Atividade orientadora de ensino: uma proposta à produção de significados em geometria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n2.143-168

Palavras-chave:

Atividade Orientadora de Ensino. Formação de professores. Geometrias não Euclidianas.

Resumo

No presente artigo são apresentados os resultados de uma Atividade de Ensino aplicada futuros professores de Matemática com a finalidade de analisar a produção de significados dos participantes acerca do estudo de conceitos geométricos não euclidianos. A Teoria Histórico-Cultural, complementada pela Teoria da Atividade e a Atividade Orientadora de Ensino são os aportes teóricos que subsidiaram a investigação e as ações pedagógicas neste estudo. Assim, apoiamo-nos nos pressupostos teórico-metodológicos da Atividade Orientadora de Ensino como um desdobramento da perspectiva Histórico-Cultural, segundo a qual utilizamos como contexto para a negociação de significados entre os participantes. As informações foram captadas por meio da aplicação de uma proposta de intervenção envolvendo 15 licenciandos do curso de Matemática da Universidade do Estado da Bahia. Para a construção dos dados obtidos nesse estudo utilizamos os seguintes instrumentos: áudio gravações, Atividade de Ensino, diário de campo e relatórios individuais. O processo de internalização dos conceitos geométricos foi apreendido e analisado, utilizando-se como pressupostos duas categorias: o Conflito – da validade lógica à validade empírica; e a Ruptura – do espaço euclidiano para outros espaços, constituídas por meio das interações entre os participantes. Os participantes ao estudarem modelos geométricos não euclidianos atribuíram significados diferenciados para o conceito da soma de ângulos internos de um triângulo, ampliando assim, a compreensão desse conceito quando constituídos no modelo geométrico euclidiano. Concluímos que o estudo de diferentes modelos geométricos, na perspectiva da Atividade Orientadora de Ensino, promoveu o desenvolvimento do pensamento teórico dos licenciandos investigados tornando-se um caminho para a produção de significados no processo de ensino e aprendizagem da Geometria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Lisboa Santos Jr., UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - DEDX

Lícia de Souza Leão Maia, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE

CENTRO DE EDUCAÇÃO

Referências

ANTUNES, Marcelo Carvalho. Uma possível inserção das Geometrias não-Euclidianas no Ensino Médio. 54 f. Monografia (TTC) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2009.

ARAÚJO, Elaine Sampaio. Da Formação e do Formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. 2003. 173 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

DANIELS, H. Vygotsky e a Pedagogia . São Paulo: Loyola, 2003.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ediciones Ciencias Del Hombre, 1978.

LEONTIEV, A. Et al. Linguagem, Desenvolvimento e prendizagem

. São Paulo: Icone, 1988.

LOPES, A. R. L. V.; VAZ, H. G. B.O Movimento de Formação Docente no Ensino de Geometria nos Anos Iniciais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1003-1025, 2014.

MORETTI, V. D. Professores de matemática em atividade de ensino. Uma perspectiva histórico-cultural para a formação docente.

208f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MORETTI, V. D. O problema lógico-histórico, aprendizagem conceitual e formação de professores de matemática. Poiésis, Tubarão, número especial, p. 29-44, 2014.

MOURA, M. O.; Et al. A atividade orientadora de ensino como unidade entre o ensino e a aprendizagem. In: M. O. Moura (org.). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. Brasília, DF: Liber, 2010.

MOURA, M. O. Controle da variação de quantidades: Atividades de ensino . São Paulo: FEUSP, 1996.

MOURA, M. O. A atividade de ensino como ação formadora. In: Castro, A. D.; Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Thomson, 2002.

MOYSÉS, L. Aplicações de Vygotsky à educação matemática. Campinas: Papirus, 1997.

NASCIMENTO, C. P. A organização do ensino e a formação do pensamento estético-ar-tístico na teoria histórico-cultural. 2010. 250 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação – USP, São Paulo, 2010.

PETIT, J. P. As Aventuras de Anselmo Curioso – Os Mistérios da Geometria. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982.

POZEBON, S.; LOPES, A. R. L. V.; FRAGA, L. P.; UNDERTMARCK, J. A formação de futuros professores dos anos iniciais do ensino fundamental: uma discussão a partir de uma atividade de ensino de geometria. Experiências em Ensino de Ciências, v.8, n. 3, 2013.

ROSA, J. E.; Et al. As Particularidades do Pensamento Empírico e do Pensamento Teórico narganização do Ensino. In: MOURA, Manoel Oriosvaldo (org.). A Atividade Pedagógica na Teoria Histórico-Cultural . Brasília: Líber, p. 67-80, 2010.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 13. ed. Campinas: Autores Associados, 2000.

VAZ, H. G. B. A Atividade Orientadora de Ensino como organizadora do trabalho docente em matemática: a experiência do Clube de Matemática na formação de professores dos anos iniciais. 2013. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria – RS, 2013.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 1987.

Downloads

Publicado

2020-08-18

Como Citar

SANTOS JR., C. L.; MAIA, L. de S. L. Atividade orientadora de ensino: uma proposta à produção de significados em geometria. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 5, n. 2, p. 143–168, 2020. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n2.143-168. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/8341. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos/Ensaios