O SIMBOLISMO DO BATISMO CAPTURADO EM CARTAS PARA PROFESSORES QUE MARCARAM: LEITURAS ENTRECRUZADAS

  • Lúcia Maria Vaz Peres
  • Alexandre da Silva Borges
  • Luciana Martins Teixeira Lindner
Palavras-chave: Formação inicial de professores, Narrativas epistolares, Imaginário, Educação

Resumo

Este trabalho é fruto do projeto de pesquisa denominado “Escrita de cartas aos professores que marcaram: memórias e imaginários ressonantes como fermentos de (auto)formação?” Visa problematizar as narrativas materializadas nas cartas, solicitadas para estudantes, em formação inicial em Pedagogia. Tendo o cunho epistolar como ferramenta empírica, optou-se pela análise simbólica à luz dos estudos teórico/metodológico do imaginário e dos estudos (auto)biográficos de formação. Ancorados em Josso (2002; 2010), Bachelard (1988; 1993), Durand (1988; 2008; 2012), Chevalier e Gheerbrant (2015) e Eliade (1977; 1992; 2013), a metodologia utilizada nessa investigação teve como base a pesquisa-formação e a mitocrítica, a partir dos referenciais construídos por Josso (2002), Delory-Momberguer (2008) e Durand (2012), respectivamente. Nosso foco foi buscar, nas recordações-referências, a amplificação da noção de professor-batismo, cuja imagem emergiu na simbólica das cartas analisadas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Alberto Filipe; BAPTISTA, Fernando Paulo. Variações sobre o imaginário: domínios, teorizações, práticas hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

___________________.; ARAÚJO, Joaquim Machado. Imaginário e educação: da criança mitológica e da modelação do humano. In: BARROS, João de Deus. (Org.). Imaginário e educação: pesquisas e reflexões. São Luis: EDUFMA, 2008. p. 20- 42. (Coleção Diálogos Contemporâneos).

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

___________________. A poética do espaço. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes. 1993.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Tradução de Vera da Costa e Silva, Raul de Sá Barbosa, Angela Melim e Lúcia Melim. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Tradução de Maria da Conceição Passeggi, João Gomes da Silva Neto e Luis Passeggi. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

__________________. Construção e transmissão da experiência nos processos de aprendizagem e de formação. In: ABRAHÃO, M. H., FRIZON, L. H. B.; BARREIRO, C. B. (Orgs.). A nova aventura (auto)biográfica. Tomo I. Porto Alegre: EDUPUCRS, 2016. p. 39-57.

DURAND, Gilbert. Figures mythiques et visages de l’oeuvre. De la mythocritique à la mythanalyse. Paris, Berg International, 1979.

_______________. A imaginação simbólica. Tradução de Eliane Fittipaldi Pereira. São Paulo: Cultrix,1988.

_______________. Ciência do homem e tradição. Tradução de Lúcia Pereira de Souza. São Paulo: TRIOM, 2008.

_______________. As estruturas antropológicas do imaginário. Tradução de Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. Tradução de Natália Nunes e Fernando Tomaz. Lisboa: Edições Cosmos, 1977.

_____________ . O sagrado e o profano. Tradução de Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

_____________ . Mito e realidade. Tradução de Paola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2013.

FABRE, Daniel. (Org.). Écritures ordinaires. Paris: Centre Georges Pompidou, 1993.

GASTAUD, Carla Rodrigues. De correspondências e correspondentes: cultura escrita e práticas epistolares no Brasil entre 1890 e 1950. 2009. 246f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escrituras ordinárias. A escritura pessoal e seus suportes. In: MIGNOT, A. C. V. et al. (Orgs.). Refúgios do eu. Educação, História, Escrita Autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, 2000. p. 29-61.

JOSSO, Mari-Christine. Experiências de vida e formação. Tradução de José Cláudio e Júlia Ferreira. Lisboa: EDUCA, 2002.

___________________. Caminhar para si. Tradução de Albino Pozzer; Coordenado por Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

___________________. A imaginação e suas formas em ação nos relatos de vida e no trabalho autobiográfico: uma perspectiva biográfica como suporte de conscientização das ficções verossímeis com valor heurístico que agem em nossas vidas. In: PERES, Lucia Maria Vaz et al. (Org). Essas coisas do imaginário. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Líber Livro, 2009. p. 118 - 147

MARTIN, Kathleen. O livro dos símbolos. Reflexões sobre imagens arquetípicas. Colônia: TASCHEN, 2012.

MAURON, Charles. Des méthaphores obsédantes au mythe personnel: introduction à la Psychocritique. Paris: José Corti, 1962.

PERES, Lúcia Maria Vaz. Dos saberes pessoais à visibilidade de uma Pedagogia Simbólica. 154f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

________________________. Narrativas epistolares como uma abordagem teórico metodológica: escrita de carta a professores do passado como ressonâncias e repercussões. In: FONTOURA, Helena Amaral de.; LELIS, Isabel Alice Oswald Monteiro; CHAVES, Iduina Mont’Alverne. (Orgs,). Espaços formativos, memórias, narrativas. Curitiba: Editora CRV, 2014. p. 173-186.

SARTRE, J., O Existencialismo é um Humanismo, 1946. Disponível em: <https://pensador.uol.com.br/frase/MjUyOTU/>. Acesso em: 03 nov. 2016.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Leer y escribir. Historia de dos prácticas culturales. México: Fundación Voces y Vuelos, 1999.

Publicado
2016-12-13
Métricas
  • Visualizações do Artigo 518
  • PDF downloads: 388
Como Citar
PERES, L. M. V.; BORGES, A. DA S.; LINDNER, L. M. T. O SIMBOLISMO DO BATISMO CAPTURADO EM CARTAS PARA PROFESSORES QUE MARCARAM: LEITURAS ENTRECRUZADAS. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 3, p. 513-533, 13 dez. 2016.