“Eu ia de cabeçudinho” - diálogos entre Educação Artística e Educação Patrimonial

Palavras-chave: Património cultural, Educação artística, Formação inicial de professores

Resumo

Gigantones e Cabeçudos constituem um conjunto figurativo presente em festas e romarias do norte de Portugal. O artigo retoma o tema dos Gigantones e Cabeçudos sob o canon da infância, numa perspetiva curricular que integra educação artística e patrimonial. A escola, formalmente empossada na função de contribuir para a salvaguarda das tradições culturais, que lugar deixa à criança no momento de participar nos celebrativos locais? Como respeita seus modos de ressignificar a festa e como se posiciona face às subjetividades e ao seu direito de ser co-construtora de um sentido de pertença social próprio? O projeto interroga o olhar da criança e a influência das mídias no entretecer do seu imaginário. Procura sensibilizar os futuros educadores para o direito da criança se implicar como ator nas dinâmicas patrimoniais, explorando os contributos da educação artística na abordagem à educação patrimonial. Revisita-se o road-map da etnografia nacional, referências patrimoniais e convocam-se aspetos emanados da metodologia do trabalho de projeto e da educação patrimonial. A avaliação evidenciou a escuta e a liberdade da criança nos projetos que a implicam; a importância de abordagens interdisciplinares e do modelo oficinal na relação com aprendizagens significativas na formação inicial; a aproximação dos formandos aos contextos profissionalizantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Flor Dias, Instituto de Educação Universidade do Minho Portugal

Doutora em Estudos da Criança, na Área de Especialização de Educação Dramática, pela Universidade do Minho e investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC). É Professora Auxiliar no Instituto de Educação da Universidade do Minho, na área de Educação e Expressão Dramática, no Departamento de Teoria da Educação e Educação Artística e Física

Carla Pires Antunes, Instituto de Educação Universidade do Minho Portugal

Doutorada em Estudos da Criança, na Área de Especialização de Educação Dramática, pela Universidade do Minho e investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC). É Professora Auxiliar no Instituto de Educação da Universidade do Minho, na área de Educação e Expressão Dramática, no Departamento de Teoria da Educação e Educação Artística e Física.

Referências

BAFFI, M. Adélia. O Planejamento em Educação. Revisitando os conceitos para mudar conceções e práticas. Fundamentos em Educação, 2002. Disponível em: <http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/fundam02.htm>. Acesso em: 21 jul. 2012.

BARTHES, Roland. Mitologias. Lisboa: Edições 70, 1973.

BENJAMIM, Walter. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Relógio de Água, 1992.

DIAS, M.ª Flor. PARA UMA GENEALOGIA DA EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. História das disciplinas de Desenho, Trabalhos Manuais, Canto Coral e Educação pelo Teatro na escola primária portuguesa, do primeiro quartel do século XIX a meados do século XX. 2009, 640 f. Tese (Doutorado em Estudos da Criança) – Educação Dramática, Universidade do Minho, Braga, 2009.

DIAS, M. Flor; NOGUEIRA, Silvana; LOPES, Ana. À descoberta da festa de S. João: uma abordagem de educação patrimonial em contexto pré-escolar. In: SOLÉ, Glória. (Org.). Educação patrimonial: contributos para a construção de uma consciência histórica. Braga: Centro de Investigação em Educação (CIEd); Instituto de Educação; Universidade do Minho, 2015. p. 133-150.

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN. As festas: passeio pelo calendário. Lisboa: Centro Artístico Infantil; Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. The invention of tradition. Cambridge: Cambridge Press University, 1988.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LE GOFF, Jacques. História e Memória II. Lisboa: Edições 70, 1985.

LÓPEZ, José. El papel del patrimonio en los centros educativos: hacia la socialización patrimonial. Tejuelo, n. 19, p. 76-96, 2014.

MAGALHÃES, António; STOER, Steven. (Orgs.). Reconfigurações. Educação, estado e cultura numa época de globalização. Porto: Profedições, 2006.

MAZOCO, Eliomar. Festas e artesanato em terras do Espírito Santo. Rio de Janeiro: IPHAN; CNFCP, 2007.

MENDES, José Amado. Estudos do património – Museus e educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

MERILLAS, Olaia. Educación patrimonial: teoría y prática en el aula, el museu e internet. Gijon: Trea, 2003.

MORIN, Edgar. Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Instrumentos musicais populares portugueses. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Festividades cíclicas em Portugal. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1984.

PORTUGAL. Lei n.º 13/85. Diário da República n.º 153/1985 (Portugal), Lisboa, n.º 13/85, p. 1865 - 1874, 6 julho, 1985. Série I de 1985-07-06.

PORTUGAL. Lei nº 14/86. Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República n.º 237/1986, (Portugal), Lisboa, p. 3067 – 3081, 14 outubro. 1986. Série I de 1986-10-14.

PORTUGAL. Lei n.º 115-A/98. Regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário. Diário da República n.º 102/1998 (Portugal), Lisboa, p. 988-(2) a 1988-(15), 4 maio, 1998. 1º Suplemento, Série I-A de 1998-05-04.

PORTUGAL. Lei n.º 107/2001. Lei de Bases do Património Cultural Português. Diário da República n.º 209/2001 (Portugal), Lisboa, n.º 107/2001, p. 5808 – 5829, 8 setembro. 2001. Série I-A de 2001-09-08.

PORTUGAL. Lei n.º 139/2009. Diário da República n.º 113/2009 (Portugal), Lisboa, n.º 139/2009, p. 3647 – 3653, 15 junho, 2009. Série I de 2009-06-15.

PRIMO, Judite. Documentos básicos de museologia: principais conceitos. Cadernos de Sociomuseologia, n. 41, p. 31-44, 2011.

SCHWANZ, Angélica. Educação patrimonial – A pedagogia política do esquecimento. Cadernos do LEPAARQ – Textos de Antropologia, Arqueologia e Património, Pelotas, RS, Editora da UFPEL, v. III, n. 5/6, p. 25- 41, 2006.

THIESSE, Anne. A criação das identidades nacionais. Lisboa: Temas e Debates, 2000.

UNESCO. Recomendação sobre a salvaguarda da cultura tradicional popular. Paris: United Nations Educational; Scientific and Cultural Organization, 1989.

UNESCO. Convention for the safeguarding of the intangible cultural heritage, Paris: United Nations Educational; Scientific and Cultural Organization, 2003.

UNESCO. Património mundial nas mãos dos jovens: conhecer, estimar e atuar. Kit pedagógico para educadores. Lisboa: Comissão Nacional da UNESCO, 2012.

Publicado
2019-04-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 302
  • PDF downloads: 294
Como Citar
DIAS, M. F.; ANTUNES, C. P. “Eu ia de cabeçudinho” - diálogos entre Educação Artística e Educação Patrimonial. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 4, n. 10, p. 344-358, 19 abr. 2019.