Aspetos de interlíngua em português língua estrangeira

Estruturas sintáticas

  • Diocleciano Nhatuve Universidade do Zimbabwe/Universidade Eduardo Mondlane
  • Sávio Malope Univeridade do Zimbabwe - Doutorando
  • Nelson Ernesto Universidade Eduardo Mondlane http://orcid.org/0000-0001-6098-7327

Resumo

A aprendizagem e o uso do português como língua estrangeira revelam aspetos linguísticos e estratégicos particulares, sobretudo no que respeita à construção de estruturas frásicas nos primeiros estágios de aprendizagem. O objetivo deste estudo é de identificar e descrever as tendências de aprendentes do português tendo como línguas materna e segunda o shona e o inglês na construção de frases simples. O estudo é norteado pelos princípios teóricos da interlíngua e, em termos metodológicos, adota uma abordagem qualitativa. A base empírica é constituída por estruturas sintáticas escritas por estudantes universitários no primeiro e no segundo anos de aprendizagem do português. Os resultados revelam tendências como (1) a construção de enunciados sem verbos, (2) o uso de dois verbos em frases simples, sem que um seja auxiliar, (3) a combinação de formas verbais incongruentes com os traços gramaticais dos respetivos sujeitos, (4) a falha na seleção de argumentos,  (5) a intrasitivização dos verbos transitivos e a seleção de argumentos externos (sujeitos) para os verbos impessoais e (6) a tendência de usar o número e o gênero não marcados no estabelecimento da concordância nominal. Todas estas dificuldades, entretanto, são interpretáveis sob o ponto de vista das manifestações das fases da interlíngua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAMPOS, O. et al. A flexão nominal: um problema linguístico ou social. In: NEVES, M. H. M. (Org.). Descrição do Português II. Universidade Estadual Paulista, 1991.
CORDER, S. P. Error analysis and interlanguage. Oxford: Oxford University Press, 1981.
CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do Português contemporâneo. Lisboa, J.S. da Costa, 2005.
ELISEU, A. Sintaxe do Português. Lisboa: Caminho, 2008.
ERNESTO, N. Ensino estratégico da gramática na aula de português língua não materna. 319f. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (Tese de Doutoramento Metodologias de Ensino de Português com Língua não Materna, 2015), 319p.
GONÇALVES et al. Panorama do Português oral de Maputo – estruturas gramaticais do Português: problemas e exercícios. Maputo: INDE, 1998.
GONÇALVES, P. A génese do Português de Moçambique. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2010.
______. Aspetos da sintaxe do Português de Moçambique. In: FARIA et al.. Introdução à linguística geral e portuguesa. Lisboa: Caminho, 1996, p. 313-322.
______. Tipologia de ‘erros’ do português oral de Maputo: um primeiro diagnóstico. In: STROUD, C.; GONÇALVES, P. (Org.). Panorama do português oral de Maputo: A construção de um banco de erros. Maputo: Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação, 1997; p. 37-67.
INVERNO, L. Contact-induced restructuring of portuguese morphosyntax in interior Angola: Evidence from Dundo (Lunda Norte). 475f. Coimbra: Universidade de Coimbra (Dissertação Doutoramento Lingística Portuguesa), 2009, 475p.
KRASHEN, S. Second language acquisition and second language learning. New York: Pergamon Press, 1981.
______. The input hypothesis: Issues and Implications. UK: Longman, 1985.
LEIRIA, I. Léxico, aquisição e ensino do Português europeu língua não materna. Lisboa: FCG/FCT 2006.
MARTINS, C. Número e gênero nominais no desenvolvimento das interlínguas de aprendentes do Português europeu como língua estrangeira. Revista científica da UEM: série letras e ciências sociais, v. 1, n. 1, 2015, p. 26-51. [online]. Disponível em: http://www.revistacientifica.uem.mz/index.php/seriec/article/view/93/54, [28 April 2017].
NHATUVE, D. Aspetos de concordância nominal em português língua estrangeira por falantes de língua materna bantu (shona) e de inglês língua segunda. 376f. Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras e Culturas (Tese te Doutaramento em Linguística do Português), 2019, 376p.
______. Concordância nominal entre o artigo e o nome em português língua estrangeira. LINGVARVMARENA, v.11, 2020, p. 13-30.
______. Vogais temáticas, gênero e concordância nominal em PLE. REVISTA X, Curitiba, v. 12, n. 2, 2017, p. 8-24.
NHATUVE, D.; BWETENGA, T. R. Configuração do valor de número gramatical em português língua estrangeira: interlíngua ou problemas intrínsecos da língua portuguesa?. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 21, n. 1, 2018, p. 5 - 33.
NHATUVE, D.; CHIPARA, M. Aspectos de concordância verbal na aprendizagem do português língua estrangeira”. Mandinga – Revista de Estudos Linguísticos, Redenção-CE, v. 1, n. 2, 2017, p. 8-24.
PEREIRA, E. F. O. O papel da língua materna na aquisição da língua estrangeira. Inter-ação. Rev. Fac. Educ. UFG, v. 26, n. 2, 2001, p. 53-62.
PEREIRA, I.; MARTINS, C. Metodologias de ensino de PL2 à medida dos aprendentes. In: MATEUS, M. H. M. et al. (Org.) Metodologias e materiais para o ensino do Português como língua não materna. Lisboa: ILTEC, 2009, 31-36.
PINTO, J. A aquisição de português LE por alunos marroquinos: Dificuldades interlinguísticas. In: Atas del II congreso internacional SEEPLU - Difundir la lusofonia Cáceres: SEEPLU/CILEM/LEPOLL, 2012, 15p. [online]. Disponível wm: http://www.seeplu. galeon.com/textos2/pinto.pdf. [28 March 2017].
RAPOSO, E. P. et al. Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.
SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. Pesquisa Científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Org.) Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009, p. 31-43.
VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. Tipologia de regras linguísticas e estatuto das variedades/línguas: a concordância em português. In: Linguística, 30, 2014, p. 82-112. [Online], Available: http://repositorio.unesp.br/bitstream/ handle/114 49/86568/sagu ate_aw_me_sjrp.pdf?sequence=1. [28 March 2017].
Publicado
2021-07-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 42
  • PDF downloads: 48
Seção
ARTIGOS