Por uma puríssima eliminação do indizível na linguagem: de Walter Benjamin ao Bartleby de Giorgio Agamben

  • Isabela Ferreira de Pinho Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Palavras-chave: Filosofia contemporânea, Literatura, Intertextualidade

Resumo

O presente artigo tem em vista a proposta benjaminiana tal como foi herdada por Giorgio Agamben de uma "puríssima eliminação do indizível na linguagem". Para pensá-la, teremos em vista a fórmula de Bartleby, "I would prefer not to", como possibilidade de fazer uma experiência com a linguagem para além de seu elemento negativo constitutivo: o indizível ou o inefável. Nesse sentido, faremos uma pequena incursão no ensaio "Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem do homem" (1916) de Benjamin a fim de verificar a relação de culpa que acomete o homem falante em relação ao que o filósofo chama de Médium da linguagem. Retornaremos, então, à singular leitura de Agamben acerca da questão da linguagem em Benjamin para pensar a fala de Bartleby como uma fala livre de sua relação de débito com o indizível constitutivo da linguagem, já que Bartleby, ao ocupar o limiar entre silêncio e fala, não parece ter verdadeiramente nada a dizer, mas simplesmente fala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Ferreira de Pinho, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Doutoranda em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Área de concentração: Filosofia contemporânea.
Publicado
2016-03-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 253
  • PDF downloads: 528
Seção
EXPEDIENTE