Nomear é chamar à existência: a nomeação de Deus e do Diabo em Hilda Hilst e Guimarães Rosa

  • Vitor Hugo Luís Geraldo Universidade Federal de Uberlândia

Resumo

Em 1987 o escritor e crítico literário Oscar D’Ambrosio publica no então jornal Estado de São Paulo uma matéria intitulada: “Guimarães Rosa encontra seu duplo: Hilda Hilst.” Partindo desta identificação literária e ancorando-se em entrevistas concedidas pela autora, onde reconhecia não só a proximidade poética de suas obras, como o apreço e a influência sofrida pelo escritor, este trabalho se dedicará a investigar um traço comum a estes autores, o obsessivo processo de nomeação de Deus e do Diabo. Fazendo de Deus uma de suas investigações não só literárias, como também filosóficas e cotidiana, Hilda Hilst colocou em prosa, e poesia, sua excruciante dúvida quanto à existência divina. Na outra margem, encontramos Guimarães Rosa que, em Grande Sertão: Veredas, tece uma personagem questionante, impassível diante dúvida quanto à existência do Diabo. Riobaldo, em seu périplo, concebe uma vasta cartografia onomástica e pictórica daquele que tanto diz evitar. Traço comum nos autores, investigaremos a premente necessidade de nomeação, perquirindo o sentido latente deste privilégio adâmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN. Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1997.
BÍBLIA. Tradução de Almeida Revista e Atualizada. Barueri, São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil; Cultura Cristã, 2016.
COELHO, Kamilla Kristina Souza França. Deus, segundo os olhos críticos de Hilda Hilst e Gabriela Mistral. Linguagem: Estudos E Pesquisas, v. 10, n. 02, p. 111-125, jul/dez. 2010. Disponível em: https://revistas.ufg.br/lep/article/view/34378. Acesso em: 20 jun. 2021.
COUSTÉ, Alberto. Biografia do Diabo. Record, São Paulo, 1996.
COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
D’AMBRÓSIO , Oscar. Guimarães Rosa encontra seu duplo: Hilda Hilst. O Estado de São Paulo, São Paulo. 02 jan. 1987. Divirta-se, não paginado.
ECO, Umberto. Sobre ombros de gigantes. Rio de Janeiro: Record, 2018.
HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.
HILST, Hilda. Da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.
JOSÉ DOMINGOS DE BRITO. Tiro de Letra, 2007. Conteúdos literários. Disponível em: http://www.tirodeletra.com.br/institucional/historia.htm. Acesso em: 20 jun 2021.
LIMA, Francisco Wellington Rodrigues. Guimarães Rosa e os resíduos do Diabo medieval em Grande Sertão: Veredas. Letras Escreve, Macapá, v. 5, n.2, p. 183-198, jul./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/letras/article/view/1895. Acesso em: 09 jul. 2021.
LIMA, Sônia Maria van Dijck. No tempo de Sagarana. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, v. 12, p. 311-320, jun. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2021.
LINS, Á. Uma grande estreia. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 12 abr. 1946. Jornal de crítica. Arq. JGR-IEB/USP-R1.
PÉCORA, Alcir. Por que ler Hilda Hilst. São Paulo: Globo, 2010.
PLATÃO. Crátilo, ou sobre a correção dos nomes. Tradução de Celso Oliveira. São Paulo: Paulus, 2020.
ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 19 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
SILVA, Dora Ferreira da. O demoníaco em Grande Sertão: Veredas. São Paulo, Diálogo nº 8, novembro de 1957.
SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta. São Paulo: Ediouro, n/d.
Publicado
2022-06-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 186
  • PDF downloads: 160
Como Citar
LUÍS GERALDO, V. H. Nomear é chamar à existência: a nomeação de Deus e do Diabo em Hilda Hilst e Guimarães Rosa. Tabuleiro de Letras, v. 16, n. 1, p. 167-180, 23 jun. 2022.
Seção
ARTIGOS