REFLETINDO SOBRE A PROPOSTA DA PEDAGOGIA DA GRATUIDADE

Palavras-chave: Teologia Pública, Pedagogia da gratuidade, Ser mais, Co-humanidade, Cuidar

Resumo

Com o desafio de se pensar uma cultura de humanização, este texto, por meio de uma análise bibliográfica, tem por objetivo pensar na construção de uma pedagogia da gratuidade tendo por base a teologia barthiana e a pedagogia freireana. Essa pedagogia da gratuidade é proposta como modo de traduzir a vontade de produção de uma cultura humanista de cuidado e amor ao próximo em sua diversidade. Ela é também uma pedagogia existencial que apreende a vida e as alteridades como graça. Enfatizam-se a criatividade, a reconciliação e a esperança como desdobramentos da gratuidade. A co-humanidade, por sua vez, se reflete de modo prático no cuidar como o centro da dimensão ética da gratuidade. Nesse sentido consideramos a existência de uma disposição baricêntrica de ser com o outro e, no reconhecimento e acolhida do próprio inacabamento, ser mais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éverton Nery Carneiro, Docente no Programa de Pós-Graduação em Intervenção Educativa e Social Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Teologia pela Escola Superior de Teologia.

Jefferson Zeferino, Professor no Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Professor na Maestría en Teología da Facultad Evangélica de Estudios Teológicos

Referências

BARTH, K. (1978). The Church Dogmatics: The Doctrine of Creation. v. III.4. Edinburgh: T&T Clark.

BARTH, K. (1983). Church Dogmatics: The Doctrine of God. v. II.2. Edinburgh: T&T Clark.

BARTH, K. (2016). A Carta aos Romanos: (segunda versão) 1922. São Leopoldo: Sinodal/EST.

BOFF, C. (2014). O livro do sentido: crise e busca de sentido hoje (parte crítico-analítica). v.1. São Paulo: Paulus.

BOFF, C.; BOFF, L. (2010). Como fazer teologia da libertação. Petrópolis: Vozes.

BOFF, L. (2000). A Santíssima Trindade é a melhor comunidade. Petrópolis: Vozes.

FRANCISCO. (2020, octubre, 03). Carta Encíclica Fratelli Tutti. Sobre a fraternidade e a amizade social. Recuperado de http://www.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20201003_enciclica-fratelli-tutti.html.

FREIRE, P. (2011). Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Versión ePub).

FREIRE, P. (2003). Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. São Paulo: Unesp.

FREIRE, P. (2000). Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (1983). Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (1992). Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. (2007). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, P. (2014). Pedagogia da tolerância. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2014.

FREIRE, P. (1997). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE. P. (2001). Pedagogia dos sonhos possíveis. Organização, apresentação e notas de Ana Maria Araújo Freire. São Paulo: Editora Unesp.

GRUCHY, J. (2007). Public Theology as Christian Witness: exploring the genre. International Journal of Public Theology, v. 1, pp. 26-41, doi: https://doi.org/10.1163/156973207X194466.

HEIDEGGER, M. (2007). Ser e Tempo. Tradução de Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis: Vozes.

JEANROND, W. (2010). A theology of love. London: T&T Clark.

KEARNEY, R. (2015). The wager of carnal hermeneutics. in KEARNEY, R.; TREANOR, B. (Eds.). Carnal hermeneutics (pp. 15-56). New York: Fordham University Press.

KEARNEY, R. (2014, Agosto, 30). Losing our touch. The New York Times. Opinionator. Recuperado de https://opinionator.blogs.nytimes.com/2014/08/30/losing-our-touch/.

LEXICO. (2020) Mystic. Oxford Dictionaries. Recuperado de: https://www.lexico.com/definition/mystic.

MOLTMANN, J. (2005). Teologia da esperança: estudos sobre os fundamentos e as consequências de uma escatologia cristã. São Paulo: Teológica/Loyola.

RICOEUR, P. (2002). “O bom uso das feridas da memória”. Textos Traduzidos de Paul Ricoeur. Instituto de Estudos Filosóficos. Universidade de Coimbra. Recuperado de https://www.uc.pt/fluc/uidief/textos_ricoeur/o_bom_uso_das_feridas_da_memoria.

SINNER, R. (2007). Confiança e convivência: reflexões éticas e ecumênicas. São Leopoldo: Sinodal.

SINNER, R. (2015). As igrejas no espaço público: rumo a uma teologia pública com enfoque na cidadania. Recuperado de https://r-e299t.net/fix/files/von%20Sinner_teologia%20p%FAblica_cidadania_%20in%20Portugues.pdf.

SOBRINO, J. (1990). Centralidad del reino de Dios en la teología de la liberación. in ELLACURÍA, Ignacio; SOBRINO, Jon. (Orgs.). Mysterium Liberationis: Conceptos fundamentales de la teología de la liberación (pp. 467-510). v.1. Madrid: Editorial Trotta.

TRACY, D. (2006). A imaginação analógica: a teologia cristã e a cultura do pluralismo. São Leopoldo: Editora UNISINOS.

VALLS, Álvaro L.M. O que é ética. São Paulo: Editora brasiliense. 2008. (Coleção Primeiros Passos)

WESTHELLE, V. (2012). Eschatology and space: the lost dimension in theology – past and present. New York: Palgrave Macmillan.

ZEFERINO, J. (2019). A política como assunto dos estudos em teologia pública: aportes na relação entre religião e espaço público à luz da tipologia de teologia públicas de Boaventura de Sousa Santos. Caderno Teológico, v. 4, n. 2, pp. 67-79, doi: http://dx.doi.org/10.7213/2318-8065.04.02.p67-79.

ZEFERINO, J. (2020). A teologia pública no Brasil: análise de um mapeamento. Interações, v. 15, n. 1, pp. 90-107, doi: https://doi.org/10.5752/P.1983-2478.2020v15n1p90-107.

ZEFERINO, J. (2018). Karl Barth e teologia pública: contribuições ao discurso teológico público na relação entre clássicos teológicos e res publica no horizonte da teologia da cidadania. Tesis doctoral en Teología. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Brasil.

ZEFERINO, J.; FERNANDES, M. L. (2020). O sofrimento dá o que pensar: teologia pública em diálogo com a literatura marginal. Teoliterária, v. 10, n. 21, pp. 470-497, doi: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2020v21p470-497.
Publicado
2020-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 87
  • PDF downloads: 74
Como Citar
CARNEIRO, ÉVERTON N.; ZEFERINO, J. REFLETINDO SOBRE A PROPOSTA DA PEDAGOGIA DA GRATUIDADE. Diálogos e Perspectivas Interventivas, v. 1, p. e10729, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático