A escrita e o desvelamento da realidade vivida nos presídios brasileiros: uma leitura amorosa do livro Além das Grades, de Samuel Lourenço Filho

Palavras-chave: Escrita autobiográfica, Privação de liberdade, Sobrevivência

Resumo

Este artigo objetiva compreender como o Estado trata a pessoa privada de liberdade, sob o ponto de vista de um escritor, que viveu no cárcere por nove anos. Um mergulho na sua escrita ácida, sensível e reveladora, sobre o tempo em que esteve preso. Fez-se uma leitura crítica de Além das grades, crônicas de Samuel Lourenço Filho, que possui um forte traço autobiográfico. Ao longo do trabalho, foi impossível não relacionar as unidades pelas quais o escritor passou com as condições vividas pelos africanos escravizados no Brasil. Foram criados dois recortes para reflexão: identificar como o Estado trata o apenado e como o autor lidou com seus sentimentos ao longo do cumprimento da sua pena, tendo a escrita como um instrumento de sobrevivência, num sistema extremamente racista, injusto e perverso. Os interlocutores desta pesquisa foram bell hooks, pelo viés transgressor; Angela Davis e a obsolescência das prisões; Conceição Evaristo, pela escrevivência; Paulo Freire, pelo esperançar; Escravidão I e II, de Laurentino Gomes; Michel Foucault, Giles Deleuze; dentre outros. O sistema prisional brasileiro é racista, cruel e ineficiente, no que deveria ser o seu trabalho principal: preservar a integridade física e emocional desses sujeitos e promover a (re) integração social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Socorro Calháu, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação (PROPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordenadora do projeto de pesquisa e extensão “Do Cárcere à Universidade” da UERJ. 

Angelica Raimundo Nogueira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduanda em Letras pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Membro do grupo de pesquisa Remição de Pena pela Leitura, da UFRRJ. 

Referências

ABRAHÃO.M.H.B. (Org.). Pesquisa (auto) biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal – Introdução à sociologia do Direito Penal. Rio de Janeiro: Editora Revan – Instituto Carioca de Criminologia, 3ª edição. 2002.

BEZERRA, Aída. Divagações Sobre a Paixão de Ler e Escrever. In: Cadernos Bam. SAPÉ/ DPH/ FNDE/ SEF/ MEC. 1999.

BECKER, Haward Saul. Outsiders – Estudos da Sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2008

BORGES, Juliana. Prisões: espelhos de nós. São Paulo: Todavia, 2020.

BRUM, Eliane. Exaustos-e-correndo-dopados. El país. Brasília, 04 de julho de 2016. Coluna. Disponível em:<https://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/04/politica/1467642464_246482.html>. Acesso em: 26 de fevereiro de 2022.

CANDIDO, Antonio. Direitos Humanos e literatura. In: A.C.R. Fester (Org.) Direitos humanos e Literatura. Ed. Brasiliense, 1989.

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? Rio de Janeiro: Difel. 2003.

DELEUZE Gilles e PARNET Claire. Diálogos. São Paulo: Editora Escuta. 2002.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34. 2004

DUARTE, constância Lima e NUNES, Isabella Rosado. Escrevivência: a escrita de nós – reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Itaú Cultural, 2020

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado.Rio de janeiro: Editora Graal, 1996.

________, Michel. Vigiar e Punir. Editora Vozes. Petropolis, 1987.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FURLAN, BRIGHENTE, Miriam e PERI, Mesquida. Michel Foucault: Corpos Dóceis e Disciplinados nas Instituições Escolares. Curitiba:Anais do X Congresso Nacional de Educação –EDUCERE.2011.

GOFFMAN, Irving. Estigma – notas sobre a manipulação de Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: Editora Guanabara S.A., 1988.

GOMES, Laurentino. Escravidão – Volume II. Rio de janeiro: Globo livros, 2021.

HAN, Byung-Chu. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2015.

Publicado
2022-05-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 71
  • pdf downloads: 120
Como Citar
CALHÁU, S.; NOGUEIRA, A. R. A escrita e o desvelamento da realidade vivida nos presídios brasileiros: uma leitura amorosa do livro Além das Grades, de Samuel Lourenço Filho. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 7, n. 20, p. 18-37, 14 maio 2022.