Notas de uma metodologia contracolonial teórico-brincante

encontros de educadores a "qual' distância?

Palavras-chave: Palavras-chave: metodologia contracolonial teórico-brincante, formação de professores, crianças e natureza

Resumo

Este texto compartilha resultados de pesquisa de produção de práticas ecológicas, populares e libertárias, na formação continuada de educadoras/es de escolas do campo e da cidade, assim como de territórios originários e tradicionais brasileiros, cunhadas nos contextos de projetos coletivos de extensão de um grupo de pesquisa de uma universidade federal do Rio de Janeiro. Nosso objetivo é apresentar os princípios que inspiram e corporificam uma metodologia contracolonial teórico-brincante. Para isso, fazemos um recorte de um Curso de extensão produzido e promovido pelo nosso grupo de pesquisa em 2021. Como recurso metodológico de análise, optamos por uma cartografia que traça fios de palavras, imagens, gestos e conceitos expressos pelos educadores, entrelaçando-os com os rituais e vivências concebidos nos encontros durante o curso. Observamos que, mesmo a longa distância, o direito à natureza nos conecta, nos une e amplia nosso compromisso com as infâncias e com a natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana de Freitas Ordonhes de Mello, Colégio Pedro II

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2001). Especialista em Educação Infantil pela Puc-Rio e Mestre em Educação Brasileira pela Puc-Rio. Experiência em regência de turma e coordenação pedagógica na Rede Privada e Pública do Município do Rio de Janeiro. Em 2012 e 2013 compôs a Gerência de Educação Infantil da Secretaria Municipal do Rio de Janeiro, atuando na formação de professoras e compôs a equipe da Creche Municipal Estácio de Sá, atuando como professora articuladora (coordenação pedagógica em sala de aula) e organizando as ações dos estagiários. Em Novembro de 2013, passou a atuar como professora de Educação Infantil no Colégio Pedro II.

Lea Velocina Tiriba, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora Associada à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), atuando na Graduação (Escola de Educação) e no Programa de Pós-Graduação em Educação desta mesma Universidade (Mestrado/PPGEdu/UNIRIO). Graduada em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1974), mestre em Educação pela Fundação Getúlio Vargas/RJ (1988), doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/PUC-Rio(2005); pós doutora em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc/Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/UFFRJ). Coordenadora-lider do Grupo de Pesquisa "Infâncias, Tradições Ancestrais e Cultura Ambiental (GiTaKa) e do Núcleo Infâncias, Natureza e Artes/NiNA/UNIRIO. Educadora-ambientalista, atua no campo da Educação Infantil, em interface com a Educação Ambiental e a Educação Popular. Tem como foco os desafios da produção de metodologias de formação decoloniais-teórico-brincantes, que articulam processos de apropriação teórica, proximidade da natureza, empoderamento político, vivências corporais e estéticas. Membro do Movimento Articulação Infâncias, da Rede Brasileira de Educação Ambiental/REBEA, do Fórum Permanente de Educação Infantil/RJe do MIEIB. Coordenadora da Associação de Educadores da América Latina e do Caribe. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9508-5980

Referências

BÂ, Amadou Hampâté. A tradição viva. KI-ZERBO, J. (ed.). História geral da África. Brasília: MEC-Unesco; São Carlos, SP: EdUFSCar, 2010. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/345975/mod_forum/intro/hampate_ba_tradicao%20viva.pdf

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Introdução e tradução do Russo Paulo Bezerra de Araújo; prefácio à edição francesa Tzevan Todorov. - 4a ed. - São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BIZZO, S. Katia. O corpo como vontade de Potência no Cotidiano Escolar. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Corpora Ediciones, 2021.

BRASIL, LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996.

BRASIL, RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 27 DE OUTUBRO DE 2020.

BENITES, S. Nhe´e, reko porã rã: nhemboeca oexakarê- Fundamento da pessoa guarani, nosso bem-estar futuro (educação tradicional): o olhar distorcido da escola. Trabalho de Conclusão de Curso da Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica da UFSC, 2015.
Disponível em: http://licenciaturaindigena.ufsc.br/files/2015/07/Sandra-Benites_TCC.pdf

BOFF. Leonardo. Saber Cuidar: ética do humano - compaixão pela Terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

BRANDÃO, C.R. e STRECK. D. (orgs.) Pesquisa Participante: a partilha do saber. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2006.

CARVALHO, J.J. - Encontro de Saberes – Bases para um Diálogo Interepistêmico. Brasília: INCTI/CNPq/UnB, 2015.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Pontifícia Universidad Javeriana, 2005.

CAVALIERI, L e MONTEIRO, E. O Lugar Dos Mestres Populares nas Universidades: Uma mirada de pesquisa, ensino e extensão a partir do Encontro De Saberes. Anais da 39ª Reunião da Anped disponívelta em http://anais.anped.org.br/sites/default/files/arquivos_31.

CUNHA, M. C e ALMEIDA, M. W. B. Populações Tradicionais e conservação ambiental. In: Capobianco, J.P.R [et.al.] (org). Biodiversidade na Amazônia Brasileira: avaliações e ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo: Estação Liberdade/Instituto Socioambiental, 2001.

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FREIRE, P. A Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 7ªed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HUIZINGA, J. 1872-1945. Homo Ludens. O jogo como elemento da Cultura. / Johan Huzinha: Tradução João Paulo Monteiro. Revisão de tradução: NEwton Cunha - 9 ed rev e atual. São Paulo, Perspectiva, 2019.

KAMBEBA, M.W. Saberes da Floresta. 1ª ed. São Paulo: Jandaíra, 2020.

KASSIADOU, A. [et.al.]. (org.) Educação Ambiental desde El Sur. Macaé: Editora NUPEM, 2018.

KOPENAWA, Davi e ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Pref. Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, A. A vida não é útil. São Paulo: Cia das Letras, 2020.

LOPES, J.J. Geografia e educação infantil: tempos e espaços desacostumados. Porto Alegre, RS: ed. Mediação,2018.

MATURANA, H. R. A árvore do Conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana/Humberto R. Maturana e Francisco J. Varela; traduçãoHumberto Mariotti e Lia Diskin; ilustração: Carolina vial. Eduardo Osorio, francisco Olivares e Marcelo Maturana Montañez. São Paulo: Palas Athenas, 2001.

SILVA, L., MELLO, T. e PEREIRA, K. Formação De Professores e Relações alteritárias: Experiências de professoras-surpervisoras do PIBID Educação Infantil. In Prática, Pesquisa e Formação Docente: Narrativas do Pibid Pedagogia da UFRJ. Organizadora Gisele Barreto Cruz. Curitiba, CRV, 2019.

MÜLLER, F, CARVALHO, A.M.A. Teoria e Prática na Pesquisa com crianças: Diálogos com Willian Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. De saberes e de territórios: Diversidade e Emancipação a partir da Experiência Latino-Americana in GEOgraphia. Revista do Programa de Pós-graduação em Geografia da UFF, v.8, nº16, 20. Niterói, UFF, 2006.

PIORSKI. G. Brinquedos do Chão: a natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo. Petrópolis, 2016.

SANTOS, A. BISPO. Colonização, Quilombos: Modos e Significações 2ª ed.. Associação de Ciências e Saberes para o Etnodesenvolvimento AYÓ. Brasília, 2019.

SANTOS, A. BISPO. In: Metafísica da rede Debate: Cosmopolítica e Cosmofobia, disponível em Canal do PPGu UnB https://www.youtube.com/watch?v=lBlhkKzzHmo. Acesso em 05/08/2020.

SANTOS, BOAVENTURA de S. Renovar a Teoria Crítica e Reinventar a Emancipação Social. São Paulo: Ed. Boitempo, 2007.

STENGERS, I. A proposição da cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. Brasil, nº69, abr.2018.

SIMAS, L.A e RUFINO, L. Fogo no mato - A ciência encantada das macumbas. 1ªed. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SIMONINI. E. Linhas, Tramas, cartografias e dobras: uma outra geografia noscotidianos das pesquisas. In. PEsquisa, Alteridade e experiência - Metodologias Minúsculas. Adriane Ogeda Guedes e Tiago Ribeiro Organizadores. Rio de Janeiro: Ayvu, 2019.
SPINOSA, Benedictus de, 1632-1677. Pensamentos MEtafísicos; Tratado de correção do intelecto; Ética; Tratado político; Correspondência / Baruch de Espinosa; Seleção de Textos de Marilena Chauí; Tradução de Marilena Chauí ( et al) - 2 ed. São Paulo: abril Cultural, 1979. (Os pensadores)
TIRIBA, L. Educação Infantil como direito e alegria – em busca de pedagogias ecológicas, populares e libertárias. 1ªed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2018.

TIRIBA, L. Crianças da Natureza. In: ANAIS DO I SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – Perspectivas Atuais Belo Horizonte, novembro de 2010.
VIGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente: o desenvolvimento social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas Canibais – Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora n-1 edições, 2018.
Publicado
2022-05-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 104
  • PDF downloads: 0
Como Citar
CAVALIERI, L.; MELLO, T. DE F. O. DE; TIRIBA, L. V. Notas de uma metodologia contracolonial teórico-brincante: encontros de educadores a "qual’ distância?. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 31, n. 66, p. 173-190, 28 maio 2022.