O conhecimento tácito e a subjetividade do professor de Educação Física Escolar

Autores

Palavras-chave:

Conhecimento tácito, Educação Física Escolar, trabalho docente

Resumo

Este estudo analisa o conhecimento tácito no trabalho docente da Educação Física Escolar. A divergência entre o prescrito e o real permite ao professor renormalizar, criar estratégias e saberes tendo como suporte os conhecimentos tácitos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com dois professores de escolas públicas estaduais e municipais da Bahia. Os resultados demonstram que os professores de Educação Física utilizam mais o conhecimento tácito em virtude da ausência de prescrições e do incipiente acompanhamento pedagógico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Adilson Gondim Pereira, UFMG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Católica do Salvador (1990). É professor especialista em Educação Física Escolar pela PUC-MG e Mestre em Educação Física pela FEF/UNB com ênfase em formação profissional. Professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia e professor da Rede Pública do Estado da Bahia desde o ano de 1993, foi idealizador e coordenador do processo de implantação do Curso de Educação Física da UNEB/Campus XII. De 2002 a 2006 foi Diretor da UNEB/Campus XII tendo como principal realização a implantação dos cursos de Enfermagem e Administração neste Campus. De 2007 a 2011 foi Diretor Regional de Educação(DIREC-24/Caetité). Tem experiência na área de Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação Profissional em Educação Física, Estágio Supervisionado em Educação Física Escolar e Metodologia do Ensino da Educação Física, Lazer, Cultura e Educação. Atualmente está cursando Doutorado no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais. 2 ed. São Paulo: Pioneira, p.179-188, 1999.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. O ensino como trabalho – uma abordagem discursiva. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2004

ARANHA, A. V. S. O conhecimento tácito e a qualificação do trabalhador. In Revista Trabalho e Educação. Belo Horizonte-MG: No. 2, p. 12-30, 1997.

DURRIVE, L. (2011). A atividade humana, simultaneamente intelectual e vital: esclarecimentos complementares de Pierre Pastré e Yves Schwartz. Revista Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 9(1), 47-67.

FERREIRA, N. S. C. A gestão enquanto instrumento para a construção e qualificação da educação. Disponível em: <http://www.google.com/search?=cache: scGHPcjyEJ: www.centror BR&ct= clnk&cd=3&gl=BR>. Acesso em: 07 jul. de 2008.

FLICK, U. . Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed., J. E. Costa, Trad.). São Paulo: Artmed, 2009 (Obra original publicada em 1995).

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa crítica/etnopesquisa‐formação. Brasília:LiberLivro 2010.

MARX, K.. O capital. Crítica da economia política l. I, v. I e II. 12 ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1994.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos – filosóficos: textos filosóficos. Portugal: Edições 70, 1964, v. 22.

MINAYO, Maria Cecília de Sousa (Org.). Pesquisa social, teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

SCHWARTZ, Y. (2004). Circulações, dramáticas, eficácias da atividade industriosa. Revista Trabalho, Educação & Saúde, Rio de Janeiro, 2(1), 33-35.

TRINQUET, P. Trabalho e Educação: o método ergológico. Revista HISTEDBR, Campinas, v. 10, n. número especial, p. 93-113, ago. 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-16

Como Citar

GONDIM PEREIRA, J. A. O conhecimento tácito e a subjetividade do professor de Educação Física Escolar. Revista Encantar, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 204–210, 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/encantar/article/view/8511. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

I Simpósio Latino-Americano de Ergologia