Homens gays no Twitter: performanes de autoerotismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p508-525

Palavras-chave:

Tecnologia Educacional, Pedagogia do corpo, Pedagogia da sexualidade, Autoerotismo, Twitter

Resumo

O Twitter é um artefato cultural para além de breves postagens. Os poucos caracteres dão espaço para que seus usuários façam postagens informativas, mas também produzam narrativas e abordagens sexuais e pornográficas. Neste contexto, a partir dos aportes teóricos dos estudos culturais na educação e dos estudos de redes sociais na educação, o artigo apresenta resultados de uma pesquisa cujo objetivo foi analisar como são construídas as performances de autoerotismo de um grupo de homens gays no Twitter, destacando discursos e pedagogias que educam o olhar por meio destas interações em rede. O método usado foi o qualitativo, de cunho descritivo e analítico, numa perspectiva dos estudos de redes sociais, numa abordagem da etnografia virtual. O método de análise foi a análise de conteúdo. Os resultados apontam que os perfis analisados promovem a exibição performática do autoerotismo, ressaltando sexualidades construídas em e para as telas. Tais performances são repletas de pedagogias que orientam modos de ser gay e a educação do olhar na era das conectividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Desidério, Universidade Estadual do Paraná

Doutor em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus Araraquara. Docente na Universidade Estadual do Paraná (Unespar). Lider do Grupo de Pesquisa em Educação e Diversidade (GPED) da UNESPAR e Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas Digitais. 

Edvaldo Souza Couto, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Docente na Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Departamento de Educação II. Lider do Grupo de Pesquisa Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas Digitais. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Nível 2. 

Referências

ALMEIDA, Milton José de. Cinema: arte da memória. Belo Horizonte: Autores Associados, 1999a.
ALMEIDA, Minton José de. Educação Visual da Memória: Imagens Agentes do Cinema e da Televisão. Pró-Posições. Vol. 10. N. 2 (29), 1999b. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644074. Acesso em: 27 jul 2022.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo, Edições 70, 2011.
BAUDRILLARD, Jean. De la séduction. Paris: Galilée, 1980.
BRENOT, Philippe. Elogio da masturbação. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1998.
BUTLER, Judith. Actos perfomativos e constituição de género. Um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: MACEDO, Ana Gabriela; RAYNER, Francesca. (Org.). Gênero, cultura visual e perfomance. Antologia crítica. Universidade do Minho/Húmus, pp. 69-88, 2011.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
COUTINHO, Laura. O estúdio de televisão e a educação da memória. Plano Editora, 2003.
COUTO, E. S., COUTO, E. S., & CRUZ, I. de M. P. #FIQUEEMCASA: Educação na pandemia da Covid19. Revista Educação, 8 (3), 200–217, 2020. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p200-217.
COUTO, Edvaldo Souza. Corpos voláteis, corpos perfeitos. Estudos sobre estéticas, pedagogias e políticas do pós-humano. Salvador: EDUFBA, 2012.
COUTO, Edvaldo Souza. Sexo além do sexo: performances corporais e pedagogias eróticas. Diversidade e Educação, [S. l.], v. 3, n. 5, p. 10–18, 2015b. Disponível em https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/6363. Acesso em: 20 jul 2022.
COUTO, Edvaldo Souza. Vida privada na esfera pública: narrativas de corpos e sexualidades nas redes sociais digitais. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, [S. l.], v. 4, n. 1, 2015a. DOI: https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v4i1.8710
FERRARI, Anderson; CASTRO, Roney Polato de. (Orgs.). Política e poética das imagens como processos educativos. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012.
FERRARI, Anderson. "Novas" homossexualidades, novas tecnologias e subjetividades em negociação. In: DESIDÉRIO, Ricardo. (Org). Sexualidade, educação e mídias: novos olhares, novas práticas. Londrina: Eduel, pp. 21-34, 2016.
FERRARI, Anderson. “Politicamente silenciosa”: cinema e a formação ética-estética dos sujeitos. In: FERRARI, Anderson; CASTRO, Roney Polato de. (Orgs.). Política e poética das imagens como processos educativos. Juiz de Fora: Ed. UFJF, pp. 37-
FOUCAULT, Michael. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
FOUCAULT, Michael. História da sexualidade 4: as confissões da carne. São Paulo: Paz e Terra, 2020b.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 3. O Cuidado de si. São Paulo: Paz & Terra, 2020.
FRAGOSO, Suely.; RECUERO, Raquel.; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.
FREIXAS, Ramón; BASSA, Joan. El Sexo en el Cine y el Cine de Sexo. Barcelona: Paidós Ibérica, 2000.
GERACE, Rodrigo. Cinema Explícito: representações cinematográficas do sexo. São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc São Paulo, 2015.
GIUSTI, Edoardo. L’autoerotismo. L'alba del piacere sessuale: dall’identità verso la relazione. Rome: Sovera Edizioni, 2006.
GOLDENBERG, Mirian; RAMOS, Marcelo Silva. A civilização das formas: o corpo como valor. In: GOLDENBERG, Mirian (org,). Nu & Vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro: Record, p. 19-40, 2007.
HAN, Byung-Chul. Sociedade da transparência. Petrópolis, RJ: Vozes, 2020.
JAGUARIBE, Beatriz. O choque do real: estética, mídia e cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
JAQUET, Chantal. Le corps. Paris: Presses Universitaire de France, 2001.
LE BRETON, David. Adeus ao corpo. In: NOVAES, Adauto. (Org.). O homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das Letras, p.123-37, 2003.
LE BRETON, David. Individualização do corpo e tecnologias contemporâneas. In: COUTO, Edvaldo; GOELLNER, Silvana Vilodre (Orgs.) O triunfo do corpo. Polêmicas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, pp. 15-32, 2012.
LE BRETON, David. Antropologia dos sentidos. Petrópolis: Vozes, 2016.
LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet. Em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.
LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2018b.
LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2018a.
MERCADO, Luiz Paulo. Pesquisa qualitativa on-line utilizando a etnografia virtual. Revista Teias, v. 13, n. 30, 2012. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24276. Acesso em 29 jul2022.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2009.
MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque; COPPOLA, Gabriela Domingues; RIGOTTI, Gabriela Fiorin. A educação pelo cinema. Rev. Educação e Cinema, Unicamp: SP, p. 02, 2005. Disponível em: https://setimaartefaeufmg.files.wordpress.com/2011/12/miranda-cea-educ-cinema1.pdf. Acesso em: 22jul 2022.
MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Reflexões de um Tempo e Diligências para Metodologias de Estudo de Imagens em Educação. Revista Educação & Realidade, v. 33, no1, pp. 99-115, jun/jun, 2008. Disponível em https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/6689. Acesso em 20 jul 2022.
MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Uma educação do olho: as imagens na sociedade urbana, industrial e de mercado. Caderno Cedes, n. 54, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622001000200004
MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
MISKOLCI, Richard. Negociando visibilidades: desejo e segredo em relações homoeróticas criadas on-line. Bagoas. UFRN, v.8, 2014. Disponível em https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/6543. Acesso em 20 jul 2022.
MISKOLCI, Richard. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos, v. 12, n.2, 2021. Disponível em https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/3160. Acesso em: 22 jul 2022.
PLÃ, June. Clube do orgasmo. Uma cartografia do prazer. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2022.
ROTELLO, Gabriel. Comportamento sexual e AIDS. A cultura gay em transformação. São Paulo: Summus, 1998.
ROWAN, Edward. Los prazeres del autoerotismo. Madrid: Alamah, 2001.
SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.
SANTANA, Camila Lima Santana e. Visibilidade mediada: estratégias e ações docentes no twitter, 257 f. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, 2014.
SILVA, Raphaelle Nascimento; COUTO, Edvaldo. #nasbordasabertasdeumtweet: pedagogias e produção de microcontos no Twitter. Diálogo Educacional., Curitiba, v. 21, n. 71, 2021. DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.21.071.AO04
SILVA, Ricardo Desidério. Educação audiovisual da sexualidade: uma proposta metodológica para análise e estudo de imagens e sons. Travessias, v. 14, n. 1, 2020. DOI: http://doi.org/10.48075/rt.v14i1.23365
SILVA, Ricardo Desidério. Educação Audiovisual da Sexualidade: olhares a partir do Kit Anti-Homofobia. 144f. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2015.
SILVA, Tomaz Tadeu (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2014.
SODRÉ, Muniz. A Máquina de Narciso: televisão, indivíduo e poder no Brasil. Rio de Janeiro: achiamé, 1984.
TAKARA, Samilo. Pedagogias pornográficas: sexualidades educadas por artefatos da mídia. Revista. Brasileira de Educação., Rio de Janeiro, v. 26, e260054, 2021.

Downloads

Publicado

2022-11-05

Como Citar

DESIDÉRIO, R.; COUTO, E. S. Homens gays no Twitter: performanes de autoerotismo. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 7, n. 21, p. 508–525, 2022. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p508-525. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/14882. Acesso em: 27 fev. 2024.