O que dizem os memes da educação na pandemia? Dilemas e possibilidades formativas

  • Tania Lucía Maddalena Professora colaboradora no Programa de Pós-graduação Formação de Professores para o Ensino Médio, Formação Profissional e Ensino de Línguas na Universidade Internacional de La Rioja (UNIR/Espanha). Membro do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC). http://orcid.org/0000-0002-3949-6491
  • Dilton Ribeiro Couto Junior Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES). http://orcid.org/0000-0002-5221-7135
  • Marcelle Medeiros Teixeira Mestranda (bolsista FAPERJ) no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES). http://orcid.org/0000-0002-1799-2769
Palavras-chave: Pandemia, Memes, EaD, Educação online, Ensino remoto

Resumo

O trabalho se propõe a discutir as imagens-dizeres expressos nos memes produzidos no contexto da COVID-19, doençadescoberta na China após casos registrados em dezembro de 2019 pelo novo coronavírus SARS-CoV-2. Devido ao seu alto poder de transmissão, em apenas três meses foi declarada a pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em meio ao foco na contenção da circulação do vírus em escala global e às reconfigurações das práticas culturais, cabe a nós, pesquisadores do campo educacional, pensar sobre as implicações dessa pandemia para os processos formativos cotidianos no contexto da cibercultura. Os memes analisados, capturados nas redes sociais Facebook, Twitter e WhatsApp entre os meses de março e junho de 2020, retratam nossa preocupação diante do aumento significativo de instituições de Educação Básica e de Ensino Superior que estão optando pela Educação a Distância (EaD) e por práticas de ensino remoto. Concluímos argumentando que as tecnologias digitais, por si só, não são capazes de revolucionar os processos de ensinar-aprender e que a pandemia pode ser uma oportunidade importante para professoras/es colocarem em prática uma reflexão sobre suas próprias dinâmicas pedagógicas, fazendo da internet um campo de experimentação educacional prazeroso em tempos de isolamento físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania Lucía Maddalena, Professora colaboradora no Programa de Pós-graduação Formação de Professores para o Ensino Médio, Formação Profissional e Ensino de Línguas na Universidade Internacional de La Rioja (UNIR/Espanha). Membro do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC).

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora colaboradora no Programa de Pós-graduação Formação de Professores para o Ensino Médio, Formação Profissional e Ensino de Línguas na Universidade Internacional de La Rioja (UNIR/Espanha). Membro do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura (GPDOC).

Dilton Ribeiro Couto Junior, Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Pós-doutorando (bolsista PNPD/Capes) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Marcelle Medeiros Teixeira, Mestranda (bolsista FAPERJ) no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).

Mestranda (bolsista FAPERJ) no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).

Referências

ALVES, Lynn. Educação remota: entre a ilusão e a realidade. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 348-365, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/2WrGjp5>. Acesso em: 12 jul. 2020.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Cibercultura, juventude e alteridade: aprendendo-ensinando com o outro no Facebook. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; POCAHY, Fernando; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 17-38, maio/ago. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/2EsoMEd>. Acesso em: 22 maio 2019.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; VELLOSO, Luciana; SANTOS, Rosemary dos. Os movimentos ciberativistas de (re)existência nas redes sociais e suas implicações para a educação. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 21, n. 60, p. 91-108, jan./mar. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/2weX6Bj>. Acesso em: 1 mar. 2020.

COUTO, Edvaldo; COUTO, Edilece Souza; CRUZ, Ingrid de Magalhães Porto. #Fiqueemcasa: educação na pandemia da COVID-19. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 200-217, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/35ZS4X8>. Acesso: 15 maio 2020.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados; Cortez, 1989.

FRIGOTTO, Gaudêncio; RIBEIRO, Adélia Miglievich; NOLASCO-SILVA, Leonardo. Entrevista: Nossa tarefa agora é recuperar a universidade necessária.a universidade que tenha o conhecimento. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 20, n. 56, p. 188-199, jan./mar. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/3cGAoC6>. Acesso em: 26 abr. 2020.

HENRIQUE, Trazíbulo. COVID-19 e a internet (ou estou em isolamento social físico). Interfaces Científicas – Humanas e Sociais, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 173-176, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/2KMPtG5>. Acesso em: 28 abr. 2020.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. Tradução de Suzana Alexandria. 2. Ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p. 32-51.

KOHAN, Walter Omar. Formação inventiva de professores em tempos de pandemia: o que um louco lúcido nos convida a pensar e escrever? Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 53-66, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/2CyFgMC>. Acesso em: 13 jul. 2020.

LEMOS, André. Os sentidos da tecnologia: cibercultura e ciberdemocracia. In: LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010, p. 21-31.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LIMA, Caroline Costa Nudes; CARVALHO, Felipe Silva Ponte; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. A linguagem emocional na prática docente online: implicações educacionais cotidianas. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 4, n. 3, p. 542-557, set./dez. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2VunFNd>. Acesso em: 22 abr. 2020.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de Currículo e Autonomia Pedagógica. O socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MADDALENA, Tania. Digital Storytelling: uma experiência de pesquisa-formação na cibercultura. 2018. 204f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MADDALENA, Tania Lucía; D´ÀVILA, Carina; SANTOS, Edméa. Visual Storytelling e pesquisa-formaçao na cibercultura. Revista Brasileira de Pesquisa Autobiográfica, Salvador, v. 3, n. 7, p. 290-305, jan./abr. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/3bE4plH> Acesso em: 20 jan. 2020.

NOGUEIRA, Letícia. Imagens da criança no computador. In: KRAMER, Sonia; LEITE, Maria Isabel (Orgs.). Infância e produção cultural. 6. Ed. São Paulo: Papirus, 2007, p. 109-29.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; FARIA, Lia; BIANCO, Vittorio Lo. Educação a Distância, cultura da convergência e audiovisualidades: apontamentos para a formação de professores. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 1-21, jun. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/355KLfG>. Acesso em: 5 out. 2019.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; SOARES, Maria da Conceição Silva; BIANCO, Vittorio Lo. Os memes e o golpe. Periferia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 111-130, maio/ago. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/2kW2Pqq>. Acesso em: 20 set. 2019.

PRADO FILHO, Kleber; TETI, Marcela Montalvão. A cartografia como método para as ciências humanas e sociais. Barbarói, Santa Cruz, n. 38, p. 45-59, jan./jun. 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2QtXyVC>. Acesso em: 13 dez. 2018.

PRECIADO, Paul Beatriz. Aprendiendo del virus. In: Sopa de Wuhan: pensamiento contemporáneo en tiempos de pandemias. Editorial: ASPO (Aislamiento Social Preventivo y Obligatorio), 2020, p. 163-185.

PRETTO, Nelson De Luca; BONILLA, Maria Helena Silveira; SENA, Ivânia Paula (Orgs). Educação em tempos de pandemia: reflexões sobre as implicações do isolamento físico imposto pela COVID-19. Salvador: Edição do autor, 2020.

RAMOS, Hugo Souza Garcia; PEDRINI, Mateus Dias; RODRIGUES, Alexsandro. Cartografia e pesquisas com os cotidianos: um encontro metodológico. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 2, n. 2, p. 139-151, jan. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/33SkvVK>. Acesso em: 25 mar. 2020.

RECUERO, Raquel. Diga-me com quem falas e dir-te-ei quem és: a conversação mediada pelo computador e as redes sociais na internet. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 38, p. 118-128, abr. 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2v00Y59>. Acesso em: 12 abr. 2019.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, Edméa. EAD, palavra proibida. Educação online, pouca gente sabe o que é. Ensino remoto, o que temos para hoje. Mas qual é mesmo a diferença? #livesdejunho. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, Sessão Notícias, s/p, junho 2020. Disponível em: <https://bit.ly/2ZYm2tk>. Acesso em 25 jul. 2020.

SANTOS, Edméa. A cibercultura e a educação em tempos de mobilidade e redes sociais: conversando com os cotidianos. In: FONTOURA, Helena Amaral; SILVA, Marco (Orgs.). Práticas pedagógicas, linguagem e mídias: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011, p. 75-98.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In: SILVA, Marco; PESCE, Lucila; ZUIN, Antonio (Orgs.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak, 2010, p. 29-48.

SANTOS, Edméa; CARVALHO, Felipe Silva Ponte; PIMENTEL, Mariano. Mediação docente online para colaboração: notas de uma pesquisa-formação na cibercultura. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 18, n. 1, p. 23-42, abr. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2KykSMn>. Acesso em: 20 abr. 2020.

SANTOS, Edméa; COLACIQUE, Raquel; CARVALHO, Felipe Silva Ponte. A autoria visual na internet: o que dizem os memes? Quaestio, Sorocaba, v. 18, n. 1, p. 135-157, maio 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2MGandy>. Acesso em: 14 abr. 2019.

SANTOS, Edméa; SILVA, Marco. O desenho didático interativo na educação online. Revista Iberoamericana de Educación, n. 49. p. 267-287, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2x8ZSc5> Acesso em 20 abr. 2020.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa. 4. Ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.

Publicado
2020-12-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 967
  • pdf downloads: 890
Como Citar
MADDALENA, T. L.; COUTO JUNIOR, D. R.; TEIXEIRA, M. M. O que dizem os memes da educação na pandemia? Dilemas e possibilidades formativas. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 16, p. 1518-1534, 29 dez. 2020.