ESCRITAS DE SI NA WEB: QUESTÕES PARA O SUPORTE DIGITAL

  • Robson Fonseca Simões
Palavras-chave: Redes Sociais do Orkut, Memórias escolares, História da Educação

Resumo

Este artigo, um mergulho na minha tese de doutoramento, tem a vocação de poder problematizar as escritas autobiográficas postadas nas redes sociais escolares do Orkut, trazendo à baila a questão do tempo de duração das narrativas nos suportes digitais. Naquele espaço da web, os navegadores, tripulantes de uma produção histórica do tempo presente, postam as suas histórias escolares do mesmo modo que outras fontes historiográficas apresentam vivas as vozes que clamam por visibilidade nos territórios da História da Educação. Será que os suportes modernos são criados mais para a difusão do que para a conservação, endossando a questão da efemeridade das escritas do universo virtual? Será que os ex-alunos escritores estão conscientes disso? Poder avaliar a documentação, descartar o desnecessário, criar condições de sobrevivência para esses documentos, pode ser um caminho para se poder pensar essa temática. Valho-me dos estudiosos Eco (2010), Mignot (2006), Castillo Gómez (2005), Vidal (2000), e Meneses (2009) para nos ajudar a refletir que as novas tecnologias digitais também têm a sua importância no quesito espaço e guarda de documentos, mesmo com os seus estatutos contraditórios e ambíguos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERCA, Manuel. La escritura invisible: testimonios sobre el diário íntimo. Madrid: Sendoa, 2000.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAUMAN, Zygmun. Isto não é um diário. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2001.

BRITTO, Sérgio. Epitáfio. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2010.

CASTILLO GÓMEZ, Antônio. (Org.). História de la cultura escrita. Madrid: Trea, 2002.

_________; BLAS, Verônica Sierra. (Orgs.). Letras bajo sospecha: escritura y lectura em centros de internamiento. Madrid: Trea, 2005.

CHARTIER, Roger. Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação. Tradução. de Maria de Lourdes Meirelles Matencio. São Paulo: Mercado de Letras, 2003.

ECO, Umberto. Eletrônicos duram dez anos. Jornal Estado de São Paulo, 13/03/2010. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/>. Acesso em: 10 mar. 2010.

GOMES, Ângela de Castro. (Org). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004, pp. 7-26.

KARNAL, Leandro; TATSCH, Flavia Galli. Documento e história: a memória evanescente. In: PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tânia Regina. (Orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009. p. 9-26.

LACERDA, Lilian de. Álbum de leitura: memórias de vida, histórias de leitoras. São Paulo: Unesp, 2003.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LERNER, Fred. The story of libraries. New York: Continuum, 1998.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa, São Paulo: Ed. 34, 1999.

LISPECTOR, Clarice. Perto do coração selvagem. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

MALUF, Marina. Ruídos da memória. São Paulo: Siciliano, 1995.

MENESES, Sônia. Passageiros entre palavras fugazes: pensar o tempo presente entre mídia, história e memória. Revista eletrônica História Agora, v. 7, p. 1-16, 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2011.

MENEZES, Jaci Maria Ferraz de. Memória. Autobiografia e relatos de formação: a escola, a sala de aula e o fazer docente. In: SOUZA, E. C. de. História de vida e formação de professores, boletim 1, março de 2007. p. 23-40. Disponível em: <http://tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/165212>. Acesso em: 12 set. 2011.

MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio. Da gaveta à vitrine: exposições sobre a escrita. In SOUZA, E. C. de. (Org.). Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: Edipucrs, 2006. p. 207-224.

MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio; BASTOS, Maria Helena Câmara; CUNHA, Maria Teresa Santos. (Orgs). Refúgios do eu: educação, história e escrita autobiográfica. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2000.

MUZART, Zahidé Lupinacci. Do navegar e de navegantes. In: CONGRESSO NACIONAL DA ABRALIC, 6., 1998, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2010.

PITTY, Leone. Admirável chip novo. Disponível em: <http://letras.terra.com.br/pitty>. Acesso em: 12 set. 2011.

REGO, Teresa Cristina. Memórias de escola: cultura escolar e constituição de singularidades. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

SANT’ANNA, Affonso Romano. Libraries, social inequality and the challenge of the twenty-first century. In: GRAUBARD, Stephen; LECLERC, Paul. Books, brics & bites: libraries in the twenty-first century. New Brunswick (USA), London (UK): Transaction Publisher, 1997. p. 126-144.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SIMÕES, Robson Fonseca. Escritas à deriva: testemunhos efêmeros nas comunidades do Orkut. 2012. 242 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPED, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SIRINELLI, François. Ideologia, tempo e história. In: CHAUVEAU, Agnes. Questões para a história do presente. São Paulo: Edusc, 1999. p. 73-92.

TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória: questões sobre a relação entre história oral e as memórias. Revista Projeto História – Ética e História Oral, Programa de Estudos Pós-Graduados em História, São Paulo, Ed PUCSP, v. 15, p. 51-84, 1997.

VIANA, Maria José Mota. Do sótão à vitrine: memória de mulheres. Belo Horizonte: EDUFMG, 1995.

VIANA, Herbert; TILLET, Tendo a Lua. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2011.

VIDAL, Diana Gonçalves. Fim do mundo do fim: avaliação, preservação e descarte documental. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de. (Org.). Arquivos, fontes e novas tecnologias: questões para a história da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2000. p. 31-44.

VIÑAO, Antonio. Las autobiografias, memórias y diários como fuente histórico-educativa: tipologia e usos. TEIAS, Revista da Faculdade de Educação, UERJ, n. 1, p. 82-97, jun. 2000.

Publicado
2016-12-13
Métricas
  • Visualizações do Artigo 464
  • PDF downloads: 379
Como Citar
SIMÕES, R. F. ESCRITAS DE SI NA WEB: QUESTÕES PARA O SUPORTE DIGITAL. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 3, p. 498-512, 13 dez. 2016.