos processos midiáticos que perpassam as práticas culturais infantis e juvenis.

Referências

ARROYO, Miguel. O humano é viável? É educável? Revista Pedagógica, Chapecó, v. 17, n. 35, p. 21-40, maio/ago. 2015.

BERTAUX, Daniel. Narrativa de vida: a pesquisa e seu métodos. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 9/2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/. Acesso em: 15 maio 2020.

CASSIO, Fernando; CARNEIRO, Silvio. O descaso genocida e o cinismo: é hora de falar da educação como bem público. 2020. Disponível em: https://diplomatique.org.br/e-hora-de-falar-da-educacao-como-bem-publico/. Acesso em: 03 jun. 2020.

COLEMAX. Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas. 2020. Disponível em: http://www.colemarx.com.br/wp-content/uploads/2020/04/Colemarx-texto-cr%C3%ADtico-EaD-2.pdf. Acesso em: 02 jul. 2020.

CONTRERAS DOMINGO, José. Profundizar narrativamente la educación. In: SOUZA, Elizeu Clementino de (org.). (Auto)biografias e documentação narrativa: redes de pesquisa e formação. Salvador: EDUFBA, 2015. p. 37-61.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, p. 523-536, dez. 2012.

_______. A pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, Salvador, v. 1, n. 1, p. 133-147, jan./abr. 2016.

FERRAROTI, Franco. Sobre a autonomia do método (auto)biográfico. In: NÓVOA, António; FINGER, Mathias. O método (auto) biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. p. 33-57.

GOODSON, Ivor. Currículo, narrativa e o futuro social. Rev. Bras. Educ. v. 12, n. 35, p. 241-252, maio/ago. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a05v1235.pdf. Acesso em: 05 jun. 2020.

HUBERMAN, Michael. Trabajando con narrativas biográficas. In.: McEWAv, Hunter; EGAN, Kieran (comp.). La narrativa en la enseñanza, el aprendizaje y la investigación. Buenos Aires: Amorrortu, 2005. p. 183-235.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

_______. Os professores e a sua formação num tempo de metamorfose da escola. Educ. Real, v. 44, n. 3, Porto Alegre, p. 11-29, 2019.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Memoriais autobiográficos: escritas de si como arte de (re)conhecimento. In: CORDEIRO, V. M. R.; SOUZA, E. C. (org.). Memoriais, literatura e práticas culturais de leitura. Salvador: EDUFBA, 2010. p. 19-42.

_______. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. 2016. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/9267/pdf. Acesso: 30 jun. 2020.

PASSEGGI, Maria da Conceição; ROCHA, Simone Maria da. A pesquisa educacional com crianças: um estudo a partir de suas narrativas sobre o acolhimento em ambiente hospitalar. Revista Educação em Questão, Natal, v. 44, n. 30, p. 36-61, set./dez. 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, 2020.

SOUZA, Elizeu. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Educação, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2014.

SOUZA; Elizeu Clementino; MEIRELES, Mariana Martins de. Olhar, escutar e sentir: modos de pesquisar-narrar em educação. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 15, n. 39, p. 282-300, 2018. Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/4750. Acesso em: 16 jun. 2020.

Publicado
2020-12-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 2765
  • pdf downloads: 2157
Como Citar
DOS SANTOS, E.; LIMA, I. DE S.; DE SOUSA, N. J. “Da noite para o dia” o ensino remoto: (re)invenções de professores durante a pandemia. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 16, p. 1632-1648, 29 dez. 2020.