Histórias de vida de professoras negras na educação superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p476-491

Palavras-chave:

Docência. Ensino superior. Mulheres negras., Docência. Ensino superior, Mulheres negras

Resumo

As políticas públicas – como a Lei das Cotas - buscam assegurar e ampliar a presença de afrodescendentes na educação superior. Contudo, as desigualdades de acesso à universidade continuam sendo uma realidade para a população negra, bem como a ocupação de posições neste âmbito. Neste sentido, a presente investigação analisa os percursos profissionais de docentes universitárias negras, enfatizando as relações entre educação, trabalho e docência universitária. Foi desenvolvida pesquisa qualitativa, de característica exploratória, a partir de histórias de vida analisadas sob a perspectiva hermenêutica. Identifica-se que as participantes tiveram suas escolhas profissionais incentivadas pela família e todas vivenciaram condições semelhantes: precisaram conciliar educação e trabalho durante o percurso acadêmico, e a docência universitária tornou-se objetivo profissional após o ingresso na pós-graduação.  As docentes revelam que suas histórias são marcadas pela dupla discriminação – de raça e gênero – sendo suas presenças nas instituições de ensino superior valorizadas por colegas afrodescendentes, gerando reflexões em estudantes negras/os e não negras/os.

 

Palavras-chave: Docência. Ensino superior. Mulheres negras.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Laureano dos Santos, Unilasalle

Mestranda em Educação. Bacharel em Administração de Empresas - habilitação em Recursos Humanos, Especialista em Psicologia do Trabalho e das Organizações. Especialista em docência de nível técnico. Possui experiência área Administração, com ênfase em Recursos Humanos e na área de educação em cursos técnicos e superior (tutoria EAD e presencial).Atualmente é estudante do curso de mestrado em educação (Bolsa Capes) na Linha de Pesquisa Educação, Gestão e Políticas Públicas, realizando em estudos relacionados a gênero, raça e educação.

Denise Macedo Ziliotto , Unilasalle

Pós Doutorado pela Universidade de Lisboa . Doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo , mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, graduada em Psicologia e Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. É docente e pesquisadora no programa de Pos Graduação em Educação da Universidade La Salle e no curso de Psicologia. Sua ênfase em ensino, pesquisa e extensão transita entre os campos da Psicanálise, Psicologia doTrabalho e Políticas Públicas, pautando-se especialmente pelos seguintes temas: trabalho, educação, diferença e subjetivação contemporânea. 

Referências

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm > Acesso em 20 agosto 2020.

BRASIL. Lei nº 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2012/lei-12711-29-agosto-2012-774113-publicacaooriginal-137498-pl.html > Acesso em 27 maio 2020.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados. São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, Dez. 2003. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300008&lng=en&nrm=iso >. Acesso em 14 agosto 2020.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Boletim Especial: Desigualdade entre negros e brancos se aprofunda durante a pandemia. São Paulo: 2020. Disponível em < https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2020/boletimEspecial03.html > Acesso em 10 novembro 2020.

EUCLIDES, Maria Simone. Mulheres negras, doutoras, teóricas e professoras universitárias: desafios e conquistas. 2017. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza, 2017. Disponível em: < http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/26901 > Acesso em 20 outubro 2020.

GOMES, Nilma Lino. Educação, raça e gênero: relações imersas na alteridade. Cadernos Pagu, n. 6/7, p. 67-82, jan. 2010. Disponível em: < https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1862 > Acesso em 14 maio 2020.

GOMES, Nilma Lino. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 727-744, set. 2012. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302012000300005&lng=en&nrm=iso >. Acesso em 13 agosto 2020.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Movimento negro e educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 15, p. 134-158, dez. 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000300009&lng=en&nrm=iso >. Acesso em 14 maio 2020.

HERMANN, Nadja. Hermenêutica e educação. Rio de Janeiro: DP&A editora Ltda, 2003.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: educação como prática de liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. Brasília: 2019. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101681 > Acesso em 05 novembro 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo de educação superior 2016. Brasília: 2017. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/ > Acesso em 20 maio 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo de educação superior 2019. Brasília: 2020. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/ > Acesso em 21 novembro 2020.

JOSSO, Marie Christine. As figuras de ligação nos relatos de formação: ligações formadoras, deformadoras e transformadoras. Educ. Pesqui., São Paulo , v. 32, n. 2, p. 373-383, ago. 2006 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022006000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. Acesso em 18 novembro 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios do racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MARQUES, Eugenia Portela de Siqueira. O acesso à educação superior e o fortalecimento da identidade negra. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, p. 1-23, dez. 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782018000100282&lng=en&nrm=iso >. Acesso em 14 maio 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2016.

QUADROS, Taiana Flores de. Vida de mulheres negras, professoras universitárias na Universidade Federal de Santa Maria. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015. Disponível em < https://repositorio.ufsm.br/handle/1/7228 > Acesso em 22 dezembro 2020.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte, MG: Letramento, 2017.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Shwarcz, 2018.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Shwarcz, 2019.

SANTOS, Patricia Heliodora. Racismo e Sexismo: mulheres na docência do ensino superior em Montes Claros (1998 – 2015). Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros. 2018. Disponível em: < https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=7561026 > Acesso em 02 julho 2020.

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico Vital. Mulheres negras do Brasil. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2007.

SILVA, Joselina da; EUCLIDES, Maria Simone. Falando de gênero, raça e educação: trajetórias de professoras doutoras negras de universidades públicas dos estados do Ceará e do Rio de Janeiro (Brasil). Educ. rev., Curitiba, v. 34, n. 70, p. 51-66, ago. 2018. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602018000400051&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em 20 agosto 2020.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e; GOMES, Nilma Lino (Org.). Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 3. ed. São Paulo: Autêntica, 2007.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

LAUREANO DOS SANTOS, L.; ZILIOTTO , D. M. Histórias de vida de professoras negras na educação superior. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 7, n. 21, p. 476–491, 2022. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p476-491. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/10556. Acesso em: 24 fev. 2024.