AS IMPLICAÇÕES DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO ESCOLAR NA VIDA ACADÊMICA DOS ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UEFS

Palavras-chave: Estágio Não Obrigatório Escolar, Educação Física, Vida Acadêmica

Resumo

O estágio não obrigatório representa atividade opcional aos estudantes de graduação, além disso, é uma atividade de acréscimo à carga horária regular e obrigatória dos cursos de graduação. Este estudo objetiva analisar as dificuldades, pontos negativos e positivos (contribuições) do estágio não obrigatório escolar na vida acadêmica dos estudantes de Licenciatura em Educação Física da UEFS. Trata-se de um estudo de campo e pesquisa documental, com caráter descritivo e abordagem qualitativa. Para a obtenção dos dados, foi aplicado um questionário para os estudantes entre o 4º e o 8º semestre que já realizaram ou estavam realizando estágio não obrigatório escolar. Vinte estudantes participaram da pesquisa, que teve como protocolo de análise de dados a análise de conteúdo. De acordo com os resultados encontrados, as questões financeiras e a permanência na universidade são os principais motivos para a busca do estágio não obrigatório. A carga horária, a ausência de supervisão/orientação, a conciliação dos horários da escola com a universidade e a desvalorização foram consideradas dificuldades e pontos negativos. Dentre as contribuições/pontos positivos, estão: a aquisição de experiência e conhecimento; a imersão e aproximação na/com a realidade escolar; a ajuda financeira na permanência na universidade. Portanto, esta modalidade de estágio assume uma posição importante na formação de professores, contribuindo de forma significativa na sua preparação e qualificação para o trabalho, e no desenvolvimento de competências, habilidades, conhecimentos e experiências necessárias à prática docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denize Pereira de Azevedo, Docente na na Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutora em Educação Física. Integrante do Núcleo Inter/Transdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão de Educação em Saúde.

Ivanilton Carneiro Oliveira, Docente pela Secretaria Municipal de Serra Preta

Licenciado em Educação Física. Membro do Núcleo Inter/transdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão de Educação em Saúde.

Aiana Carvalho Carneiro, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduada em Educação Física. Integrante do Núcleo Inter/Transdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão de Educação em Saúde.

Amanda Santana de Souza, Universidade Estadual de Feira de Santana

Licenciada em Educação Física. Integrante do Núcleo Inter/Transdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão de Educação em Saúde.

Marroney de Santana Nery, Graduando pela Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduando do curso de Licenciatura em Educação Física. Participante do Núcleo Inter/transdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão de Educação em Saúde. Graduado em Segurança no Trabalho.

Referências

ALEXANDRE, Fernando. Teoria e prática na formação inicial de professores em Portugal. Cenas Educacionais, v.1, n.2, p.57-104, 2018.

ANDRADE, Rosana Cássia Rodrigues; RESENDE, Marilena. Aspectos legais do estágio: uma retrospectiva histórica. Revista Multitexto, v. 3, n. 01. 2015.

BISCONSINI, Camila Rinaldi; DE OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. O estágio curricular supervisionado na formação inicial para a docência: as significações dos estagiários como atores do processo. Motrivivência, v. 28, n. 48, p. 347-359, 2016.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Ministério da Educação: Câmara de Ensino Superior. Resolução CNE/CES nº 6, de 18 de dezembro de 2018. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 set. 2008.

COLOMBO, Irineu Mario; BALLÃO, Carmen Mazepa. Histórico e aplicação da legislação de estágio no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 53, p. 171-186, jul./set. 2014. Editora UFPR.

CONDE, Erica Pires; SÁ, Francisco Jeferson Reis Assunção. O pedagógico na evolução histórica legal do estágio supervisionado. Espaço do Currículo, v.9, n.2, p. 349-358, maio a agosto, 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas da pesquisa social. 6. ed. São Paulo : Atlas, 2008.

LAVALL, Jaqueline; BARDEN, Júlia Elisabete. Estágio não obrigatório: contribuições para a formação acadêmica e profissional do estudante da UNIVATES. Revista GUAL, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 47-68, mai. 2014.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis, RJ : Vozes, 2002.

PAIVA, Maria Cristina Leando de; COSTA, Leide Dayana Pereira de Freitas. O estágio não obrigatório no contexto da formação inicial do pedagogo. Textura, v. 19 n. 41, set./dez. 2017.

RAMOS, Glauco Nunes Souto. Os estágios extracurriculares na preparação profissional em educação física. Movimento Percepção, Espírito Santo do Pinhal, v.1, p.127-141, 2002.

ROMANELLI, Rafaela Pires. Os estágios não obrigatórios na percepção dos estudantes de educação física da UFU. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação), Faculdade de Educação Física (FAEFI) – Universidade Federal de Uberlândia – UFU, 2019.

SANTOS, Sandra Carlos dos. O estágio não obrigatório como espaço de mobilização dos saberes docentes na formação inicial de acadêmicos do curso de educação física bacharelado. 45 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação), Universidade Do Extremo Sul Catarinense – UNESC, 2013.

SOUZA, Amanda Santana de et al. Formação inicial de professores: as lacunas presentes em seu percurso formativo e possíveis caminhos de superação. Cenas Educacionais, v. 3, p. 9488, 2020.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS). Instrução Normativa Conjunta PROGRAD/PROPAAE nº 001/2019. Estabelece orientações aos Colegiados de Curso de Graduação da Universidade Estadual de Feira de Santana quanto aos Estágios Obrigatórios e Não Obrigatórios. Feira de Santana, 25 de janeiro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS). Portaria nº 040/2019. Feira de Santana, 29 de janeiro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS). Projeto Político Pedagógico do curso de graduação em licenciatura em educação física. Feira de Santana, 12 de junho de 2018.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS). Resolução CONSEPE 083/2013. Regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios dos Cursos de Graduação da Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS, a oferta de campos de estágio na Instituição e dá outras providências. Feira de Santana, 24 de julho de 2013.
Publicado
2020-12-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 152
  • PDF downloads: 124
Como Citar
AZEVEDO, D. P. DE; OLIVEIRA, I. C.; CARNEIRO, A. C.; SOUZA, A. S. DE; NERY, M. DE S. AS IMPLICAÇÕES DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO ESCOLAR NA VIDA ACADÊMICA DOS ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UEFS. Diálogos e Perspectivas Interventivas, v. 1, p. e10254, 10 dez. 2020.
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)