Os Institutos Federais numa perspectiva de gênero, raça e classe: uma análise interseccional

Palavras-chave: educação profissional, interseccionalidade, gênero, raça, classe social

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões das autoras, que são pesquisadoras e docentes que desenvolvem estudos e pesquisas sobre a participação das mulheres no mundo do trabalho, especialmente no Brasil. Esta escrita tem como objetivo realizar uma análise do perfil dos/das estudantes dos Institutos Federais brasileiros numa perspectiva interseccional, incorporando no debate dados sobre raça, classe e gênero, nas modalidades presenciais e a distância.  Para isso, foram utilizados os dados da plataforma Nilo Peçanha (dados do ano de 2019). Sobre os referenciais teóricos adotados, o conceito de interseccionalidade permeia o texto, aliado a contribuição de referenciais que compõe o campo dos estudos feministas e dos estudos sobre o mundo do trabalho. No que se refere aos aspectos metodológicos, foram utilizadas abordagens tanto quantitativas como qualitativas, considerando-as em suas complementaridades. O resultado do processo de análise dos dados demonstrou que, apesar do equilíbrio nas matrículas de estudantes homens e mulheres nos IFs, prevalece a divisão sexual em determinadas áreas de conhecimento. Em relação à raça, as matrículas de estudantes de cor preta e parda predominam em quase todas as regiões do país, exceto na região Sul. Entretanto, quando se incorpora na análise o marcador de classe social, as famílias que possuem maior renda são as brancas, e as menores rendas são das famílias pretas. São esses últimos também, que possuem menos acesso aos salários mais altos. Assim, é possível concluir que a divisão sexual do trabalho se mantém na realidade brasileira, apesar do visível aumento da incorporação das mulheres, tanto como estudantes do ensino técnico como trabalhadoras no mundo do trabalho. Dessa forma, a perspectiva interseccional permitiu verificar que, em conjunto com o gênero, funciona outros marcadores sociais, como classe social e raça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Mossate Jobim, Instituto Federal Farroupilha / IFFar

Docente do Instituto Federal Farroupilha - IFFar / RS. Doutoranda em Educação da Universidade Federal de Pelotas / UFPel.

Márcia Alves da Silva, Docente da Universidade Federal de Pelotas

Socióloga, Mestre e Doutora em Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas / UFPel. Líder do Grupo de pesquisa D’Generus: núcleo de estudos e pesquisas feministas e de gênero.

Referências

ABREU, 2012; OLIVEIRA, Vieira; MARCONDES, 2011; ABREU et. al., 2014: Equidade de gênero na sociedade do conhecimento no Brasil: presença feminina na ciência e tecnologia. Document de Travail du Mage, v.18, 2014, (p. 93-120).

ABREU, Alice R.; OLIVEIRA, Maria C. F. A; VIEIRA Joice M; MARCONDES, Glaucia. Presença feminina em ciência e tecnologia. In: Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. ABREU, Alice Rangel de Paiva; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. (Orgs.) São Paulo: Boitempo: 2016 (p.149-160).

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: Os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Ed. Boitempo, 2018.

COAN, Marival; Azevedo, Luiz A. O ensino profissional no Brasil: atender “os pobres e desvalidos da sorte” e incluí-los na sociedade de classes: uma ideologia que perpassa os séculos XX E XXI. Revista Trabalho Necessário www.uff.br/trabalhonecessario. ano 11, n.º 16, 2013.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma: Interseccionalidade . Tradução Rane Souza. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Ed. Unesp; Brasília: Flacso, 2000.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Ed. Boitempo, 2016.

DEVULSKY, Alessandra. Colorismo. São Paulo: Jandaíra, 2021. (Coleção Feminismos Plurais / coordenação de Djamila Ribeiro)

GATTI, Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. p. 11-30.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos CEBRAP, n. 86, 2010. p.93-103.

LEONE, Eugenia Troncoso. Os impactos do crescimento econômico com inclusão social na participação das mulheres no mercado de trabalho. In: LEONE, Eugenia T.; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane O. (Orgs.). Mundo do trabalho das mulheres: ampliar direitos e promover a igualdade. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres / Campinas, SP: Unicamp. IE. Cesit. 2017. p. 13-37.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT. Igualdade de gênero e raça no trabalho: avanços e desafios. Brasília: OIT, 2010.

PACHECO, Eliezer. Os Institutos Federais: Uma Revolução Na Educação Profissional e Tecnológica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/insti_evolucao.pdf. Acesso em: 28 jul. 2021.

PLATAFORMA NILO PEÇANHA. http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2020.html.

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Editora Record. 2012.

SILVA, Tatiana Dias. Mulheres negras, pobreza e desigualdade de renda. In: MARCONDES, Mariana; et al. (orgs). Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Ipea, 2013. p. 109-131.

SILVEIRA, Maria Lúcia. A mercantilização do corpo e da vida das mulheres: alinhavando reflexões. In: SILVEIRA, Maria Lúcia; FREITAS, Taís Viudes de (orgs.). Trabalho, corpo e vida das mulheres: crítica à sociedade de mercado. São Paulo: SOF, 2007. p. 67-91.

Publicado
2022-05-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 173
  • pdf downloads: 116
Como Citar
Jobim, L. M., & Silva, M. A. da. (2022). Os Institutos Federais numa perspectiva de gênero, raça e classe: uma análise interseccional. Plurais - Revista Multidisciplinar, 7, 1-18. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.14081
Seção
Dossiê Temático: Mulheres na Educação Profissional e Tecnológica