MULTIPLICAR ESCOLAS E ESTAR NA CULTURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESCOLA DOS TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA/BA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p269-286

Palavras-chave:

Cultura, Escola, Retomada, Tupinambá

Resumo

Neste artigo pretendemos demonstrar, a partir da etnografia realizada sobre a escola dos Tupinambá de Olivença (BA), como esta instituição tem se tornado central para a defesa e demarcação do território, sobretudo nas áreas de retomadas. Ademais, interessa-nos refletir sobre a centralidade da escola para a produção de pessoas fortes na cultura, atualização e produção de parentesco e para aquilo que os Tupinambá definem como no estar na cultura. Nesse sentido, estar na cultura, para os Tupinambá, se traduz no processo de construir coletividades, e a escola tem sido um vetor importante nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCON, D. F. O retorno da terra: as retomadas na aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro, sul da Bahia. 2013. 343f. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados sobre a América) – Instituto de Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados Sobre as Américas, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2013.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Políticas culturais e povos indígenas: uma introdução. In: CARNEIRO DA CUNHA, M.; CESARINO, P. de N. (org.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 9-21.

COHN, C.; SANTANA, J. V. J. de. A antropologia e as experiências escolares indígenas. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 13, n. 25, p. 61-86, 2016.

COLLET, C. L. G. Ritos de civilização e cultura: a escola bakairi. 2006. 391f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2006.

COSTA, E. F. de J. Da corrida de tora ao poranci: a permanência histórica dos Tupinambá de Olivença no Sul da Bahia. 2013. 203f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2013.

ESCOLA ESTADUAL INDÍGENA TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA. Projeto Político Pedagógico (PPP). Olivença, BA, 2013.

FERREIRA, S. M. M. “A luta de um povo a partir da educação”: Escola Estadual Indígena Tupinambá da Serra do Padeiro. 2011. Dissertação (Mestrado em E ducação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, 2011.

FERREIRA, S. M. M. Escola Indígena Tupinambá da Serra do Padeiro. In: CÉSAR, A. L. S.; COSTA, S. L. (org.). Pesquisa e escola: experiências em educação indígena na Bahia. Salvador: Quarteto, 2013. p. 285-305.

LOPES DA SILVA, A. Educação para a tolerância e povos indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B.; VIDAL, L.; FISCHMANN, R. (org.) Povos indígenas e tolerância: construindo práticas de respeito e solidariedade. São Paulo: EDUSP, 2001. p. 99-131.

MAGALHÃES, A. M. A luta pela terra como “oração”: sociogênese, trajetórias e narrativas do “movimento” Tupinambá. 2010. 151f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2010.

MAGALHÃES, J. C. B. “O que nós queremos é uma escola com o cheiro do nativo”: os modos de apropriação da escola pelos Tupinambá de Olivença. 2019. 112f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2019.

MAINARDI, C. Construindo proximidades e distanciamentos: etnografia Tupi Guarani da Terra Indígena Piaçaguera/SP. 98f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2010a.

MAINARDI, C. O papel da escola no resgate cultural dos Tupi Guarani da Terra Indígena Piaçaguera-SP. Revista Pós em Ciências Sociais, v. 7, n. 14, p. 45-57, jul./dez. 2010b. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/562. Acesso em: 08 jun. 2013.

MARCIS, T. A “hecatombe de Olivença”: construção e reconstrução da identidade étnica – 1904. 2004. 163f. Dissertação (Mestrado de História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2004.

MEJÍA LARA, A. E. “Estar na cultura”: os Tupinambá de Olivença e o desafio de uma definição de indianidade no Sul da Bahia. 2012. 153f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2012.

MESSEDER, M. L. L. A construção da licenciatura indígena da UNEB: os dilemas, os desafios, os limites e as possibilidades. In: CÉSAR, A. L. S.; COSTA, S. L. (org.). Pesquisa e escola: experiências em educação indígena na Bahia. Salvador: Quarteto, 2013. p. 37-54.

MESSEDER, M. L. L.; FERREIRA, S. M. M. Educação escolar entre os Tupinambá da Serra do Padeiro: reflexões sobre a prática docente e o projeto comunitário. Revista da FAEEBA, v. 19, n. 33, p. 185-198, jan./jun. 2010.

PEIRANO, M. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.

ROCHA, C. C. da. “Bora vê quem pode mais”: uma etnografia sobre o fazer política entre os Tupinambá de Olivença (Ilhéus, Bahia). 2014. 303f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2014.

SAHLINS, M. Cultura na prática. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

SANTANA, J. V. J. de. “A letra é a mesma, mas a cultura é diferente”: a escola dos Tupinambá de Olivença. 2015. 241f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2015.

SANTOS, M. V. A. Práxis pedagógicas e saberes culturais: diálogos com as professoras Tupinambá de Olivença/BA. 2016. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação Profissional) – Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores da Educação Básica, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA, 2016.

SILVA, N. B. da. Educação de jovens e adultos e a afirmação da identidade étnica do povo Tupinambá de Olivença – 1996 a 2004. 2006. Monografia (Especialização em Educação de Jovens e Adultos) – Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA, 2006.

VIEGAS, S. de M. Socialidades Tupi: Identidade e experiência entre os índios-caboclos (Bahia/Brasil). 2003. 423f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal, 2003.

VIEGAS, S. de M. Terra calada: os Tupinambá na mata atlântica do sul da Bahia. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

VIEGAS, S. de M. Resumo do Relatório Circunstanciado de Delimitação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 146, n. 74, p. 52-57, 20 abr. 2009.

WEBER, I. Um copo de cultura: os huni kuin (Kaxinawá) do rio humaitá e a escola. Rio Branco: EDUFAC, 2006.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

SANTANA, J. V. J. de; COHN, C. MULTIPLICAR ESCOLAS E ESTAR NA CULTURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESCOLA DOS TUPINAMBÁ DE OLIVENÇA/BA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 57, p. 269–286, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p269-286. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8284. Acesso em: 23 maio. 2024.