Língua de Sinais e Ambientes Virtuais de Aprendizagem:

Mapeamento Sistemático da Literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p277-290

Palavras-chave:

Língua de Sinais; Libras; Tecnologia; Acessibilidade; AVA.

Resumo

A Língua de Sinais (LS) constitui os sujeitos surdos (SS) com identidade e cultura específica. As LS fazem parte da sociedade, e, além da comunidade surda, os ouvintes têm se interessado em aprendê-la. Acredita-se que as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação são instrumentos mediadores que podem otimizar o ensino e o aprendizado de uma LS e promover a interação do surdo na sociedade. Assim, a presente investigação objetivou mapear ambientes virtuais de aprendizagem existentes voltados para o ensino e aprendizado de uma Língua de Sinais, a fim de verificar se esses apresentam as seguintes características: ser acessível e bilíngue; sobre Libras; ser destinado a SS, aprendizes ouvintes (AO) e tradutores e intérpretes de LS (TILS), tratar de variações linguísticas e buscar constituir comunidades de prática. Cinco ambientes foram encontrados, todos acessíveis e bilíngues, e os resultados colaboram com futuras pesquisas e implementações que venham fortalecer e promover o aprendizado e valorização dessa língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARCELLOS, Patrícia Silva Campelo Costa. O Processo de Criação Colaborativa de Tarefas em Língua Estrangeira em Ambiente digital por Professores em Formação. 2014. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, RS, 2014.

BRASIL. Lei nº 10.436, 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 19 jun. 2019.

BREGA, José Remo; RODELLO, Idelberto Aparecido; DIAS, Diego Roberto Colombo; MARTINS, Valéria Farinazzo; GUIMARÃES, Marcelo de Paiva. A virtual reality environment to support chat rooms for hearing impaired and to teach Brazilian Sign Language (LIBRAS). IEEE/ACS 11th International Conference on Computer Systems and Applications (AICCSA), Doha, p. 433-440, 2014. Disponível em: https://ieeexplore.ieee.org/abstract/document/7073231 Acesso em: 10 jun. 2020.

CAPUANO, Daniele; GROVES, Kate; MONTE, Maria Tagarelli; ROCCAFORTE, Maria. A Deaf-centred E-Learning Environment (DELE): challenges and considerations. Journal of Assistive Technologies, V. 5 N. 4, 2011. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/17549451111190669/full/html?skipTracking=true Acesso em: 10 jun. 2020.

COSTA, Francinei Rocha. Variação linguística na Língua Brasileira de Sinais-um estudo a partir de narrativas autobiográficas surdas. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/194323/PLLG0744-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y Acesso em: 14 jul. 2020.
DERMEVAL, Diego; COELHO, Jorge Artur Peçanha de Miranda; BITTENCOURT, Ig Ibert. Mapeamento Sistemático e Revisão Sistemática da Literatura em Informática na Educação. In: JAQUES, Patrícia Augustin; SIQUEIRA; Sean; BITTENCOURT, Ig Ibert; PIMENTEL, Mariano (Org.) Metodologia de Pesquisa Científica em Informática na Educação: Abordagem Quantitativa. Porto Alegre: SBC, 2020. Disponível em: https://metodologia.ceie-br.org/livro-2 Acesso em: 08 jun. 2020.

FIGUEIREDO, Francisco José Quaresma. Vygotsky: a interação no ensino/ aprendizagem de línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOLDFELD, Marcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interativa. São Paulo: Plexus, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico de 2010. Disponível em: http://www.gov.br. Acesso em: 16 set. 2019.

KARNOPP, Lodenir. Fonética e Fonologia. Ensino a Distância, Curso de Graduação em Letras Libras, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2009. Material didático. Disponível em: https://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoBasica/foneticaEFonologia/assets/359/FoneticaFonologia_TextoBase.pdf Acesso em: 12 out. 2020.

KITCHENHAM, Barbara; CHARTERS, Stuart. Guidelines for performing Systematic Literature Reviews in Software Engineering. Technical Report EBSE 2007-001, Keele University and Durham University Joint Report, 2007.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne C. Situated learning: Legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne C. Communities of practice: A brief introduction – V April 15, 2015. Disponível em: https://wenger-trayner.com/introduction-to-communities-of-practice/. Acesso em: 23 set. 2019.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LITELL, Julia H; CORCORAN Jacqueline; PILLA, Vijayan. Systematic reviews and meta-analysis. New York: Oxford University Press, 2008.

LOPES. Maura Corcini. Surdez & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MACHADO, Aline Dubal; CASEIRA, Ingrid Gonçalves; SILVA, Ana Clara Jardim da. Litoral Libras: plataforma virtual da Língua Brasileira de Sinais com foco nas variações linguísticas do litoral norte gaúcho para a promoção da acessibilidade entre surdos e ouvintes. LínguaTec, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Bento Gonçalves. v. 5, n. 2, p. 188-207, nov. 2020. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/LinguaTec/article/view/4596 Acesso em: 20 jan. 2021.
MOHER, David; STEWART, Lesley; SHEKELLE, Paul. All in the Family: systematic reviews, rapid reviews, scoping reviews, realist reviews, and more. Systematic Reviews 4, 183, 2015. Disponível em: https://systematicreviewsjournal.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13643-015-0163-7 Acesso em: 15 jul. 2020.

PAZ, Fábio Josende; CAZELLA, Silvio César. Integrando Sistemas de Recomendação com Mineração de Dados Educacionais e Learning Analytics: Uma revisão sistemática da Literatura. Renote- Revista novas Tecnologias na Educação, V. 16, N. 1, 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/85925 Acesso em: 12 nov. 2020.

PICCOLI, Gabriele; AHMAD, Rami; IVES, Blake. Web-Based Virtual Learning Environments: a Research Framework and a Preliminary Assessment of Effectiveness in Basic it Skills Training. MIS Quarterly, v. 25 n. 4, pp. 401-426 /December 2001. Disponível em: http://www.mit.jyu.fi/ope/kurssit/TIES462/Materiaalit/Piccoli_ym.pdf Acesso em: 12 out. 2020.

PIVETTA, Elisa Maria; SAITO, Daniela Satomi; ULBRICHT, Vania Ribas; ALMEIDA, Ana Margarida Pisco. Bilingual Learning Environment to Support a Community of Practice. Revista Científica TEKNOS Ingenierías, v. 16, p. 83-96, 2016.

QUADROS, Ronice Müller. Língua de Herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Penso, 2017.

QUADROS, Ronice Müller; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RAMOS, Rosinda de Castro Guerra; RAMOS, Simone Telles Martins; ASEGA, Fernanda Katherine. Google Drive: Potencialidades para o design de material educacional digital (MED) para ensino de línguas. The ESPecialist: Descrição, Ensino e Aprendizagem, v. 38, n. 1, 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/esp/article/view/32217 Acesso em: 20 jan. 2021.

REINOSO, Luiz Fernando; TAVARES, Orivaldo de Lira. MVLIBRAS: ambiente digital para comunidades de aprendizagem com recursos inclusivos para surdos. In: Anais do do XXVI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE, 2015. Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/5358 Acesso em: 23 jun. 2020.

SANTAROSA, Lucila Maria Costi; CONFORTO, Debora.; PASSERINO, Liliana; ESTABELL, Lizandra Brasil; CARNEIRO, Mára Lúcia Fernandes; GELLER, Marlise. Tecnologias digitais acessíveis. Porto Alegre: JSM Com. Ltda., 2010.

SILVEIRA, Luciane Cruz. A importância das políticas linguísticas para a difusão da libras. Revista Porto das Letras, Palmas, v. 06, n. 06, p. 313-327, 2020. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/9920/18309 Acesso em: 12 jan. 2021.

TRINDADE, Daniela de Freitas Guilhermino; GARCÍA, Laura Sánchez; ANTUNES, Diego Roberto; SILVA, Rafaella Aline Lopes da. Challenges of knowledge management and creation in communities of practice organisations of Deaf and non-Deaf members: requirements for a Web platform. Behaviour & Information Technology, v. 31, n. 8, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/254220507_Challenges_of_knowledge_management_and_creation_in_communities_of_practice_organisations_of_Deaf_and_non-Deaf_members_Requirements_for_a_Web_platform Acesso em: 20 jun. 2020.
VYGOTSKY, Lev Semionovich. Obras ecogidas. Madrid: Visor, 1993.
VYGOTSKY, Lev Semionovich. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998a.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. A formação social da mente: O Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998b.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-01-29

Como Citar

DUBAL MACHADO, A.; LUDOVICO, F. M. .; BARCELLOS, P. da S. C. C. . Língua de Sinais e Ambientes Virtuais de Aprendizagem:: Mapeamento Sistemático da Literatura. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 69, p. 277–290, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n69.p277-290. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11379. Acesso em: 28 maio. 2024.