GAMES E EDUCAÇÃO: DESVENDANDO O LABIRINTO DA PESQUISA

Autores

  • Lynn Alves Universidade de Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p177-186

Palavras-chave:

Games, Pesquisa, Violência, Educação, Aprendizagem

Resumo

Os jogos eletrônicos completaram mais de 50 anos de existência e, ao longo desse tempo, conquistaram diferentes espaços, indo da indústria de entretenimento de maior faturamento do mundo a objeto de investigação nas universidades internacionais e brasileiras. Além disso, conquistaram também jogadores do gênero feminino, mudando totalmente as ideias que se tinha desse artefato que, além de divertir, entreter, também se constitui em um objeto cultural. Com o objetivo de aprofundar as discussões em torno dos jogos digitais, o Grupo de Pesquisa Comunidades Virtuais, financiado pela FAPESB, realizou no período 2010-2012, o projeto Games Studies, que tinha o objetivo de mapear as pesquisas existentes no Banco de Teses e Dissertações da Capes, na área de Educação, a fim de identificar as principais tendências teórico-metodológicas dessas investigações e suas possíveis contribuições para a comunidade acadêmica. Assim, este artigo objetiva apresentar os resultados dessa pesquisa, que foi realizada por meio de uma abordagem quali-quantitativa, na qual foram analisadas dezenove dissertações e cinco teses. Os resultados apontam uma tendência por pesquisas de base qualitativa e predominância de interlocução com autores clássicos como Huizinga, Caillois, Vygotsky, Piaget, e mais contemporâneos como Alves, Moita e Santaella. A pesquisa conclui que as investigações consolidaram os games como objeto de investigação nos cenários acadêmicos brasileiros, influenciando na publicação de novas literaturas na área, na criação e consolidação de eventos, bem como na produção de games voltados para a Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lynn Alves, Universidade de Estado da Bahia

Pós-doutora em Jogos Eletrônicos e Aprendizagem pela Universidade de Turim. Professora Titular do Programa de Pós- -Graduação em Educação e Contemporaneidade da Universidade de Estado da Bahia (UNEB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Modelagem Computacional (SENAI/CIMATEC)

Referências

ALVES, Lynn. Game over – jogos eletrônicos e violência. 2004. 211 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004

______. Game over – jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.

ARRUDA, Eucídio Pimenta. Jogos digitais e aprendizagens: o jogo Age of Empires III desenvolve ideias e raciocínios históricos de jovens jogadores? 2009. 237 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

______. Aprendizagens e jogos digitais. São Paulo: Alinea, 2011.

BAHIA. Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Centros Juvenis de Ciência e Cultura. Salvador, 2012. Disponível em: <http://institucional.educacao.ba.gov.br/centrosjuvenis>. Acesso em: 20 jun. 2013.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio D'Água, 1991.

BITTENCOURT, Cristiane. 2006. 135 f. Jogos eletrônicos: deuses e demônios na formação do homem. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

BROUGÉRE, Gilles. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

CABREIRA. Luciana Grandini. Jogos eletrônicos sob o olhar de mediadores do conhecimento – a virtualização do brincar na perspectiva dos professores de 3ª e 4ª Série do Ensino Fundamental I de uma escola confessional de Maringá-PR. 2006. 223 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2006.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens. Lisboa: Portugal, 1990.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas. São Paulo: Editora da USP, 2006.

CAZETTA, Gizelle. Game digital, brinquedo de aprender: o caso Counter Strike e o ensino da disciplina redes de computadores. 2007. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2007.

DADOUN. Roger. A violência: ensaio acerca do “homo violens”. Rio de Janeiro: Ditei, 1998.

DIÓGENES, Glória. Cartografia da cultura e da violência – gangues, galeras e o movimento hip hop. São Paulo: Anna Blume, 1998.

FERES NETO, Alfredo. A virtualização do esporte e suas novas vivências eletrônicas. 2001. 236 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer e outros trabalhos. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FRIEDMANN, Adriana. Brincar: crescer e aprender – o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert (Org.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

GAME STUDIES. Banco de teses e dissertações sobre games no cenário acadêmico brasileiro, tendo como interlocutores os pesquisadores da Educação. Salvador: UNEB/FAPESB, 2010.

GASPAR, Débora Rocha. Jogos eletrônicos: entre a escola e a lan house. 2007. 188 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

GEE, James Paul. Lo que nos enseñan los videojuegos sobre el aprendizaje y el alfabetismo. Málaga: Aljibe, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2001.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOHNSON, Steven. Emergência – a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

LÈVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1999.

MALONE, Thomas. What makes computer games fun? Byte, n. 6, p. 258-277, 1981.

MARTINEZ, Viviana Carola Velasco. “Game over”: a criança no mundo do videogame. 1994. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 1994.

MENDES, Claudio Lúcio. Controla-me que te governo: os jogos para computador como formas de subjetivação e administração do eu. 2004. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

______. Jogos eletrônicos - diversão, poder e subjetivação. Campinas, SP: Papirus, 2005.

MICHAUD, Yves. A violência. São Paulo: Ática, 1989.

MINAYO, Maria Cecília. A violência na adolescência: um problema de saúde pública. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 278-292, jul./set. 1990.

MOITA, Filomena Maria G. da S. Cordeiro. Games: contexto cultural e curricular juvenil. 2006. 181 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006.

______. Game On: jogos eletrônicos na escola e na vida da geração @. São Paulo: Alínea, 2007.

MOURA, Juliana. Jogos eletrônicos e professores: mapeando possibilidades pedagógicas. 2009. 188 f. Dissertação (Mestrado em Educação e Contemporaneidade) – Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, 2009.

OI. Instituto OI Futuro. Nave de portas abertas. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.oifuturo.org.br/educacao/nave/>. Acesso em: 20 jun. 2013.

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco. Olimpíadas de Jogos Digitais e Educação. Recife, 2010. Disponível em: <http://www7.educacao.pe.gov.br/oje>. Acesso em: 20 jun. 2013.

PIAGET, Jean. Psicologia da inteligência. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

PRASERES, JUNIOR. Jaime. Educação e jogos eletrônicos: estudo de caso dos games produzidos com financiamento da FINEP. 2010. 104 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia (UNEB), 2010.

RODRIGUES, Rafael Augusto Bertoni. A contribuição dos jogos eletrônicos para o consumo consciente: um estudo de caso no Colégio Integrado Santa Inês (2006-2007). 2007. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2007.

SANTAELLA, Lúcia. Cultura das mídias. São Paulo: Experimento, 1996.

SHAFFER, David. el at. Video games and the future of learning. Phi Delta Kappan, v. 87, n. 2, p. 104-111, 2005. Disponível em: <http://epistemicgames.org/cv/papers/videogamesfuturelearning_pdk_2005.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2012.

STEIBEL, Fabro. Classificação indicativa: uma análise do estado da arte da pesquisa sobre o tema no Brasil. In: COLÓQUIO NACIONAL SOBRE CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA, 2013, Brasília. (mimeo).

TURKLE, Sherry. A vida no ecrã – a identidade na era da Internet. Lisboa: Relógio D’água, 1997.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB). Grupo de Pesquisa Comunidades Virtuais. Salvador, 2005. Disponível em: <http://www.comunidadesvirtuais.pro.br>. Acesso em: 20 jun. 2013.

VYGOTSKY, Lev Semynovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Publicado

2019-10-16

Como Citar

ALVES, L. GAMES E EDUCAÇÃO: DESVENDANDO O LABIRINTO DA PESQUISA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 22, n. 40, p. 177–186, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p177-186. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7448. Acesso em: 26 maio. 2024.