Epistemologia para uma educação problematizadora

o diálogo como princípio mediador do conhecimento emancipador

Palavras-chave: Freire; epistemologia dialógica; autonomia; emancipação

Resumo

O artigo tem como proposição analisar a pedagogia problematizadora de Freire, tendo o diálogo como princípio epistemológico. Buscar-se-á esclarecer
as justificativas que fundamentam a proposta pedagógica freireana para a formação de sujeitos reflexivos, críticos e ativos na luta pela transformação
das situações de opressão. A hipótese é que a visão pedagógica sustentada em uma epistemologia dialógica tem ainda fortes implicações políticas, éticas
e pedagógicas que podem contribuir para a transformação do mundopor meio da educação, à medida que permite compreender as injustiças, a
opressão e o autoritarismo como decorrências de práticas não dialógicas em diferentes contextos de educação. A práxis pedagógica freireana mantém-se
atual e necessária por estabelecer o exercício do diálogo como princípio insubstituível na formação de sujeitos livres e autônomos, tornando-os protagonistas
dos processos de transformação da realidade e do contexto em que vivem. O que sustenta esse potencial é sua visão epistemológica que procura
validar e tornar eficaz o conhecimento produzido pelos indivíduos no seu cotidiano, na luta pela autonomia e pela emancipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Volnei Fortuna, Universidade de Passo Fundo

Graduado em Filosofia pelo Instituto Superior de Filosofia Berthier (IFIBE), em 2011. Pós-Graduado em
Educação, Direitos Humanos e Relações Étnico-Raciais (2012), pelo IFIBE, e Formação Pedagógica de Docente
para a Educação Básica e Profissional, pelo IFRS, Campus Sertão (2013). Mestre em Educação pelo
Programa de Pós-Graduação da Universidade de Passo Fundo (2015) e doutor pelo mesmo programa.
Atuou como professor do IFRS, Campus Sertão. Participante voluntário do Grupo de Pesquisa “A relação
Teoria e Prática na formação do educador: exigências e desafios da prática pedagógica na sociedade complexa
e plural”, da Universidade de Passo Fundo.

Eldon Henrique Mühl, Universidade de Passo Fundo

Licenciado em Filosofia, mestre e doutor em filosofia e história da educação pela Universidade Estadual
de Campinas. Realizou pós-doutorado na universidade do Minho, Portugal (bolsista Capes), em 2013.
Professor de filosofia da educação e do programa de pós-graduação da Universidade de Passo Fundo,
atuando nos cursos de mestrado e doutorado. Desenvolve pesquisa na área de fundamentos da educação,
teorias educacionais, educação em direitos humanos e formação de professores. Autor de artigos,
capítulos de livros e da obra Habermas e a educação: ação pedagógica como agir comunicativo (2020).
Organizador de diversas obras em colaboração com outros autores. Foi diretor da Faculdade de Educação
da Universidade de Passo Fundo em dois mandatos e participou de diversos conselhos da universidade e
de outras instâncias do sistema educacional

Elisa Mainardi, Universiade de Passo Fundo

Licenciada em Pedagogia pela Universidade de Passo Fundo (1996), especialista em Orientação Educacional,
pela Universidade de Passo Fundo (1998), mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo
(2001), doutora em Educação nas Ciências, pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Regional
do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), tendo realizado estágio doutoral (sanduíche) na
Universidade do Minho – Uminho-Braga-Portugal (2013). Professora da Faculdade de Educação da Universidade
de Passo Fundo, desde 1996.

Referências

BOHM, David. Diálogo: comunicação e redes de convivência. São Paulo: Palas Athena, 2005.
BRANDÃO, Carlos R. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.
CHAUI, Marilena. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Moderna, 1980.
FÁVERO, Osmar. Cultura popular e educação popular: memória dos anos 60. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação - uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
GADOTTI, Moacir. Convite à leitura de Paulo Freire: pensamento e ação no magistério. São Paulo: Scipione, 1989.
JORGE, J. Simões. A Ideologia de Paulo Freire. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1981.
KOHAN, Walter. Paulo Freire mais do que nunca: uma biografia filosófica. Belo Horizonte: Vestígio, 2019.
KOWARZIK, Wolfdietrich-Schimed. Pedagogia dialética: de Aristóteles a Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 1982.
SCHNORR, Gisele Moura. Pedagogia do oprimido. In: SOUZA, Ana Inês (org.). Paulo Freire:vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2001.
p. 69-100.
SILVA, Antonio Fernando Gouvêa. Pedagogia como currículo da práxis. In: FREIRE, Ana Maria de Araújo (org.). Pedagogia da Libertação em
Paulo Freire. São Paulo: Editora UNESP, 2001. p. 33-41.
TORRES, Rosa María. Os múltiplos Paulo Freire. In: FREIRE, Ana Maria de Araújo (org.). Pedagogia da Libertação em Paulo Freire. São Paulo:
Editora UNESP, 2001. p. 231-250.
Publicado
2021-09-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 63
  • pdf downloads: 92