Currículo de Ciências: experiências, histórias e narrativas produzidas em um laboratório escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p339-356

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Aula prática, Memória

Resumo

O presente artigo foi elaborado a partir do recorte de uma pesquisa que se debruçou sobre a história de vida de uma docente que lecionou Ciências em uma escola pública municipal localizada no Rio de Janeiro entre as décadas de 1960 e 1990. Em perspectiva (auto)biográfica, acionamos as memórias de três narradoras como fontes para investigar o papel que os laboratórios de Ciências assumiram nos currículos da referida instituição de ensino. Além das narrativas produzidas por meio de entrevistas balizada pela metodologia da história oral, também foram acionadas fotografias e reportagens que circularam por jornais para a elaboração da empiria apresentada. Como resultados, evidenciamos as disputas em torno da consolidação dos espaços destinados às aulas práticas de Ciências e a progressiva transformação dos laboratórios em lugares de memória a partir das experiências de ensino e de formação cotidianamente construídas neles. À guisa de conclusão, reforçamos as potencialidades da pesquisa narrativa para a escrita das histórias das disciplinas escolares sob uma perspectiva que vislumbra as dinâmicas curriculares a partir do interior da escola. Defendemos também que este tipo de investigação favorece o reconhecimento da docência, valorizando-a, e repercute as singularidades do trabalho de professores e professoras de Ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Cerqueira do Nascimento Borba, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professor do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade do Estado de Minas Gerais, onde é Bolsista de Produtividade em Pesquisa e líder do Laboratório de Investigações em Narrativas, Currículos e Educação (LINCE/UEMG/CNPq). Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense.

Sandra Escovedo Selles, Universidade Federal Fluminense

Professora titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, onde coordena o grupo de pesquisa Currículo, Docência e Cultura (CDC/UFF/CNPq). Bolsista PQ 1-B do CNPq. Doutora pelo Center for Science Education, University of East Anglia.

Referências

AZEVEDO, M. Entre a bancada e a sala de aula – A experimentação no período de ouro do Ensino de Ciências. Curitiba: Appris Editora, 2020.

BENITO, A. E. La arquitectura como programa. Espacio-escuela y curriculum. Historia de la educación. v. 13, 1994, p. 97-120.

BENITO, A. E. El espacio escolar como escenario y como representación. Teias, v. 1, n. 2, 2000, p. 1 -12.

BENITO, A. E. La cultura material de la escuela y la educación patrimonial. Educatio Siglo XXL, v. 28, n. 2, 2010, p. 43 – 64.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. M. (Orgs.). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, p. 183-191, 2003.

BUFFA, E. Os Estudos sobre Instituições Escolares: organização do espaço e propostas pedagógicas. In: NASCIMENTO, M. I. M.; SALDANO, W., LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. (Orgs.). Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados, 2007, p. 151-164.

BURKE, P. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1991.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, n. 2, 1990. p. 177-229.

DELGADO, L. A. N. História Oral: memória, tempo, identidades. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

DUBET, F. La experiencia sociológica. Barcelona: Editorial Gedisa, 2011.

GINZBURG, C. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GOODSON, I. F. A Construção Social do Currículo. Lisboa: Educa, 1997.

GOODSON, I. F. Narrativas em educação: a vida e a voz dos professores. Porto: Porto Editora, 2015. 158 p.

GOODSON, I. F. Aprendizagem, currículo e política de vida. Petrópolis: Vozes, 2020.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2017.

LE GOFF, J. Memória e História. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

LOZANO, J. E. A. Prática e Estilos de Pesquisa Histórica Oral Contemporânea. IN: AMADO, J.; FERREIRA, M. (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

LUCA, T. R. História dos, nos e por meio dos periódicos. In PINSKY, C. B. (Org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, v.1, 2008, p.111-153.

MAUAD, A. M. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Tempo, v. 1, n. 2, 1996, p. 73-98.

MIGUEL M. E. B. Os arquivos e fontes como conhecimento da história das instituições escolares. In: NASCIMENTO, M. I. M.; SALDANO, W., LOMBARDI, J. C.;
SAVIANI, D. (Orgs.). Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados, 2007, p. 31-38.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, v. 10, 1993, p. 07-28.

NORONHA, O. M. Historiografia das instituições escolares: contribuições ao debate metodológico. In: NASCIMENTO, M. I. M.; SANDANO, W.; LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. (Orgs.). Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados, 2007, p. 165-173.

NÓVOA, A. Nota de Apresentação. In: GOODSON, I. F. A construção social do currículo. Lisboa: Educa, 1997. p. 9-16.

NUNES, C. Memória e História da Educação: entre práticas e representações. Educação em Foco - História da Educação. v. 07, n. 12, p. 01-17, 2004.

NUNES, C.; CARVALHO, M. M. C. Historiografia da Educação e Fontes. In: GONDRA, J. G. (Org.). Pesquisa em História da Educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 17-62.

PORTELLI, A. Sonhos ucrônicos: memórias e possíveis mundos dos trabalhadores. In: Projeto História, v. 10. São Paulo: PUC-SP, 1993. p. 41-58.

PORTELLI, A. O massacre de Civitella Val di Chiana: mito, política, luto e senso comum. In: FERREIRA, M.; AMADO, J. Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV,1996, p.103-130

PORTELLI, A. O que faz a História Oral diferente. Projeto História. São Paulo, n. 14, 1997, p. 25-39.

PORTELLI, A. Sempre existe uma barreira: a arte multivocal da história oral. In: Ensaios de história oral. São Paulo (SP): Letra e Voz, 2010. p. 19-35.

VIDAL, D. G. Cultura e práticas escolares: a escola pública brasileira como objeto de pesquisa. Historia de la Educación, v. 25, p. 131-152, 2006.

VIDAL, D. G. Por uma ampliação da noção de documento escolar. In: NASCIMENTO, M. I. M.; SANDANO, W.; LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. (Orgs.). Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados, 2007, p. 59-71.

VIDAL, D. G.; ABDALA, R. D. A fotografia como fonte para a história da educação: questões teórico-metodológicas e de pesquisa. Educação (UFSM). ed. 3. v. 30, 2005, p. 177-194.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

BORBA, R. C. do N.; SELLES, S. E. Currículo de Ciências: experiências, histórias e narrativas produzidas em um laboratório escolar. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 7, n. 21, p. 339–356, 2022. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p339-356. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/13944. Acesso em: 12 jul. 2024.