Concepções de Professores Sobre Bulliyng e Formas de Enfrentamento no Contexto Escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p42-58

Palavras-chave:

bullying; concepções de professores; formas de enfrentamento; violência escolar; educação inclusiva.

Resumo

A violência escolar é fenômeno antigo que se conserva através do tempo. Na contemporaneidade vem sendo relatada outra forma de violência no ambiente escolar que tem tomado dimensões cada vez maiores, denominada bullying. Trata-se de uma intimidação psicológica ou física, intencional e reincidente, dirigida a uma pessoa vista como frágil por seus agressores. A escola parece contribuir com a existência dessa forma de violência ao fomentar a reprodução de práticas sociais que obstam o acolhimento da diversidade humana. O presente artigo objetivou analisar as concepções de docentes do estado da Bahia sobre o bullying, identificando conceitos atribuídos a tal fenômeno, bem como possíveis formas de enfrentamento no contexto escolar. As análises foram realizadas por meio das entrevistas com os professores de escolas públicas de duas cidades baianas, marcadas por alto índice de violência. Percebeu-se a inexistência de uma clareza conceitual sobre o bullying e, em alguns casos, uma relativização das situações identificadas como algo comum ao cotidiano escolar ou visto como brincadeira por parte dos professores. Identificaram-se possíveis formas de enfrentamento a partir das concepções apresentadas. Percebe-se que o contexto escolar é parte da cultura e acaba sendo (re)produtor de violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaciete Barbosa dos Santos, Universidade do Estado da Bahia

Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus I - Salvador/BA). Doutora em Educação e Contemporaneidade pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC/UNEB, 2013). Mestre em Educação Especial (UEFS, 2002). Especialista em Leitura (PUC/RJ, 1997), especialista em Alfabetização (IAT/FACED, 1994) e especialista em Supervisão Escolar (UEFS, 1996). Graduada em Pedagogia (UEFS, 1992). Atua na formação inicial e continuada de professores na área da Educação, com ênfase em EDUCAÇÃO INCLUSÃO e DEFICIÊNCIA, com foco nas seguintes temáticas: educação inclusiva, educação especial; preconceito, universidade e formação. Vice-líder e Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Inclusão e Sociedade. Atualmente coordena, no Estado da Bahia, a reaplicação da pesquisa Inclusão Profissional de Pessoas com Deficiência e Qualidade de Vida, de autoria do Prof. Dr. Carlos Gil Correia Veloso da Veiga da Universidade do Minho, em Portugal (UMinho /PT). É membro efetivo do Núcleo de Educação Especial da UNEB (NEDE) e Associada da Red Internacional de Investigadores y Participantes sobre Inclusión Educativa y Social (RIIE), UNAM, México.

Lucimêre Rodrigues De Souza, Universidade Estadual de Feira de Santana

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade da Universidade do Estado da Bahia (PPGEduC/UNEB).Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Inclusiva (GEPEI/UEFS)

 

Viviane Borges Dias, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).Doutora em Educação e Contemporaneidade – PPGEEduC/UNEB.Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa Inclusão e Sociedade (PPGEDUC/UNEB); membro do Grupo de Pesquisa em Currículo e Formação de Professores em Ensino de Ciências (GPeCFEC/UESC).

 

Referências

ADORNO, Theodor. Educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.
ADORNO, Theodor. Mínima moralia: reflexões a partir da vida danificada. Tradução Gabriel Cohn. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial Ltda, 2008.
ANTUNES, Deborah Christina; ZUIN, Antônio Álvaro Soares. Do bullying ao preconceito: os desafios da barbárie à educação. Psicologia & Sociedade, v. 20, n. 1, p. 33-42, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v20n1/a04v20n1.pdf. Acesso em: 18 maio 2022.
BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação
Inclusiva. Brasília, DF: Grupo de Trabalho da Política Nacional de Educação Especial, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 17 jan. 2022.
CERQUEIRA, Daniel; FERREIRA, Helder; BUENO, Samira (coord.). Atlas da Violência 2021. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2021. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/1375-atlasdaviolencia2021completo.pdf. Acesso em: 07 set. 2022.
COSTA, Valdelúcia Alves da (org.). Formação e pesquisa: articulação na educação inclusiva. Niterói, RJ: Intertexto, 2015. p. 17-31.
CROCHÍK, José Leon. Educação inclusiva, subjetividade, preconceito e direitos humanos: qual sua relação? In: SILVA, Aida Maria Monteiro; COSTA, Valdelúcia Alves da. (org.). Educação inclusiva e direitos humanos: perspectivas contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2015a. p. 23-53.
CROCHÍK, José Leon. Educação para a resistência contra a barbárie. Revista Educação, São Paulo, ano 2, n. 10, p. 16-25, 2009.
CROCHIK, José Leon. Fatores psicológicos e sociais associados ao bullying. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 12, n. 24, p. 211-229, ago. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2012000200003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 7 jul. 2020.
CROCHÍK, José Leon. Formas de violência escolar: preconceito e bullying. Movimento – revista de educação, Niterói, RJ, ano 2, n. 3, p. 29-56, 2015b. Disponível em: http://www.revistamovimento.uff.br/index.php/revistamovimento/article/view/270/218. Acesso em: 8 jun. 2016.
CROCHÍK, José Leon (coord.). Preconceito e Educação Inclusiva. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SHD/PR), 2011.

CROCHICK, José Leon; CROCHICK, Nicole. Bullying, preconceito e desempenho escolar: uma nova perspectiva. São Paulo: Benjamin Editorial, 2017.
DIAS, Marian Avila Lima; DADICO, Luciana; CASCO, Ricardo. Relatos de participação no bullying: tipos e consequências. Revista Cocar, v. 14, n. 28, p. 49-69, jan./abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/3106. Acesso em: 02 abr. 2020.
FANTE, Cleodelice Aparecida Zonato. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas, SP: Verus, 2005.
FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021. São Paulo, ano 15, 2021. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/07/anuario-2021-completo-v4-bx.pdf. Acesso em: 07 set. 2022.
FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022. São Paulo, ano 16, 2022. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2022/06/anuario-2022.pdf?v=5.
Acesso em: 07 set. 2022.
GIORDANO, Rose. Violência e in(ex)clusão escolar em escolas da grande região metropolitana de Belém (PA). In: CHOCHÍCK, José Leon; DIAS, Marian Ávila de Lima. Estudos sobre violência escolar entre estudantes. São Paulo: Benjamin Editorial, 2020. p. 119-148.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Metodologia para a seleção dos municípios participantes do Programa Nacional de Enfrentamento de Homicídios e Roubos. Nota técnica. Brasília, DF, 2021. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/137. Acesso em: 07 set. 2022.
LOPES NETO, Aramis. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, v. 81, n. 5, p. 164-172, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jped/v81n5s0/v81n5Sa06.pdf. Acesso em: 08 jun. 2019.
NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DA USP; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA; G1. Monitor da Violência. Disponível em: https://nev.prp.usp.br/projetos/projetos-especiais/monitor-da-violencia/. Acesso em: 07 set. 2022.
ONG aponta Feira de Santana como 9ª cidade mais violenta do mundo; Salvador é 28ª no ranking. G1 Bahia, Salvador, 22 abr. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2021/04/22/ong-aponta-feira-de-santana-como-9a-cidade-mais-violenta-do-mundo-salvador-e-28a-no-ranking.ghtml. Acesso em: 07 set. 2022.
SILVA, Jorge Luiz da; OLIVEIRA, Wanderlei Abadio de; BAZON, Marina Rezende; CECÍLIO, Sálua. Bullying na sala de aula: percepção e intervenção de professores. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 65, n. 1, p. 121-137, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v65n1/v65n1a09.pdf. Acesso em: 25 jun. 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-01-29

Como Citar

SANTOS, J. B. dos .; SOUZA, . L. R. D. .; DIAS, V. B. Concepções de Professores Sobre Bulliyng e Formas de Enfrentamento no Contexto Escolar. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 69, p. 42–58, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p42-58. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/15164. Acesso em: 29 maio. 2024.