Jacintha Clotildes: de escravizada à “Sinhá Preta”

Palavras-chave: Palavras-chave: mulher negra; escravidão; liberdade; raça; memória

Resumo

A finalidade deste artigo é reconstituir aspectos da trajetória de Jacintha Clotildes do Amor Divino, uma liberta de Sergipe da primeira metade do século XIX, que se casou com um padre, ascendeu socialmente e, após a morte do marido, tornou-se administradora de um engenho e proprietária de escravizados. A partir daí, o artigo problematiza como essa liberta vem sendo celebrada nos domínios da memória por parte de militantes políticos e setores dos movimentos sociais de Sergipe, os quais a elevaram ao patamar de primeira heroína negra na história do estado

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Petrônio Domingues, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em História Pela Universidade de São Paulo (USP); professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Bolsista Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Coordenador do Grupo de Pesquisa Pós-Abolição no Mundo Atlântico. 

Hiago Feitosa da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Mestrando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História (PROHIS) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

BACZKO, Bronislaw. “Imaginação social”. In: ROMANO, Ruggiero (Dir.). Enciclopédia Einaudi. vol. 5 (Anthropos-Homem). Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1985. p. 296-335.

BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de História”. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 222-232.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COSTA, Valéria Gomes. Mônica da Costa e Teresa de Jesus: africanas libertas, status e redes sociais no Recife oitocentista. In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flavio (Org.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 98-111.

D’ACELINO, Severo. Cântico de contar contos: revisitação à ancestralidade afro sergipana. Aracaju: J. Andrade, 2019.

DEODATO, Alberto. O Voluntário Paisano Francisco Camerino (Ensaio Biográfico). Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (Conferência). 1917.

DIÁRIO DO IMPERADOR D. PEDRO II na sua visita a Sergipe em janeiro de 1860. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Aracaju, v. XXI, n. 26, p. 64-78, 1961-1965.

DORIA, Francisco Antônio. Carlos Barata... [et al]. Os herdeiros do poder. Rio de Janeiro: Revan, 1994.

FARIA, Sheila de Castro. Mulheres forras: riqueza e estigma social. Tempo, Niterói, v. 5, n. 9, p. 65-92, jul. 2000. Disponível em: https://www.historia.uff.br/tempo/sumarios_res.php?tp=dosfrc&cd_prtd=39&pg=2&cod=9&cod_d=. Acesso em: 10 dez. 2019.

FARIA, Sheila de Castro. Sinhás pretas: acumulação de pecúlio e transmissão de bens de mulheres forras no sudeste escravista (séculos XVIII e XIX). In: SILVA, Francisco Carlos; MATTOS, Hebe Maria; FRAGOSO, João (Org.). Escritos sobre história e educação: homenagem a Maria Yedda Linhares. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2001. p. 289-329.

FARIAS, Juliana Barreto. Mercados minas: africanos ocidentais na Praça do Mercado do Rio de Janeiro (1830-1890). Tese (Doutorado em História Social). São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, 2012, 290p.

GUARANÁ, Armindo. Francisco Camerino de Azevedo. In: Dicionário Bio-Bibliografico Sergipano. Rio de Janeiro: Pongetti, 1925. p. 182-183.

GINZBURG, Carlo. Sinais raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo, Cia. das Letras, 1989. p. 143-179.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Caetana diz não: História de mulheres da sociedade escravista brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GRINBERG, Keila. Liberata: a lei da ambiguidade: as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

LOPES, Nei. Dicionário escolar afro-brasileiro. 2ª ed. São Paulo: Selo Negro, 2015.

MENDONÇA, P.G. Sacrílegas famílias: conjugalidades clericais no bispado do Maranhão no século XVIII. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2007, 168p.

MOTT, Luiz. A Inquisição em Sergipe. Aracaju: Fundação Estadual de Cultura, Governo de Sergipe, 1989.

MOTT, Luiz. Sergipe Del Rey: população, economia e sociedade. Aracaju: Fundesc, 1986.

PEREIRA, Anderson. A escravaria da Vila de São Cristóvão/SE no Século XVIII: um perfil demográfico. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, v. 2, p. 47-61, 2015. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/375245817/ARTIGO-A-Escravaria-Da-Vila-de-Sao-CristovaoSE-No-Seculo-XVIII-Um-Perfil-Demografico. Acesso em: 10 dez. 2019.

POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. “Memória e identidade social”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

PRIORE, Del Priore. “História das mulheres: as vozes do silêncio”. In: FREITAS, Marcos Cezar. Historiografia brasileira em perspectiva. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 217-235.

REIS, Adriana Dantas. As mulheres negras por cima: o caso de Luzia jeje. Escravidão, família e mobilidade social – Bahia, 1780-1830. Tese (Doutorado em História). Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, departamento de História, 2010, 262p.

REIS, Isabel Cristina Ferreira dos. Relações de gênero no cotidiano de mulheres negras da Bahia oitocentista? In: XAVIER, Giovana; FARIAS, juliana Barreto; GOMES, Flávio dos Santos. (Org.). Mulheres Negras no Brasil Escravista e do Pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro Edições, 2012. p. 172-185.

SANTOS, Joceneide Cunha dos. Negros (as) da Guiné e de Angola: nações africanas em Sergipe (1720-1835). Tese (Doutorado em História). Salvador: Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2014, 319p.

SILVA, Sheyla Farias. Nas teias da fortuna: homens de negócio na Estância oitocentista (1820-1888). Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005, 167p.

SOUTELO, Luiz Fernando Ribeiro. Escrava Jacintha, a senhora da casa grande. Museu da Gente Sergipana, Aracaju, 2017.

Publicado
2021-12-24
Métricas
  • Visualizações do Artigo 652
  • pdf downloads: 284
Como Citar
DOMINGUES, P.; SILVA, H. F. DA. Jacintha Clotildes: de escravizada à “Sinhá Preta”. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 19, p. 1054-1069, 24 dez. 2021.