OS FAZERES DE BEBÊS E SUAS PROFESSORAS NA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA CENTRADA NA CRIANÇA

Autores

  • Tacyana Karla Gomes Ramos Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p133-144

Palavras-chave:

Bebês, Práticas pedagógicas, Educação infantil, Relações entre pares

Resumo

O presente estudo busca captar o ponto de vista de bebês sobre a organização das práticas educativas, explorando suas possibilidades expressivas não verbais, em situações cotidianas da Educação Infantil. Participaram da pesquisa duas professoras, seis Auxiliares de Desenvolvimento Infantil e 31 crianças de ambos os sexos, com idades entre 08 e 16 meses, integrantes de dois Centros Municipais de Educação Infantil da cidade do Recife-PE. Foram realizadas 38 sessões de filmagem durante três meses. Os dados foram produzidos por meio da análise microgenética, em que cada sessão foi observada atentamente a fim de serem recortados e descritos episódios interacionais. Olhar para o bebê no contexto da Educação Infantil e ouvi-lo em seus interesses viabilizou a captura e a compreensão de seu ponto de vista como elemento que balizou a construção de um trabalho pedagógico a partir das competências sociocomunicativas que seu comportamento interativo pôde desvelar em parceria com suas professoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tacyana Karla Gomes Ramos, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora Adjunta IV do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UFS).

Referências

ADES, César. Um adulto atípico na cultura das crianças. In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Teoria e prática na pesquisa com crianças. São Paulo: Cortez, 2009. p. 127-136.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força – rotinas na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 20/2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília, DF: 2009.

CAMAIONI, L. L’Interazione tra bambini. Roma: Armando, 1980.

CAMPOS, Maria Malta. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, Sílvia Helena Viera (Org.). A criança fala: a escuta da criança em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 127-139.

CARVALHO, Ana Maria Almeida; BERALDO, K. E. A. Interação criança-criança: o ressurgimento de uma área de pesquisa e suas perspectivas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 71, p. 55-61, nov. 1989.

CARVALHO, Ana Maria Almeida; MULLER, Fernanda; SAMPAIO, Sonia Maria Rocha. Sociologia da infância, psicologia do desenvolvimento e educação infantil: diálogos necessários. In: MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida (Org.). Teoria e prática na pesquisa com crianças. São Paulo: Cortez, 2009. p. 189-204.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. São Paulo: Zahar, 2005.

CORSARO, Willian. The sociology of childhood. London: Pine Forge Press, 2005.

CRUZ, Sílvia Helena Vieira (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MÜLLER, Fernanda. Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 91, p. 351-360, maio/ago. 2005.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma pedagogia da Educação Infantil. In: GOULART, Ana Lúcia de Faria; PALHARES, Marina Silveira (Org.). Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. p. 37-41.

GRAUE, Elisabeth; WALSH, Daniel. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

HORN, Maria da Graça Souza. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

JABLON, Judy; DOMBRO Amy Laura; DICHTELMILLER, Margo. O poder da observação. Porto Alegre: Artmed, 2009.

KRAMER, Sônia. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. In: BASÍLIO, Luís Carlos C.; KRAMER, Sônia. Infância, educação e direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2003. p. 85-98.

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Educação infantil e currículo. In: GOULART, Ana Lúcia de Faria; PALHARES, Marina Silveira (Org). Educação infantil pós LDB: rumos e desafios. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. p. 21-36.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MONTANDON, Cléoâtre. As práticas educativas e a experiência das crianças. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 91, p. 143-162, maio/ago. 2005.

MARTINS FILHO, Altino José (Org.). Criança pede respeito. Porto Alegre: Mediação, 2005.

MARTINS FILHO, Altino José. Et al. Infância plural: crianças do nosso tempo. Porto Alegre: Mediação, 2006.

MOSS, Peter. Recontextualizando a infância: crianças, instituições e profissionais. In: MACHADO, Maria Lucia de A. Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2005. p. 124-138.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. (Org.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.

PEDROSA, Maria Isabel; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Análise qualitativa de episódios de interação: uma reflexão sobre procedimentos e formas de uso. Psicologia, Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 431-442, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

POST, Jacalyn; HOHMANN, Mary. Educação de bebés em infantários – cuidados e primeiras aprendizagens. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

RAMOS, Tacyana Karla Gomes Ramos. A criança em interação social no berçário da creche e suas interfaces com a organização do ambiente pedagógico. 2010. 178 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, 2010.

RIBEIRO, Fernando Luiz; BUSSAB, Vera Sílvia Raad; OTTA, Ema. De colo em colo de berço em berço. In: MOURA, Maria Lucia Seill de (Org.). O bebê do século XXI e a psicologia em desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 230-284.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. Por que ouvir as crianças? Algumas questões para o debate científico interdisciplinar. In: CRUZ, Sílvia Helena Viera Cruz (Org.). A criança fala: a escuta da criança em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 43-51.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVEA, Maria Cristina Soares de (Org.). Estudos da infância. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 73-85.

SOUZA, Gisele (Org.). Criança em perspectiva: olhares do mundo sobre o tempo infância. São Paulo: Cortez, 2007.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

TRISTÃO, Fernanda Carolina Dias. Ser professora de bebês: um estudo de caso em uma creche conveniada. 2004. 213 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2004.

WALLON, Henri. A expressão das emoções e seus fins sociais. In: ______. As origens do caráter na criança: os prelúdios do sentimento de personalidade. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1971. p. 89-94.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

RAMOS, T. K. G. OS FAZERES DE BEBÊS E SUAS PROFESSORAS NA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA CENTRADA NA CRIANÇA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 133–144, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p133-144. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4971. Acesso em: 29 maio. 2024.