Black Earth Rising: Ruanda e a história do tempo presente

Autores

Palavras-chave:

Ruanda, Frente Patriótica Ruandesa, Black Earth Rising

Resumo

Ruanda esteve em grande parte do século XX imersa numa complexa e sangrenta guerra civil. O ápice deste processo, possível de ser compreendido sob o aporte da longa duração, foi o ano de 1994, momento em que por aproximados cem dias (entre os meses de abril a julho) foram assassinadas entre oitocentas e um milhão de pessoas. O final desta guerra civil ocorreu com a entrada das tropas da Frente Patriótica Ruandesa (FPR) na capital, Kigali. Logo após derrotar o exército e as milícias ligadas ao antigo governo de Juvénal Habyarimana, a FPR instaurou um novo regime que persiste até os dias atuais. Este artigo tem como objetivo discutir o contexto ruandês posterior a 1994, tendo como ponto de partida a série Black Earth Rising, produzida pelo canal de Streaming Netflix. Os episódios desta série apresentam os crimes praticados pela FPR, seja sob os ataques perpetrados contra os campos de refugiados ruandeses, situados na República Democrática do Congo (RDC), seja na eliminação física ou prisão dos opositores ao atual governante, Paul Kagamé. Para este artigo, foi feita uma revisão bibliográfica específica e análise da série à luz da bibliografia sobre o tema. A produção audiovisual, e os mais diversos produtos do fazer humano, servem como fonte para perceber pistas, indícios, de como os seres humanos agiram, pensaram e se colocaram perante o tempo em que viveram, tal como sugere a série em apreço. the literature on the subject. Audiovisual production, and the most diverse product sof human end eavour, serve as asource for perceiving clues, indications, of how human being sacted, thought and placed themselves before the times in which they lived, as the series in question suggests.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivaldo Marciano de França Lima, Universidade do Estado da Bahia, Bahia - Brasil

Professor adjunto da UNEB/ DEDC II, membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento (UNEB/UFBA/IFBA) e colaborador do Pós-Afro (UFBA).Líder do Grupo de Pesquisa CNPq África do século XXe tempo presente –História Contemporânea. Editor dos periódicos África(s) e Cadernos de África Contemporânea.

Contribuição de autoria: autor.

Referências

BLACK earth rising. Direção de Hugo Blick. Inglaterra: NETFLIX, 2018.8 episódios (480 min.), son., color.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.

CARRIÉRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

FONSECA, Danilo Ferreira da. A mídia ruandesa no genocídio de 1994: a relação entre tutsis, Inkotanyis e a Frente Patriótica Ruandesa. Em Tempos de Histórias, Nº. 22, vol. 01, p. 56 –77, 2013.

FONSECA, Danilo Fonseca. Etnicidade de hutus e tutsis no Manifesto Hutu de 1957. Cadernos de História, v. 17, n. 26, p. 221-250, 2016.

FONSECA, Danilo Fonseca. Publicando o ódio: a revista Kangura e a Guerra Civil Ruandesa. Cadernos de África Contemporânea, v. 1, p. 8-20, 2018.

FONSECA, Danilo Fonseca. Centros de memória e ensino: a Frente Patriótica Ruandesa e a difusão da História de Ruanda. Cadernos de África Contemporânea, v. 05, p. 131-142, 2022.

GOUREVITCH, Philip. Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

HATZFELD, Jean. Uma temporada de facões. Relatos de genocídio em Ruanda. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

KAPUSCINSKI, Ryszard. Uma palestra sobre Ruanda. In: Ébano. Minha vida na África. São Paulo: Cia das Letras, 2011, p. 185 -204.

KI-ZERBO, Joseph (org). História Geral da África, vol. I –Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO/ MEC, 2010.

KI-ZERBO, Joseph. História da África negra. Volume I. Mem Martins: Publicações Europa-América, 2009.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. A “África” brasileira e as “Áfricas” dos africanos: estereotipias e conflitos nas representações e nas formas de conhecer os fenômenos. In: SOUZA, Antônio Carlos dos Santos; SANTOS, Débora Abdalla; SAMPAIO, Romilson Lopes; LIMA, Ivaldo Marciano de França(Org.). Sistemas de representação do conhecimento. Uma visão transdisciplinar entre computação e humanidades. 1ª ed. Salvador: EDUFBA, 2023(b), v. 01, p. 17-32.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. África e histórias em quadrinhos. Representações homogêneas do continente africano através das revistas do Fantasma, Tintim e Soldado. In: SILVA, Júlio Claudio da; ROCHA, João Marinho da (Org.). Áfricas, escravidão e liberdade. 01ª ed. Manaus: Editora da Universidade do Estado do Amazonas -EDUEA, 2022, v. 01, p. 14-35.

LIMA, Ivaldo Marciano d eFrança. Ensino de História, África e Brasil: Entre Conceitos e Estereotipias. Revista Tempo, Espaço e Linguagem, v. 10, p. 41-69, 2019 (a).

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Representações da África no âmbito do ensino de história: algumas questões de análise dos conteúdos. LABIRINTO (UNIR), v. 31, p. 97-123, 2019 (b).

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Representações da África no Brasil: Novas Interpretações. 1ª ed. Recife: Editora Bagaço, 2018.

LIMA, Ivaldo Marciano de França. Retroalimentando a barragem de mitos. História UNICAP, v. 10, p. 86-114, 2023(a).

MAMDANI, Mahmood. When Victims Become Killers: Colonialism, Nativism, and the Genocide in Rwanda. New Jersey: Princeton University Press, 2002.

MORETTIN, Eduardo Victorio. O Cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 38, p. 11-42, 2003.

MUKASONGA, Scholastique. A mulher de pés descalços. São Paulo: Editora Nós, 2017a.

MUKASONGA, Scholastique.Baratas. São Paulo: Editora Nós, 2018.

MUKASONGA, Scholastique. Nossa Senhora do Nilo. São Paulo: Editora Nós, 2017b.

OBENGA, T. Fontes e técnicas específicas da história da África -Panorama Geral. In: KI-ZERBO, Joseph (org). História Geral da África, Vol. I –Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO/ MEC, 2010, p. 59 –76.

REIS, José Carlos. Escola dos Annales. A inovação em História. São Paulo: Paz e Terra, 2004.REIS, José Carlos. Nouvelle Histoire e o tempo histórico. A contribuição de Febvre, Bloch e Braudel. São Paulo: Annablume, 2008.

ROSENSTONE, Robert A. A história nos filmes. Os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

SILVA, Igor Castellano da. Congo. A Guerra Mundial Africana. Conflitos armados, construção do estado e alternativas para a paz. Porto Alegre: Leitura XXI, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-31

Como Citar

LIMA, I. M. de F. Black Earth Rising: Ruanda e a história do tempo presente. Perspectivas e Diálogos: Revista de História Social e Práticas de Ensino, Caetité, v. 6, n. 12, p. 133–150, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/nhipe/article/view/19473. Acesso em: 20 maio. 2024.