A Educação Infantil diante dos riscos da COVID-19

dilemas e desafios educacionais para bebês e crianças pequenas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n65.p59-74

Palavras-chave:

Educação Infantil;, atividade não presencial;, pandemia COVID-19;, educação das infâncias no Brasil.

Resumo

Desde o início 2020, o mundo tem passado por demandas emergenciais devido à disseminação do novo coronavírus, o que exigiu medidas diversas, como implantação de isolamento social e suspensão de atendimento presencial nas escolas. Diante disso, muito se tem visto e discutido a respeito da educação infantil, sendo preocupante a adoção de práticas escolarizantes, preparatórias e, muitas vezes, excludentes, por meio de propostas de atividades não presenciais. O estudo caracteriza-se como estudo de caso e objetiva discutir e analisar ações e documentos de um programa educacional municipal implementado no contexto de pandemia, abordando dilemas e desafios, assim como possibilidades de trabalho. Considera-se que os recursos tecnológicos e digitais podem se configurar como ferramentas potentes de apoio, comunicação, diálogo e estreitamento de vínculos entre os diferentes sujeitos envolvidos na educação e cuidado de bebês e crianças pequenas, no entanto, é preciso atenção, intencionalidade e reconhecimento das limitações, de modo a não aprofundar as desigualdades educacionais e retroceder nas conquistas de direitos e modos de fazer a educação na infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raiza Fernandes Bessa de Oliveira, Universidade Federal de São Carlos

Mestre em Ensino e Processos Fomativos pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP/IBILCE). Doutoranda em acordo de Duplo Diploma (co-tutela) no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), linha de pesquisa Educação Escolar: Teorias e Práticas, e Corso di Dottorato in Teoria e Ricerca Educativa e Sociale dellUniversità degli Studi Roma Ter (RomaTre). Membro Cfei - Centro de Pesquisa da Criança e de Formação de Educadores da Infância. Professora de Educação Infantil na rede pública municipal de educação. Professora formadora de professores de Educação Infantil.

Aline Sommerhalder, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutora pela Università Degli Studi Roma Tre (UniRoma Tre) - Dipartimento di Scienze della Formazione (Itália). Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE /UFSCar), Linha de Pesquisa: Educação Escolar: teorias e práticas. Coordenadora do Cfei - Centro de Pesquisa da Criança e de Formação de Educadores da Infância. Professora Associada do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPEd). Manifesto ANPEd: Educação a Distância na Educação Infantil, não!. Site da ANPEd, 20 de abril de 2020. Disponível em: <http://www.anped.org.br/news/manifesto-anped-educacao-distancia-na-educacao-infantil-nao>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação Infantil. Brasília. MEC. SEB. 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE∕CEB nº 1/1999. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1999. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao_ceb_0199.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988, 305 p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de junho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Brasília: Planalto Central, 2013. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.257, de 8 de março de 2016. Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 15 jan. 2021.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 20, de 11 de novembro de 2009. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/pceb020_09.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

CORDEIRO, Miriam Izabel Albernaz. Carta aberta da Rede Nacional Primeira Infância (RNPI) dirigida ao presidente do Conselho Nacional de Educação. Rede Nacional da Primeira Infância (RNPI), 23 de março de 2020. Disponível em: <http://primeirainfancia.org.br/wp-content/uploads/2020/03/Carta-Aberta-ao-CNE.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

CORREIA, Bianca. CÁSSIO, Fernando. Sem proteger crianças no isolamento, governos brincam de faz-de-conta. Ponte, 22 de abril de 2020. Disponível em: <https://ponte.org/artigo-sem-proteger-criancas-no-isolamento-governos-brincam-de-faz-de-conta/>. Acesso em: 15 jan. 2021.

ESTRELA, Bianca. LIMA, Larissa. Ministério da Educação (MEC). CNE aprova diretrizes para escolas durante a pandemia. Portal da Educação, 28 de abril de 2020. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=89051>. Acesso em: 15 jan. 2021.

GUIMARÃES, Célia Maria. A história da atenção à criança e da infância no Brasil e o surgimento da creche e da pré-escola. Revista Linhas. Florianópolis, v. 18, n. 38, p. 81-142, set./dez. 2017. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723818382017081/pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

KUHLMANN JR., Moysés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.14, p. 5-18, 2000. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a02.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

PASCHOAL, Jaqueline Delgado; MACHADO, Maria Cristina Gomes. A história da educação infantil no brasil: avanços, retrocessos e desafios dessa modalidade educacional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p. 78-95, 2009. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639555/7124>. Acesso em 15 jan. 2021.

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO. Projeto educativo e plano de trabalho. São José do Rio Preto, 2019.

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO. Resolução SME n. 04/2020, regulamenta o Programa Rio Preto Educ Ação. São José do Rio Preto, 2020a. Disponível em: <http://dhojeinterior.com.br/wp-content/uploads/2020/04/sme-Resolu%C3%A7%C3%A3o-04-Regulamenta-o-Programa-Rio-Preto-Educ-A%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO. Secretaria Municipal de Educação. Brincadeiras e interações: um convite às famílias e crianças para brincarem juntas. São José do Rio Preto, 2020b, 30 f.

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO. Secretaria Municipal de Educação. Documento Orientador. São José do Rio Preto, 2020c, 74 f. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1tkFOaSu9mOJzJ89hJgYYdbysIzzzH5AL/view>. Acesso em: 15 jan. 2021.

SÃO PAULO. União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Secretaria Estadual de Educação. Orientações às famílias dos estudantes das redes estadual e municipal de São Paulo. São Paulo, 2020.

SÃO PAULO. União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Currículo Paulista. Versão homologada. São Paulo: SEESP, 2019. Disponível em: <http://www.escoladeformacao.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/pdf/curriculo_paulista_26_07_2019.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2021.

SOUSA, Andreia Luciana Harada. Da tela pra cá é diferente: Trabalho docente e ensino a distância nas escolas privadas. Le Monde Diplomatique Brasil, 4 de maio de 2020. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/trabalho-docente-e-ensino-a-distancia-nas-escolas-privadas/?fbclid=IwAR0SxeIFgr7K10dNOJvleA0TO7jmlJJ8JAoiSItSB9txYaxI4zY7fjN63pU>. Acesso em: 15 jan. 2021.

THE CENTER FOR SYSTEMS SCIENCE AND ENGINEERING (CSSE); JOHNS HOPKINS UNIVERSITY (JHU). COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU). JHU CSSE Covid-19 Dashboard, 08 de maio de 2020. Disponível em: <https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/

bda7594740fd40299423467b48e9ecf6>. Acesso em: 15 jan. 2021.

YIN, Robert. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-02-15

Como Citar

OLIVEIRA, R. F. B. de; SOMMERHALDER, A. A Educação Infantil diante dos riscos da COVID-19: dilemas e desafios educacionais para bebês e crianças pequenas. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 31, n. 65, p. 59–74, 2022. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n65.p59-74. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11426. Acesso em: 17 abr. 2024.