Lembranças, reflexões e formações: apontamentos sobre a escrita de memoriais

Autores

  • Ana Claudia Molina Zaqueu-Xavier Professora Substituta do Instituto Federal de São Paulo/ Campus Araraquara
  • Fernanda Malinosky Coelho da Rosa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n12.p1020-1033

Palavras-chave:

Narrativas, Autobiografia, Subjetivação, Formação,

Resumo

Discutir a mobilização de memoriais na formação de professores (de Matemática) é o objetivo deste artigo. Para isso, será apresentada uma introdução sobre as narrativas autobiográficas para que, na sequência, possa ser justificada a opção pela terminologia “memorial de formação” e explicitada uma compreensão sobre como os memoriais podem se comportar quando inseridos em processos formativos. No que se segue, será apresentada uma possibilidade para o uso dos memoriais nas disciplinas de Tendências em Educação Matemática I e II e Funções Elementares, em um curso de Licenciatura em Matemática. A pesquisa é de cunho qualitativo e o movimento analítico ocorreu a partir da leitura e do estudo dos memoriais produzidos no âmbito das disciplinas citadas e dos questionários avaliativos respondidos pelos alunos, ao final de cada uma delas. Com isso, foi possível observar que essa modalidade de escrita, em que o sujeito se coloca como autor, narrador e ator da história, é potente para a formação. O memorial, ao estimular o movimento de rememorar e narrar, permitiu que o sujeito ressignificasse suas vivências e se aproximasse de seu processo de tornar-se o que se é. Além disso, eles se constituíram como espaços outros para a reflexão sobre a/na ação docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Claudia Molina Zaqueu-Xavier, Professora Substituta do Instituto Federal de São Paulo/ Campus Araraquara

Doutora em Educação Matemática (Unesp/Campus Rio Claro). Professora da Faculdade de Matemática (FAMAT) da Universidade Federal de Uberlândia/ Campus Santa Mônica. Membro do grupo de pesquisa História Oral Educação Matemática (Ghoem).

Fernanda Malinosky Coelho da Rosa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação Matemática (Unesp/Campus Rio Claro). Professora do Instituto de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, ambos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus Campo Grande. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Diversidade e Diferença (GEduMaD).

Referências

BOLÍVAR, A.; DOMINGO, J.; FERNANDEZ, M. La investigación biográfico-narrativa en educación: enfoque y metodología. Madrid: Editorial La Muralla S.A., 2001.

BOZZINI, I. C. T. et al. (Org.). Pibid UFSCar: uma parceria colaborativa entre universidade e escola. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018.

BRANDÃO, V. M. A. T. Labirintos da memória: quem sou? São Paulo: Paulus, 2008.

CURY, F. G. Uma história da formação de professores de matemática e das instituições formadoras no Estado do Tocantins. 2011. 255 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2011.

FERNANDES, D. N.; GARNICA, A. Vi. M. Temporalidades distintas: um estudo sobre a formação de professores de matemática no Maranhão. In: FERREIRA, A. C.; BRITO, A. de J.; MIORIM, M. A. (Orgs.). Histórias de formação de professores que ensinaram matemática no Brasil. Campinas, SP: Ilion, 2012. p. 175-189.

FOUCAULT, M. Tecnologías del yo. Tradução de Mercedes Allendesalazar. Buenos Aires: Paidós, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000. p. 54-62.

GATTI, B. A. Formação de professores, complexidade e trabalho docente. Revista Diálogos Educacionais, Curitiba, v. 17, n. 53, p. 721-737, 2017.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

HERNÁNDEZ, F. H.; VALLS, M. R. (Orgs.). Investigación autobiográfica y cambio social. Barcelona: Octaedro, 2011.

LARROSA, J. Tecnologias do eu. In: SILVA, T. T. O sujeito da educação – estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 35-86.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico – de Rousseau a internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LINS, R. C. A formação pedagógica em disciplinas de conteúdo matemático nas licenciaturas em matemática. Revista de Educação, PUC-Campinas, n. 18, p. 117-123, 2005.

MIRANDA, W. M. Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: EDUSP; Belo Horizonte: UFMG, 1992.

MORAIS, M. B. de. Se um viajante... percursos e histórias sobre a formação de professores de matemática no Rio Grande do Norte. 2017. 1008 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2017.

NACARATO, A. M.; PASSOS, C. L. B.; SILVA, H. da. Narrativas na pesquisa em Educação Matemática: caleidoscópio teórico e metodológico. Bolema − Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, SP, v. 28, n. 49, p. 701-716, 2014.

NACARATO, A. M. Narrativas (auto)biográficas: artes de conhecer como professores de matemática se constituem profissionalmente. In: SILVA, V. L. G. da.; CUNHA, J. L. da. (Orgs.). Práticas de formação, memória e pesquisa (auto)biográfica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 131-148.

NAKAYAMA, B. C. M. S.; FIORENTINI, D.; BARBOSA, J. G. O potencial heurístico e autoformativo das biografias educativas para os formadores de professores de matemática. Ci. Huma. e Soc. em Rev, Seropédica, v. 32, n. 2, p. 103-115, jul./dez. 2010.

NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

PASSEGGI, M. da C. “Narrar é humano! Autobiografar e é um processo civilizatório”. In: PASSEGGI, M. da C.; SILVA, V. B. da. (Coord.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 103-130.

PASSEGGI, M. da C. A formação do formador na abordagem autobiográfica. A experiência dos memoriais de formação. In: SOUZA, E. C. de; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 203-218.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2012. p. 20-62.

PRADO, G. do Val T.; CUNHA, R. B.; SOLIGO, R. Memorial de formação: uma narrativa pedagógica de profissionais da educação. In: PASSEGGI, M. da C.; BARBOSA, T. M. N. (Orgs.). Memórias, memoriais: pesquisa e formação docente. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 135-152.

PRADO, G. do Val T.; FERREIRA, C. R.; FERNANDES, C. H. Narrativa pedagógica e memoriais de formação: escrita dos profissionais da educação? Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 12, n. 26, p. 143-153, set./dez. 2011.

PRADO, G. do Val T.; SOLIGO, R. Memorial de Formação: quando as memórias narram a história de formação.... In: PRADO, G. do Val T.; SOLIGO, R. (Orgs.). Porque escrever é fazer história: revelações, subversões e superações. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007. p. 45-59.

REALI, A. M. de M. R.; REYES, C. R. Reflexões sobre o fazer docente. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

SARTORI, A. T. Estilo em memoriais de formação. Revista da ABRALIN, Curitiba, v. 7, n. 2, p. 273-298, jul./dez. 2008.

SOUZA, E. C. de.; PASSEGGI, M. da C. Dossiê (auto)biografia e educação: pesquisa e práticas de formação. Apresentação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 327-332, abr. 2011.

SOUZA, E. C. de. Pesquisa narrativa e escrita (auto)biográfica: interfaces metodológicas e narrativas. In: SOUZA, E. C. de; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 135-147.

TEIXEIRA, L. C. Escrita autobiográfica e construção subjetiva. Psicol. USP, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 37-64, 2003.

TEIXEIRA, L. R. M. et al. As narrativas de professores sobre a escola e a mediação de um grupo de pesquisa-formação. Revista Formação Docente, Belo Horizonte, v. 3, n. 3, p. 121- 135, ago./dez. 2010.

TIZZO, V. S. Mobilizações de narrativas na (e para a) formação de professores: potencialidades no (e a partir do) Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. 2019. 489 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2019.

TIZZO, V. S.; FLUGGE, F. C. G.; SILVA, H. da. Práticas possíveis com a história oral na formação inicial de professores (de matemática). Bolema, Rio Claro, v. 29, p. 87-98, 2015.

ZAQUEU-XAVIER, A. C. M. Narrativas na formação de professores: possibilidades junto ao Pibid da UFSCar. 2019. 304 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2019.

ZEICHNER, K. M. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação Matemática, Santa Maria, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez., 2010.

Downloads

Publicado

2019-12-26

Como Citar

ZAQUEU-XAVIER, A. C. M.; ROSA, F. M. C. da. Lembranças, reflexões e formações: apontamentos sobre a escrita de memoriais. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 4, n. 12, p. 1020–1033, 2019. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n12.p1020-1033. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/5734. Acesso em: 21 jun. 2024.