IFGÊNIA: potencializando acesso, permanência e êxito das estudantes de Mecatrônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.14100

Palavras-chave:

Feminismos, Gênero, Educação Profissional e Tecnológica

Resumo

Este artigo tem como propósito tecer considerações sobre o projeto de pesquisa em desenvolvimento “A robô IFgênia: potencializando o acesso, a permanência e o êxito das estudantes de Mecatrônica no Câmpus Avançado Novo Hamburgo”, que tem como objetivo criar estratégias de divulgação do curso Técnico de Mecatrônica ofertado pelo Câmpus Avançado Novo Hamburgo do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul). Parte-se da hipótese de que a forma de divulgação do curso influencia o número de estudantes que o procuram e, deste modo, reproduz assimetrias de gênero, as quais ampliam as dificuldades e reduzem as possibilidades de acesso das mulheres à formação profissional e tecnológica. O percurso da pesquisa é marcado pelo estudo de perspectivas teóricas e práticas capazes de fundamentar a ampliação do ingresso de estudantes mulheres e de qualificar seus espaços no curso Técnico em Mecatrônica. Por isso, justifica-se a importância da construção, com suporte de um projeto mecatrônico, de uma robô, chamada IFgênia – planejada com características que rompem com os estereótipos que hoje fazem o curso de domínio predominantemente masculino - para divulgar o processo seletivo do curso em escolas públicas. A metodologia adotada, diante da complexidade do objeto a ser conhecido, ampara-se na pesquisa teórica e aplicada, de análise documental e bibliográfica. O resultado esperado é, por meio da análise das relações de gênero no curso Técnico em Mecatrônica e de suas implicações na identidade do curso, ampliar a quantidade e melhorar a qualidade da participação das mulheres no âmbito do IFSul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Dias, Instituto Federal Sul-rio-grandense

Doutor e Mestre em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Licenciado em História pela Universidade Federal de Pelotas. Professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, na Pós-graduação em Educação pela pesquisa e no curso Técnico Integrado de Mecatrônica. Coordenador dos projetos: de pesquisa “A robô IFgênia: potencializando o acesso, a permanência e o êxito das estudantes de Mecatrônica no Câmpus Avançado Novo Hamburgo” e extensão “UBUNTU: IFSul NH e comunidade tecendo saberes e práticas plurais”.

Nei Jairo Fonseca dos Santos Junior, Instituto Federal Sul-rio-grandense

Possui Licenciatura em Filosofia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ (2005). Atuou na avaliação do Projeto Escola Aberta para a Cidadania do Estado do Rio Grande do Sul/PEAC, promovido pela UNESCO (2005). Lecionou, no ensino fundamental e médio, no Centro de Educação Básica Francisco de Assis - EFA/UNIJUÍ (2005). Possui mestrado em Filosofia, pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS (2008). No ano de 2009 lecionou no ensino fundamental pela Secretaria de Educação do Município de Porto Alegre. Trabalhou como professor substituto de Ética, Filosofia, Relações Humanas, Sociologia e Extensão Rural no Instituto Federal Farroupilha - IFFar Campus Alegrete. Trabalhou como professor do ensino superior na Universidade Regional do Alto Uruguai e Missões/URI, em Cerro Largo, nos anos de 2010 e 2011. Possui doutoramento pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha de Pesquisa: Filosofia e História da Educação, pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel (2017) e Especialização em Ensino de Filosofia pela mesma instituição (2019). Desde 2011, atua como professor efetivo de filosofia no Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul). Em 2020, credenciou-se ao Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica, ProfEPT IFSul. Coordenou o Núcleo de Gênero e Diversidade (NUGED) e Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi) do Câmpus Avançado Novo Hamburgo, de 2017 a 2021. Desenvolve pesquisa na área de Filosofia e Educação, com ênfase na filosofia política contemporânea, nos seguintes temas: Gênero, Ética, Educação Profissional e Tecnológica e gestão da educação.

Referências

ASSIS, Dayane Nayara Conceição de. Interseccionalidades. Salvador, BH: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências; Superintendência de Educação a Distância, 2019.

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BACZKO, Bronislaw. Los imaginários sociales. Buenos Aires: Nueva Vision, 1991.

BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico da mitologia grega. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991.

BRASIL. Plano Estratégico Institucional de Permanência e Êxito dos Estudantes do IFSul. Pró-Reitoria de Ensino. Instituto Federal Sul-rio-grandense. 2017.

DAVIS, Angela. Educação e libertação: a perspectiva das mulheres negras. In: Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani, São Paulo: Boitempo, 2016.

EURÍPEDES. Ifigênia em Áulis, As Fenícias, As Bacantes. Trad. Mário da Gama Kury. Jorge Zahar Editor. Rio de Janeiro, Brasil, 1993.

FONSECA, Nei; BASSO, Laís; TUBINO, Ana Beatriz. Gênero na Educação Profissional e Tecnológica: resistências para o enfrentamento de opressões. Revista Brasileira do Ensino Médio, Ipojuca, Vol. 5, p. 61-71, 2022. Disponível em: https://phprbraem.com.br/ojs/index.php/RBRAEM/article/view/147/83. Acesso em: 20 março de 2022.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Tecnologia. In: Dicionário da educação Profissional em Saúde. Escola Técnica de Saúde de Joaquim Venâncio. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Crus – FIOCRUZ, 2009. Disponível em: http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/ tec.html. Acesso em 27 mar. 2022.

LIMA, Michelle Pinto. As mulheres na Ciência da Computação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis. v. 21, n. 3, p. 793-816, Set./Dez.2013.

LOPES, S. F. P.; QUIRINO, Raquel. Relações de gênero e sexismo na educação profissional e tecnológica. Caderno de Gênero e Tecnologia, Curitiba, v. 10, n. 36, p. 58-71, jul./dez. 2017.

PERROT, Michele. O Trabalho das mulheres. In: Minha História das Mulheres. Tradução de Angela M.S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2006.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Tradução Raul Fiker. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

STAR WARS: Uma nova Esperança. Direção: George Lucas.  Produção Gary Kurtz. Estados Unidos: 20th Century Fox, 1977.

Como Citar

DIAS, R.; JUNIOR, N. IFGÊNIA: potencializando acesso, permanência e êxito das estudantes de Mecatrônica. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 7, p. 1–21, 2022. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.14100. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/14100. Acesso em: 2 dez. 2023.