EDUCAÇÃO COLONIAL: COMPREENDENDO A MONOCULTURA DO SABER NA PRODUÇÃO DO DESINTERESSE DO JOVEM NEGRO PELA ESCOLA

Palavras-chave: Educação, Colonialismo, Monocultura, Saber

Resumo

O presente texto trata de um estudo bibliográfico acerca do tema colonialidade e seus impactos no processo de educação da população negra. A pesquisa tem como objetivo contribuir com o debate acerca do segundo maior motivo da evasão escolar de jovens negros da escola, o desinteresse. Sua discussão intenciona dialogar acerca da “monocultura do saber”, problematizando sua participação no desinteresse escolar, segundo maior motivo pela evasão escolar de jovens negros. A metodologia foi pautada em pesquisa de natureza qualificativa do tipo bibliográfica, e construída a sombra do pensamento do professor Sodré (2012), utilizando como referências entre outros, Kilomba (2019), Lima (2015), Almeida (2018), hooks (2017), e dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (IBGE, 2019), não pretende esgotar-se em respostas, e sim, promover reflexões sobre estratégias para o envolvimento e a permanência deste público no ambiente escolar, por meio da aprendizagem significativa, tomando como fundamento, o torna-se sujeito humano, e de direitos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricia Santos de Jesus, Orí Aiê Leituroteca

Especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Faculdade Batista Brasileira, FBB.

Referências

ALMEIDA, Silvio. O que é Racismo Estrutural?. 1. ed. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O Perigo da história única. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Educação 2019: Mais da metade das pessoas de 25 anos ou mais não completaram o ensino médio. 2020. Disponível em:

https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/28285-pnad-educacao-2019-mais-da-metade-das-pessoas-de-25-anos-ou-mais-nao-completaram-o-ensino-medio. Acesso em: 6 set. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA (IBGE). Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise da segurança alimentar no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101749.pdf. Acesso em: 10 set. 2022.

FAUSTO, Boris. História do Brasil: história do Brasil cobre um período de mais de quinhentos anos, desde as raízes da colonização portuguesa até nossos dias. São Paulo: Edusp, 1996. Disponível em: https://www.intaead.com.br/ebooks1/livros/hist%F3ria/12.Hist%F3ria%20do%20Brasil%20-%20Boris%20Fausto%20(Col%F4nia).pdf. Acesso em: 05 out. 2022.

FONSECA, Marcus Vinicius. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição do trabalho escravo. 1. ed. Bragança Paulista: Eduff, 2002.

FONSECA, Marcus Vinicius; BARROS, Surya, Aaranovich Pombo. (org.). A História da Educação dos Negros no Brasil. 1. ed. Niterói: EDULFF, 2016.

GONZÁLEZ, Fernando Rey. Subjetividade e Saúde: superando a clínica da patologia.1. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

HOOKS, bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

HOOKS, bell. Talking Black: Thinking Feminist, Talking Black. Boston: South Eand Press, 1989.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. 1. ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LIMA, Maria Nazaré Mota. Relações Étnico-Raciais na Escola: o papel da linguagem. Salvador: EDUNEB, 2015.

LUZ, Narcimária Correia. Descolonização e Educação: diálogos e proposições metodológicas. 1. ed. Curitiba: CRV, 2013.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. 1. ed. Paris: La Découvert. 2021.

NASCIMENTO, Abdias. O Genocídio do Negro Brasileiro: processo de um racismo mascarado. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

ROMÃO, Jeruse. (org.). História da Educação do negro e outras histórias.1. ed. Brasília: Qualidade, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social.1. ed. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 9. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O Colonialismo insidioso. 2018. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/O%20colonialismo%20insidioso_30Mar%C3%A7o2018.pdf. Acesso em: 11 set. 2022.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. 2. ed. São Paulo: Gaia, 2003.

SODRÉ, Muniz. Reinventando a Educação: diversidade, descolonização e redes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

SOUZA, Neuza Santos. Torna-se Negras: Vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em ascensão Social. 1. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

Publicado
2022-10-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 114
  • PDF downloads: 73
Como Citar
SANTOS DE JESUS, F. EDUCAÇÃO COLONIAL: COMPREENDENDO A MONOCULTURA DO SABER NA PRODUÇÃO DO DESINTERESSE DO JOVEM NEGRO PELA ESCOLA. Diálogos e Perspectivas Interventivas, v. 3, p. e15294, 7 out. 2022.
Seção
Dossiê Temático EDUCAÇÃO E CIDADANIA: REFLEXÕES E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS