A relação dos estudantes com o professor no Ensino Médio: narrativa e experiência

Palavras-chave: Ensino Médio, Jovens Estudantes, Professores, Práticas

Resumo

Este artigo é produto de uma dissertação de mestrado que versa sobre as relações com a escola, o aprender e os conhecimentos escolares de jovens estudantes no Ensino Médio. Objetiva discutir as relações que tais jovens estabelecem com seus professores e suas práticas, no Ensino Médio, e o impacto dessas em sua interação com a escola. A metodologia adotada é de natureza qualitativa e biográfico-narrativa, em entrevistas narrativas com seis estudantes de licenciatura de uma universidade na região sul do país, analisadas a partir da análise textual discursiva. Com base na análise realizada, enfocando o diálogo entre os jovens estudantes e professores, percebe-se que a experiência dos jovens é marcada, respectivamente, de forma positiva e negativa, através de, por um lado, relações de amizade, de aprendizagem e de dialogicidade, e, por outro lado, pelo autoritarismo, a licenciosidade e a distância estabelecida. Entende-se que, pelo fato dos jovens viverem a escola por meio de sua sociabilidade, estudar as relações dos jovens com os professores pode se configurar em uma estratégia metodológica importante para a pesquisa em educação. Cabe ainda destacar a importância das pesquisas narrativas e em educação considerarem a experiência dos jovens estudantes, ampliando o olhar sobre a escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas da Silva Martinez, Universidade Federal de Santa Maria
Pedagogo pela Universidade Federal do Pampa. Mestre e Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria.
Sueli Salva, Universidade Federal de Santa Maria
Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Professora Associada da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ABRANTES, Pedro. Os sentidos da escola: identidades juvenis e dinâmicas de escolaridade. Oeiras: Celta Editora, 2003.

AQUINO, Julio Groppa. Autoridade docente, autonomia discente: uma equação possível e necessária. In: AQUINO, Julio Groppa. (Org.). Autoridade e autonomia na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1999. p. 131-153.

BOLÍVAR, Antonio; DOMINGO, Jesús; FERNÁNDEZ, Manuel. La investigación biográfico-narrativa en educación: enfoque y metodologia. Madrid: Editorial La Muralla S.A., 2001.

CAVACO, Carmen. A investigação biográfica em educação no contexto português. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 03, n. 09, p. 814-828, set./dez. 2018. Disponível em: <https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/5595/3535>. Acesso em: 22 jan. 2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

______. Da relação ao saber às práticas educativas. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013. (Coleção Docência em Formação: saberes pedagógicos).

CLANDININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução do Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. 2. ed. Uberlândia, MG: EDUFU, 2015.

FERNANDES, Cleoni. Amorosidade. In: STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime. (Orgs.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. p. 37-39.

FERRETI, Celso João; SILVA, Monica Ribeiro da. Reforma do ensino médio no contexto da medida provisória nº 746/2016: estado, currículo e disputas por hegemonia. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 385-404, abr./jun. 2017.

FOLLMANN, José Ivo; FISCHER, Nilton Bueno. Apresentação da edição brasileira. In: MELUCCI, Alberto. O jogo do eu: a mudança de si em uma sociedade global. São Leopoldo, RS: Editora da Unisinos, 2004. p. 9-11.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 16. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 53. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

______; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

GHEDIN, Evandro; FRANCO, Maria Amélia Santoro. Questões de método na construção da pesquisa em educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GONÇALVES, Suzane da Rocha Vieira. Interesses mercadológicos e o “novo” ensino médio. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 131-145, jan./jun. 2017.

LAHIRE, Bernard. Homem plural: os determinantes da ação. Tradução de Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016.

LEÃO, Geraldo; DAYRELL, Juarez Tarcísio; REIS, Juliana Batista dos. Jovens olhares sobre a escola do ensino médio. Cad. CEDES, Campinas, v. 31, n. 84, p. 253-273, ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622011000200006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 05 jun. 2017.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução de Cristina Antunes. 2. ed. 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

MARTINEZ, Lucas da Silva. Escutar os jovens como princípio na pesquisa em educação. In: ALMEIDA, Márcia Tereza Fonseca; SOARES, Ilma Maria Fernandes; SILVA, Renato Martins e. (Orgs.). Temas em Debate. Rio de Janeiro: Dctio Brasil, 2017. p. 43-67. v. 1.

______. “Eu não gostava nem odiava porque eu não entendia nada!”: relações com a escola, o aprender e os conhecimentos escolares no Ensino Médio. 2018. 272 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

MARTINEZ, Lucas da Silva; SALVA, Sueli. Entre explicações, diálogos, interesses... questionando a metodologia no Ensino Médio a partir de narrativas. In: ENCONTRO HUMANÍSTICO MULTIDISCIPLINAR, CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS HUMANÍSTICOS MULTIDISCIPLINARES, 3., 2., 2017, Jaguarão/RS. Anais... Jaguarão/RS: CLAEC, 2017. p. 1-5. Disponível em: <http://eventos.claec.org/index.php/ehm/3ehm/paper/view/754/311>. Acesso em: 29 mar. 2019.

______. Discutindo a proposta do “Novo Ensino Médio” com base em narrativas juvenis. In: GUSTSACK, Felipe; VIANNA, Rafael de Brito; ROTHMUND, Angela Alenice (Orgs.). Educação básica e pesquisa: volume 1. 1. ed. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2018. p. 15-26. Disponível em: <https://www.unisc.br/images/upload/com_editora_livro/e-book_EDUCACAO-BASICA-E-PESQUISA-v-1-.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

______. O jogo do eu: a mudança de si em uma sociedade global. São Leopoldo, RS: Editora da Unisinos, 2004.

______. Busca de qualidade, ação social e cultura: por uma sociologia reflexiva. In: MELUCCI, Alberto. (Org.). Por uma sociologia reflexiva: pesquisa qualitativa e cultura. Tradução de Maria do Carmo Alves do Bonfim. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 25-42.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciênc. educ., Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, jul./dez. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132003000200004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 jun. 2017.

PEREIRA, Marcelo Ricardo. Os profissionais do impossível. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 2, p. 485-499, abr./jun. 2013.

PERRENOUD, Philippe. Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, 1995. (Colecção Ciências da Educação).

QUEIROZ, Andrea Mathias. Experiências formativas em música na construção dos projetos de vida dos jovens: um estudo a partir de entrevistas narrativas. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 02, n. 05, p. 470-482, mai./ago. 2017. Disponível em: <https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/3667>. Acesso em: 20 set. 2018.

SALVA, Sueli. Narrativas da vivência juvenil feminina: histórias e poéticas produzidas por jovens de periferia urbana de Porto Alegre. 2008. 392 f. Tese (Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

SCHWARTZ, Suzana. Motivação para ensinar e aprender: teoria e prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SILVA, Monica Ribeiro da.; SCHEIBE, Leda. Reforma do ensino médio: pragmatismo e lógica mercantil. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 19-31, jan./jun. 2017.

SOUZA, Elizeu Clementino de.; SOARES, Liane Figueiredo. Histórias de vida e abordagem (auto)biográfica: pesquisa, ensino e formação. In: BIANCHETTI, Lucídio; MEKSENAS, Paulo. (Orgs.). A trama do conhecimento: teoria, método e escrita em ciência e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 2008. p. 191-203.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

VAN MANEN, Max. El tono de la enseñanza: el lenguaje de la pedagogía. 4. reimp. Barcelona: Paidós, 2010.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

Publicado
2019-04-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 491
  • PDF downloads: 438
Como Citar
DA SILVA MARTINEZ, L.; SALVA, S. A relação dos estudantes com o professor no Ensino Médio: narrativa e experiência. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 4, n. 10, p. 359-377, 19 abr. 2019.