Nos trilhos do trem: as relações estéticas entre Mário de Andrade e Blaise Cendrars

  • Natalia Aparecida Bisio de Araujo UNESP

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as relações estéticas entre a obra de Mário de Andrade e do vanguardista Blaise Cendrars. Sabe-se que a primeira fase do Modernismo brasileiro foi marcada pela articulação com as correntes das Vanguardas Europeias. Em tal contexto, avaliaremos a hipótese de que Blaise Cendrars tenha sido um dos elos de ligação entre as tendências estrangeiras e o projeto artístico nacional modernista. Para a análise comparada das relações estéticas entre o poeta brasileiro e o vanguardista, foram escolhidos o “Noturno de Belo Horizonte” (1924), poema de Clã do Jabuti, as “Crônicas de Malazarte VIII” (1924) e La Prose du Transsibérien et de la Petite Jehanne de France (1913), longo livro verbo-visual de Cendrars, pois é possível perceber um profundo diálogo entre os textos, pautados em experiências de viagem de trem. Como embasamento teórico, serão consideradas as teorias e críticas da poesia em geral, assim como estudos sobre a estética vanguardista e modernista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Aracy A. Blaise Cendrars no Brasil e os Modernistas. São Paulo: Editora 34/Fapesp, 1997.
AMARAL, Aracy Abreu. Tarsila: sua obra e seu tempo. São Paulo: Editora 34, 2003.
ANDRADE, Mário de. “Prefácio Interessantíssimo”. In: _____Poesias Completas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1987a, p. 59-77.
ANDRADE, Mário de. A lição do amigo: Cartas de Mário de Andrade a Carlos Drummond de Andrade. 2. Ed. Rio de Janeiro: Record, 1988.
ANDRADE, Mário de. Poesias Completas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1987b.
ANDRADE, Mário. “A escrava que não é Isaura”. In:_____ Obra imatura. São Paulo: Martins Editora, 1960, p. 201-275.
ANDRADE, Mário. “Blaise Cendrars” (1924). In: EULALIO, Alexandre. A aventura brasileira de Blaise Cendrars: ensaio, cronologia, filme depoimentos, antologia, desenhos, conferências, correspondência, traduções. 2. Ed. Ver. E ampl./ por Carlos Augusto Calil. São Paulo: edusp, 2001, p. 384-394.
ANDRADE, Mário. “Crônicas de Malazarte VIII”. Aletria: Revista de estudos de literatura: 100 anos de Mário de Andrade. Belo Horizonte, v.1, n.1, p.156-160. 1993. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/issue/view/84/showToc. Acesso em: 31 ag. 2018.
ANDRADE, Mário. Entrevistas e depoimentos. Org. de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.
ANDRADE, Oswald. Obras completas V: Ponta de Lança. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.
BROCA, Brito. “Blaise Cendrars no Brasil, em 1924” (1952). In: EULALIO, Alexandre. A aventura brasileira de Blaise Cendrars: ensaio, cronologia, filme depoimentos, antologia, desenhos, conferências, correspondência, traduções. 2. Ed. Ver. E ampl./ por Carlos Augusto Calil. São Paulo: edusp, 2001, p. 449.
CAMPOS, Haroldo. “Uma poética da radicalidade”. In: ANDRADE, Oswald. Obras completas: Poesias reunidas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971, 7 v., p. 9-64.
CENDRARS, Blaise. Du monde entier au cœur du monde: Poésies complètes. Paris: Gallimard. 2006.
LAFETÁ, João Luiz. 1930: a crítica e o Modernismo. São Paulo: Duas Cidades, 2000.
LAFETÁ, João Luiz. Figuração da intimidade: imagens na poesia de Mário de Andrade. São Paulo: Martins Fontes, 1986.
SOUZA, Cristiane Rodrigues de. Clã do Jabuti: uma partitura de palavras. São Paulo: Annablume, 2006.
TELES, Gilberto Mendonça. Estudos de poesia brasileira. Coimbra: Livraria Almeida, 1985.
TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro: apresentação dos principais poemas metalinguísticos, manifestos, prefácios e conferências vanguardistas, de 1857 a 1972. 19 ed. Petrópolis: Vozes, 2009.
Publicado
2021-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 49
  • PDF downloads: 67
Seção
ARTIGOS