Paulo Freire

para além das fronteiras

Palavras-chave: Educação bancária; Educação libertadora; Alfabetização; Internacionalização.

Resumo

O texto discute a trajetória de Paulo Freire, a atualidade e internacionalização do seu pensamento e a atuação educacional como necessárias para
o equilíbrio das relações de poder na sociedade contemporânea. Resulta de uma revisão sistemática de literatura, que deixou clara a relevância das
obras e ações desse educador que transcenderam o território nacional, sendo acolhidas e reverenciadas na América do Sul, África, Finlândia, América
do Norte, e outros países. Freire defendia o diálogo como privilégio de educar política e culturalmente os oprimidos. Rejeitava o que cunhou como
educação bancária sem diálogo ou questionamento sobre situações sociopolíticas. Deixou claro que educar é um ato político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Siqueira de Freitas, UCSAL

Doutora e pós-doutora em Administração da Educação pela The Pennsylvania State University. Professora
e Pesquisadora da Programa de Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador (UCSal). Líder do Grupo de Pesquisa Gestão e Avaliação de Políticas e Programas. Áreas de interesse: educação
de adultos, gestão e avaliação da educação, cooperação sul-sul, BRICS. 

Gabriela Sousa Rego Pimentel, UNEB

Doutora e pós-doutora em Educação. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação
e Contemporaneidade da Universidade do Estado da Bahia (PPGEduC/UNEB).

Maria de Fátima Pessôa Lepikson, UCSAL

Assistente Social pela Escola de Serviço Social da Universidade Católica do Salvador (UCSal). Doutora em
Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestra em Educação pela Universidade Federal de
Santa Catarina (UFSC). Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania.

Christiane Andrade Regis Tavares, UNEB

Doutora e Mestre em Políticas Sociais e Cidadania pela Escola de Serviço Social da Universidade Católica do
Salvador (UCSal). Professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

ANDREOLA, Balduino A.; RIBEIRO, Mauro Bueno. Paulo Freire no Conselho Mundial das Igrejas em Genebra. Estudos Teológicos, v. 45, n. 2, p. 107-116, 2005.
ALVES, Mariana Gaio. Participação de jovens e adultos no ensino superior em Portugal: desafios quantitativos e qualitativos. Policy brief do IE-ULisboa, v. 1, p. 1-6, junho de 2020.
AUSTRIA. Paulo Freire Zentrum. Disponível em: https://www.pfz.at/paulo-freire-zentrum/paulo-freire-center/. Acesso em: 17 abr. 2021.
BIKO, Steve. Eu escrevo o que eu quero. São Paulo: Ática, 1990.
BONFIM, Natanael Reis Bonfim; PIMENTEL, Gabriela Sousa Rêgo; SOUZA, Mateus Santos. Contexto da internacionalização na contemporaneidade:
desafios e perspectivas da Universidade do Estado da Bahia. Rev. FAEEBA – Ed. e Contemp., Salvador, v. 28, n. 55, p. 112-126, maio/ago. 2019.
CARVALHO, Marco Antonio Batista. Paulo Freire e o Exílio no Chile: uma contribuição recíproca para uma visão de mundo. In: Instituto Paulo
Freire e Comissão de Anistia (org.). Paulo Freire, anistiado político brasileiro. Ministério da Justiça. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire; Brasília, 2012.
FERREIRA, Luís Carlos. Por uma alfabetização descolonizadora e cidadã̃ na perspectiva freiriana: a educação de adultos em Moçambique. In: ABREU, Janaina M.; PADILHA, Paulo Roberto. Como alfabetizar com Paulo Freire. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2020.
FIORI, Ernani Maria. Prefácio. In: FREIRE, Paulo. Pedagogia del oprimido. Montevideo, Uruguay: Tierra Nueva, Biblioteca Mayor, 1970.
FINLAND. Paulo Freire Centers Worldwide. Disponível em: https://paulofreirefinland.wordpress. com/paulo-freire-centers-worldwide/.
Acesso em: 17 abr. 2021.
FRANCO, Dalva de Souza. A Gestão de Paulo Freire à frente da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (1989-1991) e suas consequências.
Pro-Posições, v. 25, n. 3 (75), p. 103-121, set./dez. 2014.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.
FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 27. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: 1980.
FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 25. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.
FREITAS, Katia Siqueira de. Educação e políticas sociais. In: IVO, Anete B.L. (coord.) et al. Dicionário temático, desenvolvimento e questão social - 110 problemáticas contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Annablume; Brasília: CNPq, 2020, p. 264-270.
GADOTTI, Moacir. Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Editora Scipione Ltda, 1991.
GUIMARÃES, Paula; MIKULEC, Borut. (Org.). Aprendizagem ao longo da vida e União Europeia: a instrumentalização da educação de adultos.
Laplage em Revista (Sorocaba), v. 6, n. 2, p. 59-75, mai./ago. 2020.
INAF. Indicador Alfabetismo Funcional 2018. São Paulo: Ação Educativa. Instituto Paulo Montenegro, 2018.
LEPIKSON, M. de Fátima. A Atualidade da Educação Popular. In: SOUZA, Elizeu (org.) Caderno de Metodologia do Ensino Superior/Associação
Cultural e Educacional da Bahia. Centro de Estudos de Pós-Graduação Olga Mettig – CEPOM, 2002. p. 127-142.
MAZZA, Débora; SPIGOLON, Nima Imaculada. Educação, Exílio e Revolução: o camarada Paulo Freire. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)
Biográfica, Salvador, v. 3, n. 7, p. 203-220, jan./abr. 2018.
PAIVA, Vitor. Paulo Freire é terceiro teórico mais citado em trabalhos acadêmicos no mundo. Disponível em: https://www.hypeness.
com.br/2016/06/paulo-freire-e-terceiro-teorico-mais-citado-em-trabalhos-academicos-no -mundo/. Aceso em: 17 abr. 2021.
PIMENTEL, Gabriela Sousa Rêgo. O Brasil e os desafios da educaçã o e dos educadores na agenda 2030 da ONU. Rev. Nova
Paideia - Revista Interdisciplinar em Educação Educação e Pesquisa, Brasília/DF, v. 1, n. 3, Núm. Esp. p. 22-33, 2019.
ROMÃO, José Eustáquio; GADOTTI, Moacir. Paulo Freire e Amílcar Cabral: a descolonização das mentes. São Paulo: Editora e Livraria Instituto
Paulo Freire, 2012.
SEFATSA, Zamalotshwa. Paulo Freire e as lutas populares na África. Tricontinental. Dossiê n. 34, nov. 2020.
SCOCUGLIA, Afonso Celso. Prefácio: Paulo Freire (1921-1997-2021). In: DANTAS, Tânia Regina et al. Paulo Freire em diálogo com a educação
de jovens e adultos. Salvador: EDUFBA, 2020.
SOUZA, Marcelo Medeiros Coelho de. O Analfabetismo no Brasil sob o enfoque Demográfico. Brasília, abril de 1999. Disponível
em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2644/1/td_0639.pdf. Acesso em: 17 abr. 2021.
TAVARES, Christiane Andrade Regis; MARINHO, Delyana Santana de Britto; FURTADO, Rosa Maria Silva. Extensão universitária e movimentos
sociais no Brasil: a educação não-formal na construção de identidades individuais e coletivas. In: FERREIRA, Arthur Vianna; SIRINO, Marcio
Bernardino; MOTA, Patrícia Flavia (Org.). Formação docente ampliada: o desafio do exercício de ser-estar docente na contemporaneidade.
Jundiaí: Paco Editorial, 2019. p. 41-60. (v. 6).
TEIXEIRA, Lucas Borges. Estátua de Paulo Freire na Suécia não é tributo a educadores. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/confere/ultimas-noticias/2018/11/21/redessociais-exagero-boato-estatua-paulo-freiresuecia-tributo-educadores.htm. Acesso em: 16 abr. 2021.
Publicado
2021-09-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 13
  • pdf downloads: 843