Controvérsias e binarismos:

concepções de professoras sobre brincadeiras e gênero na Educação Infantil

Autores

  • Luciane Cristina Correa Secretaria Municipal de Educação de Lages
  • Mareli Eliane Graupe Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (20h) e do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Saúde (20h) na Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC/SC). http://orcid.org/0000-0001-5489-1361
  • Regina Ingrid Braganolo Atualmente é professora da Universidade Federal de Santa Catarina no Núcleo de Desenvolvimento Infantil NDI/CED. http://orcid.org/0000-0002-8237-7383

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p243-258

Palavras-chave:

Educação Infantil, Brincadeiras, Gênero, Binarismos.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as concepções de gênero e de brincadeiras de professoras de Educação Infantil de uma cidade do interior do Sul do Brasil. O referencial teórico abarca autores(as) como: Butler (1990), Meirelles (2015), Campos e Barbosa (2015), Kishimoto (2008), Finco (2003) e Louro (2014). A pesquisa é de cunho qualitativo e teve como registro metodológico entrevistas focalizadas com cinco docentes e observação participante passiva. Os dados apontam que o debate de gênero na Educação Infantil apresenta controvérsias e ambivalências, na concepção das professoras, ao tratar das brincadeiras e gênero na medida que fazem uso de uma ordem conceitual pautado nos binarismos: entre meninos e meninas, nos brinquedos e brincadeiras e nos modos de organização dos corpos nos espaços educativos.  Desse modo, a ampliação da produção de conhecimentos no campo de estudos de gênero e educação infantile é urgente e necessária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Cristina Correa, Secretaria Municipal de Educação de Lages

Possui graduação em Pedagogia pelo Centro Universitário FACVEST (2008). Especialização em Práticas Psicopedagógicas Interdisciplinar e Gestão Escolar FACVEST (2012) . Mestre em Educação pela Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC (2018) .Atualmente é professora de Educação Infantil - Secretaria de Educação do Município de Lages.

Mareli Eliane Graupe, Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (20h) e do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Saúde (20h) na Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC/SC).

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (20h) e do Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Saúde (20h) na Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC/SC). Coordena o grupo de pesquisa Gênero, Educação e Cidadania na América Latina (GECAL/UNIPLAC). Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Educação na UNIPLAC/SC. Licenciada em Pedagogia (2001) e mestra em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (2004), doutora em Educação e Cultura pela Universidade de Osnabrueck, Alemanha (2010), revalidação UFSM (2010). Pós-doutora pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas, UFSC (2011) e pós-doutora pelo Programa de Antropologia Social, UFSC (2012). É pesquisadora do Instituto de Estudos de Gênero (IEG/UFSC), (LEVIS/UFSC) e da REDE LIESS (Laboratorio Iberoamericano para el Estudio Sociohistórico de las Sexualidades). Membra da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação na UNIPLAC/SC no biênio 2017/2018. Coordenou o Eixo 18 "Gênero, Sexualidade e Educação", na ANPED Sul (2018). Atuo com as seguintes temáticas: Políticas públicas de gênero. Equidade de gênero na educação e na saúde. Sexualidades e violências. Educação em saúde. Formação de professoras. Educação Infantil. Práticas pedagógicas equitativas. Metodologia de pesquisa qualitativa e quantitativa.

Regina Ingrid Braganolo, Atualmente é professora da Universidade Federal de Santa Catarina no Núcleo de Desenvolvimento Infantil NDI/CED.

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (PPGP/UFSC), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE/UFSC). Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2004), graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2004). Atualmente é professora da Universidade Federal de Santa Catarina no Núcleo de Desenvolvimento Infantil NDI/CED. Tem experiência na área de Educação e Psicologia, com ênfase em Fundamentos da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, sexualidade, políticas públicas, violências e infância

Referências

ANGOTTI, M. Semeando o Trabalho Docente. In: OLIVEIRA, Z. M. R. Educação Infantil: muitos olhares. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BARBOSA, M. C. Práticas cotidianas na educação – bases para reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília, 2009. Disponível em:

<http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_praticas_cotidianas.pdf>. Acesso em: 01 out. 2019.

BARROS, A. J. S. Fundamentos da metodologia científica. 3 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BRAGAGNOLO, R. I. WIGGERS, Verena. Reflexões sobre o lugar da primeira infância na creche e na pré-escola. In: ASSIS, G. O.; MINELLA, L. S.; FUNCK, S. B. (Orgs). Entrelugares e mobilidades: desafios feministas. Tubarão: Copiart, 2014.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm>. Acesso em 22 set. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 22 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras nas creches: manual de orientação. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BRASIL. Orientações estratégicas para institucionalização da temática de gênero nos órgãos governamentais. Comitê de Articulação de Monitoramento do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Governo Federal. Presidência da República: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2011.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1990.

CARVALHO, M. E. P. Construções e desconstruções de gênero na instituição de educação infantil. In: ASSIS, G. O.; MINELLA, L. S.; FUNK, S. B. (Orgs.). Entrelugares e mobilidades: desafios feministas. Tubarão: Editora Copiart, 2014.

CAMPOS, R.; BARBOSA, M. C. S. BNC e educação infantil: quais as possibilidades? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 353-366, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2019.

INFORME BRASIL – Gênero e Educação/Ação Educativa. In: CARREIRA, D. (Coord). Ecos: Centro de Referência às Vítimas da Violência do Instituto Sedes Sapientiae. Relatoria Nacional para o Direito Humano à Educação. São Paulo: Ação Educativa, 2011. Edição revista 2013.

CARREIRA, D. Gênero e educação: fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais. São Paulo: Ação educativa, Cladem, Ecos, Geledés e Fundação Carlos Chagas, 2016.

FINCO, D.; GOBBI, M. A; FARIA, A. L. G. Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil – ALB; São Paulo: Fundação Carlos Chagas – FCC, 2015.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na Educação Infantil. Pró-Posições. Dossiê: Educação Infantil e Gênero, v.14, n. 42, 2003.

FLICK, U. Codificação e categorização. In: FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Tradução: Joice Elias. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GRAUPE, M. E. Pedagogia da Equidade: gênero e diversidade no contexto escolar. In: MINELLA, L. S.; ASSIS, G. O.; FUNK, S. B. (Orgs.). Desafios feministas. Tubarão: Editora Copiart, 2014.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7155-2-3-brinquedos-brincadeiras-tizuko-morchida/file>. Acesso em: 22 fev. 2019.

KISHIMOTO, T. M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 2008.

KISHIMOTO, T. M.; FREYBERGER, A. Brinquedos, brincadeiras e materiais para bebês: manual de orientação pedagógica: Módulo II. [S.l: s.n.]. Brasília: Ministério da Educação Básica, 2012.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MAUAD, A. M. A vida das crianças de elite durante o Império. In: DEL PRIORE, M. História das crianças no Brasil. 7. ed, 2ª reimpr. São Paulo: Contexto, 2015.

MAYRING, P. Qualitative Inhaltsanalyse. In: FLICK, U.; KARDOFF, E.V.; STEINKE, I. (Orgs.). Qualitative Forschung: Ein Handbuch. Reinbeck: Rowohlt. S. 468-475, 2007.

MEIRELLES, R. Território do brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015.

OLIVEIRA, Z. R. O trabalho do professor na educação infantil. São Paulo: Biruta, 2012.

RAMOS, F. P. A história trágico-marítima das crianças nas embarcações portuguesas do século XVI. In: História das crianças no Brasil. In: DEL PRIORE, M. História das crianças no Brasil. 7. ed, 2ª reimpr. São Paulo: Contexto, 2015.

REIS, T.; EGGERT, E. Ideologia de gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 138, p. 9- 26, jan. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302017000100009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 06 out. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017165522.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Proposta Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Educação – [S.I.]: [S. n.], 2014.

SILVA, L. M. F; COSTA, E. A; MELLO, A. M. Os fazeres na educação infantil. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

TAMANINI, M. Gênero, sexualidade e relações étnico-raciais: limites e desafios de um curso a distância. In: MINELLA, L. S.; CABRAL, C. G. (Orgs.). Práticas pedagógicas e emancipação: gênero e diversidade na escolaFlorianópolis: Editora Mulheres, 2009.

VIANNA, C. A mente do bebê: o fascinante processo de formação do cérebro e a personalidade, 3. ed., ver. e atual. São Paulo: Dueto Editorial, 2011.

VIANNA, C.; UNBEHAUN, S. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, p. 77 a 104, jan. /abr. 2004.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

CORREA, L. C.; GRAUPE, M. E.; BRAGANOLO, R. I. Controvérsias e binarismos:: concepções de professoras sobre brincadeiras e gênero na Educação Infantil. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 62, p. 243–258, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n62.p243-258. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7551. Acesso em: 15 jun. 2024.