Entre Tantas Violências

políticas, lugares e a construção do sentido da escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p59-77

Palavras-chave:

violência escolar;, narrativas;, pandemia da COVID-19;, política educacional

Resumo

O artigo discute a relação entre o aumento da violência escolar, observada em 2021 e 2022, com a descaracterização da escola como lugar de pertença. Para tanto, recorremos à análise das políticas educacionais recentemente implementadas na rede estadual paulista, juntamente com os dados de violência referentes aos primeiros meses de retorno ao ensino presencial. Trazemos também as escritas narrativas de um educador da rede estadual de educação, cujos registros possibilitam extrapolar os dados numéricos e adentrar à realidade do que tem sido vivido no cotidiano das escolas. As análises evidenciam que há uma complexidade de fatores que contribuem para o aumento dos casos de violência, dentre os quais destacamos as condições precárias estabelecidas por políticas educacionais que esvaziam a escola de seu sentido e oferecem soluções simples para problemas complexos. Ainda, sinalizamos possibilidades de restituição do sentido da escola como lugar de convívio e produção de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Haddad Ferreira, Universidade São Francisco

Doutora em Educação. Professora efetiva do Programa de Pós-Graduação da Universidade São Francisco.

Andreza Barbosa, PUC-Campinas

Doutora em Educação. Professora efetiva do Programa de Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Gabriel Meneses Barros, Secretaria de Educação de São Paulo

Doutorando e mestre pela Universidade Federal de São Paulo. Coordenador de Organização Escolar (COE) na Secretaria de Educação de São Paulo.

Referências

AUGÉ, Marc. Não Lugares. São Paulo: Papirus, 1994.
BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm#art4. Acesso em: 16 ago. 2022.
CATINI, Carolina de R.; MELLO, Gustavo M. de C. Escolas de luta, educação política. Educação & Sociedade. Campinas, 2016, v.37, n.137, p.1177-1202. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/S7c7LdHGSMR6WC4j6VQb6LR/abstract/?lang=pt. Acesso em 30 ago.2022.
CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2003.
CBN Notícias (Portal). Violência em escolas aumenta na volta às aulas presenciais. Disponível em https://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/372745/violencia-em-escolas-aumenta-na-volta-aulas-presen.htm Acesso em 10 ago. 2022.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 14ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
FREIRE, Paulo. Política e Educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 2001.
FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividades da escola improdutiva. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
GOULART, Débora C.; ALENCAR, Felipe. Inova Educação na Rede Estadual Paulista: programa empresarial para formação do novo trabalhador. Germinal: Marxismo e Educação em Debate. Salvador, 2021, v.13, n.1, p.337-366. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/43759. Acesso em 30 ago. 2022.
LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa. São Paulo: Boitempo, 2019.
MENDONÇA, Sueli G. de L. A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Cadernos Cedes, Campinas, 2011, v.31, n.85, p.341-357. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/LZRF5sQXq7cjb9SPxkWVgsz/abstract/?lang=pt. Acesso em 30 ago. 2022.
NÓVOA, Antonio. Professores, imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA. 2009.
SÃO PAULO (Estado). Coletiva - competências socioemocionais. Seduc: maio de 2021. Disponível em: https://www.educacao.sp.gov.br/wp-content/uploads/2021/05/Coletiva-socioemocionais-18-5.pdf. Acesso em 16 ago. 2022.
SÃO PAULO (Estado). Comunicado Conviva-SP, de 24 de outubro de 2019b. Disponível em: https://efape.educacao.sp.gov.br/convivasp/wp-content/uploads/2020/04/Comunicado-02.19-PLACON.pdf. Acesso em 16 ago. 2022.
SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 48, de 1 de outubro de 2019a. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/RESOLU%C3%87%C3%83O%2048%202019.HTM?Time=16/08/2022%2011:27:54. Acesso em 16 ago. 2022.
SNYDERS, Georges. Alunos Felizes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-01-29

Como Citar

FERREIRA, L. H.; BARBOSA, A.; BARROS, G. M. Entre Tantas Violências : políticas, lugares e a construção do sentido da escola. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 69, p. 59–77, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p59-77. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/15062. Acesso em: 15 abr. 2024.