Patrimônio imaterial: reflexões sobre a rebeldia da matéria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p490-507

Palavras-chave:

patrimônio imaterial, cultura material, imaterialidade

Resumo

O debate contemporâneo sobre patrimônio, em suas múltiplas nuances, tem enfatizado a chamada dimensão imaterial das mais diversas culturas desde o nascer do novo século. Este artigo objetiva contribuir com estas trocas a partir de problematizações em torno da emblemática dicotomia: de um lado o mundo da cultura material, do outro, tudo aquilo que vem se compreendendo em termos de imaterialidade. Em abordagem ensaísta, o texto estrutura-se em dois momentos confluentes: um que contempla reflexões em torno da dimensão (i)material de duas experiências artísticas, e em diálogo com proposições de Ingold (2015) e Tarde (2007), outro, que busca aprofundar os desdobramentos das abordagens ali em relevo, agregando aí a dimensão ética proposta por Jonas (2006). Os principais eixos reflexivos aqui propostos enfocam a natureza contraditória da dualidade material/imaterial, bem como o que é posto em termos dos “pontos cegos” decorrentes ou vinculados em alguma medida a tal polarização, a exemplo dos riscos de aprofundamento dos desafios geralmente encontrados pelas políticas patrimoniais. Ademais, este artigo visa estimular a inclusão de perspectivas pouco usuais ao debate patrimonial, sobretudo, em seus desdobramentos éticos, pragmáticos e políticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Clara de Rebouças Carvalho, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA); graduanda do Curso de Museologia da UFBA; docente do Departamento de Odontologia Social e Pediátrica da UFBA.

Referências

BENGIO, Fernanda Cristine dos Santos; LEMOS, Flávia Cristina Silveira; FERRERI, Marcelo de Almeida; FERREIRA, Evelyn Tarcilda Almeida. A produção da cultura popular: tensões no Programa Nacional de Patrimônio Imaterial. Quaderns de Psicologia, v. 17, n. 1, p. 19-27, 2015. Disponível em: <http://www.quadernsdepsicologia.cat/article/view/v17-n1-bengio-lemos-ferreri-etal/1203-pdf-pt>. Acesso em: 28 mai. 2020.

BUNN, Stephanie. The importance of materials. Journal of Museum Ethnography, v. 11, p. 15-28, 1999. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/40793620?seq=1>. Acesso em: 28 mai. 2020.

CARDOSO, Mayra; BALDUCCI, Ivan; TELLES, Daniel de Moraes; LOURENÇO, Eduardo José Veras; NOGUEIRA JÚNIOR, Lafayette. Edentulismo no Brasil: tendências, projeções e expectativas até 2040. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p.1239-1246, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n4/1413-8123-csc-21-04-1239.pdf >. Acesso em: 28 mai. 2020.

CHOAY, Françoise. Alegoria do Patrimônio. São Paulo: UNESP, Estação Liberdade, 2001.

FRIEDMAN, Terry & GOLDSWORTHY, Andy. Hand to Earth. Leeds: W.S. Maney, 1990.

GOSDEN, Christopher. Anthropology and Archaeology: a changing relationship. Londres: Routledge, 1999.

HODGES, Henry. Artefacts: an introduction to early materials and technology. Londres: Duckworth, 1964.

INGOLD, Timothy. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Pretópolis-RJ: Vozes, 2015.

JONAS, Hans. O princípio da responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto – Editora PUC Rio, 2006.

KNOPLOCH, Carol. Brasil tem 11% da população sem nenhum dente. O Globo [on-line]. 2015. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/brasil-tem-11-da-populacao-sem-nenhum-dente-16325819. Acesso em: 6 jan. 2020.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 2013.

LEAL, Alessandra Fonseca; LEAL, Erika Adriana. Políticas públicas, culturas populares e patrimônio cultural imaterial: meios e alternativas. Curitiba. RA’E GA, v. 26, p. 247-69, 2012. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/30161 >. Acesso em: 28 mai. 2020.

LIMA, Diana Farjalla Correia Lima. Museologia-Museu e Patrimônio, Patrimonialização e Musealização: ambiência de comunhão. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 1, p. 31-50, jan./abr. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v7n1/a04v7n1.pdf >. Acesso em: 28/05/2020

MÁRQUEZ, Gabriel García. Viver para contar. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MILLER, Daniel. Acknowledging consumption. Londres: Routledge, 1995.

MILLER, Daniel. Why some things matter. In: MILLER, Daniel (ed.) Material cultures: why some things matter. Londres: UCL, 1998. p. 3-20.

OLSEN, Bjornar. Material culture after text: re-membering things. Norwegian Archaeological Review, v. 36, n. 2, p. 87-104, 2003. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/228595177_Material_Culture_After_Text_Re-Membering_Things >. Acesso em: 28 mai. 2020

SANTOS, Yuri Andrei Batista; TORGA, Vânia Lúcia Menezes. Autobiografia e (res)significação. Bakhtiniana, v. 15, n. 2, p. 119-44, abr./jun., 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/bak/v15n2/2176-4573-bak-15-02-0119.pdf >. Acesso em: 28 mai. 2020.

SOUZA FILHO, Benedito; ANDRADE, Maristela de Paula. Patrimônio imaterial de quilombolas: limites da metodologia de inventário de referências culturais. Porto Alegre. Horizontes Antropológicos, ano 18, n. 38, p. 75-99, jul./dez., 2012. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/ha/v18n38/04.pdf>. Acesso em: 28 mai. 2020.

SOUZA, Willian Eduardo Righini; CRIPPA, Giulia. O patrimônio como processo: uma ideia que supera a oposição material – imaterial. Porto Alegre. Em Questão. v. 17, n. 2, p. 237-51, jul./dez., 2011. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/17609>. Acesso em: 28 mai. 2020.

TARDE, Gabriel. Monadologia e Sociologia: e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC, AND CULTURAL ORGANIZATION (UNESCO). Convenção para salvaguarda do patrimônio cultural e imaterial. 2003. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001325/132540por.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2019.

VARGAS, Eduardo Viana. Gabriel Tarde e a diferença infinitesimal. In: TARDE, Gabriel. Monadologia e Sociologia – e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

CARVALHO, A. C. de R. Patrimônio imaterial: reflexões sobre a rebeldia da matéria. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 5, n. 14, p. 490–507, 2020. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p490-507. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/7892. Acesso em: 15 jun. 2024.