O (im)possível de educar em tempos de crise:

psicanálise e educação crítica

Palavras-chave: Educação, Contemporaneidade, Psicanálise, Teoria crítica

Resumo

A psicanálise comunga com a educação crítica a preocupação com a subjetividade humana, uma vez que provoca investimentos e emoções que permitem reflexões em tempos de crise, principalmente ao inspirar no professor um permanente retorno a si mesmo, ou seja, a autorreflexão. Esse texto objetiva buscar, na relação entre psicanálise e educação crítica, possíveis referências para além do olhar psicologizante educacional que se firma em caminhos restritos da educação e da formação docente. O aspecto fecundo desta relação entre a psicanálise e a crítica da cultura evidencia o pensar educativo pelos limiares da ética e da sensibilidade com/pelo o outro. A metodologia, de caráter bibliográfico, pauta-se na apropriação de uma leitura frankfurtiana do pensamento de Freud, em que denuncia a formação pautada na adaptação do sujeito e, pela relação entre as bases teóricas, anuncia uma educação comprometida com ações emancipatórias do saber escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Teoria da Semiformação. In: PUCCI, B; ZUIN, A. A. S; LASTÓRIA, L. A. C. B. (org.). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Trad. De Newton Ramos-de-Oliveira. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução Mauro W. Barbosa de Almeida. 1. reimp. da 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ARMANDO, A. Freud et l'éducation. Paris: Les Editions E.S.F, 1974.

BALBINO, A. G; SILVA, L. B. O.; SAIKI, M. Educação e libertação na América Latina: combater a barbárie promovendo a dignidade humana. In: SILVA, L. B. O; BALBINO, A. G. (org.). Teoria crítica e teorias críticas latino-americanas e educação. São Paulo: Livraria da Física, 2020. p. 147-159.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet; Prefácio de Jeanne-Marie Gagnebin. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2016.

BIGEAULT, J. P.; TERRIER, G. L'illusion psychanalytique en education. Paris: PUF, 1978.

CHILLAND, C. Homo Psychanalyticus. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

CROCHÍK, J. L. Teoria crítica da sociedade e psicologia: alguns ensaios. Araraquara, SP: Brasilia, DF: Junqueira&Marin/CNPq, 2011.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 36. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREUD, S. A dinâmica da transferência. In: FREUD, S. Obras Completas, Vol. XII. Rio de Janeiro: Imago, 1981a. p. 109-119.

FREUD, S. Totem e tabu. In: FREUD, S. Obras Completas, Vol. XII. Rio de Janeiro: Imago, 1981b. p. 17-23.

FREUD, S. Os chistes e a relação com o inconsciente. In: FREUD, S. Obras Completas, Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1981c. p. 21-163.

FREUD, S. O futuro de uma ilusão. In: FREUD, S. Obras Completas, Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1981d. p. 15-63.

FREUD, S. O mal-estar na cultura. Obras Completas, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1981e. p.67-73

FREUD, S. Prefácio à “Juventude Desorientada”, de Aichhorn. In: FREUD, S. Edição

Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XIX. Rio

de Janeiro: Imago, 1980a. p. 307-308

FREUD, S. Análise terminável e interminável. In: FREUD, S. Edição Standard Bra-

sileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXIII. Rio de Janeiro:

Imago, 1980b. p. p. 231-269.

LACAN, J. O triunfo da religião: precedido do discurso aos católicos. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

LAJONQUIÈRE, L. Figuras do infantil. A psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MANNONI, M. Education impossible. Paris: Editions du Seuil, 1973.

MAUCO, G. Psychanalyse et éducation. Paris: Aubier-Montaigne, 1979.

MILLOT, C. Freud antipedagogo. Tradução de A. Roitman. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.

OLIVEIRA, M. R. F. A. (Des)autoridade pedagógica nos espaços formativos para a primeira infância: da tradição à modernidade. Educação em Foco, ano 22, n. 37, p. 73-91, maio/ago. 2019.

PEDROZA, R. L. S. Freud e Wallon: contribuições da psicanálise e da psicologia para a educação. 1993. Dissertação (Mestrado em Psicologia) –Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 1993.

RANCIÉRE, J. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Nelto. São Paulo: Ed. 34, 2005.

SILVA, A. S. Educação, expressividade estética e experiência formativa. In: SILVA, A. S; SILVA, L. B. O. (org.). Educação, estética e experiência: entre saberes e práticas na contemporaneidade. São Paulo: Livraria da Física, 2019. p. 15-29.

SCWARZ, A; BARBOZA, D. Subjetividade e processos formativos: educação como prática de liberdade. In: SILVA, L. B. O; BALBINO, A. G. (org.). Teoria crítica e teorias críticas latino-americanas e educação. São Paulo: Livraria da Física, 2020. p. 119-131.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2010.

ZUIN, A. A. S. Violência e tabu entre professores e alunos: a internet e a reconfiguração do elo pedagógico. São Paulo: Cortez, 2012.

Publicado
2020-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 216
  • pdf downloads: 219
Como Citar
OLIVEIRA, M. R.; BATISTA, C. O (im)possível de educar em tempos de crise: : psicanálise e educação crítica. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 29, n. 60, p. 17-30, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático 62