Permanência e êxito de mulheres na EJA-EPT: possibilidades e desafios do IFRS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.14053

Palavras-chave:

Acesso, Permanência, Êxito, Proeja/IFRS, mulheres estudantes

Resumo

O artigo resulta de uma pesquisa coordenada por docentes do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/IFRS) e discute a inclusão de mulheres em processo de retorno à vida escolar à luz do Plano Estratégico de Permanência e Êxito do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (PEPE/IFRS). Com vistas à qualificação para a inserção no mercado de trabalho, a busca por melhores condições de vida e a expectativa de projetos de realização pessoal, o retorno aos bancos escolares não as exime de se depararem com as determinações sociais de gênero e os obstáculos decorrentes, que se reproduzem também no plano acadêmico. O propósito deste artigo é a análise das implicações das determinações sociais de gênero com respeito à permanência e êxito das estudantes, que retomam os estudos em cursos profissionais, especificamente, na modalidade EJA-EPT. Contudo, compreende-se indissociável refletir sobre a permanência sem identificar as causas da evasão, pensar sobre o êxito sem delinear os espaços escolares que sustentam a retenção e reconhecer que ambos, evasão e reprovação, são os pilares do fracasso escolar.  Os dados que sustentam a referida análise estão disponíveis no Observatório de Permanência e Êxito do IFRS e, por meio dos indicadores classificados como fatores individuais, fatores internos à instituição, e os fatores externos à instituição tornam centrais as categorias de gênero e de classe, as quais refletem a profunda desigualdade social e de acesso aos bens sociais. Os resultados da análise acenam à necessidade de prevenção sobre os sinais de possíveis evasões e exigem estratégias que incidam sobre cada um dos fatores indicados e na complexidade que envolve a relação entre os fatores. As medidas devem ser capazes de viabilizarem a permanência das mulheres, considerando o contexto que compreende as condições socioeconômicas, horários incompatíveis de aulas e trabalho, dificuldades de aprendizagem, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Caminha de Castilhos França, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Doutora em Antropologia Social (UFRGS). Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Possui graduação em Bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997). Professora e Pesquisadora do IFRS (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Porto Alegre). Desenvolveu projeto de Pós-doutorado no BIEV (Banco de Imagem e Efeitos Visuais)/UFRGS. Atua como docente no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) em Rede e docente colaboradora no Programa de Pós-graduação Educação em Ciências: química para a vida e saúde (PPGQVS/UFRGS). É Editora-chefe da Revista ScientiaTec, periódico do IFRS. Sua experiência na área de Antropologia tem ênfase em Antropologia Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: memória, envelhecimento, alimentação, representação social, família, genealogia, relação geracional e imagem, ofícios e profissões.

Clarice Monteiro Escott, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Possui Licenciatura em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1982), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Atualmente é professora EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), docente permanente e Coordenadora do Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/IFRS) e membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional técnica e tecnológica, currículo e avaliação.

Lucília Machado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Professora titular aposentada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (1980-2001).  Integra, atualmente, o Núcleo de Estudos Sobre Trabalho e Educação - Nete (UFMG) .  Atua principalmente nos seguintes temas: atividade humana, técnica e tecnologia; pedagogia do trabalho; trabalho-educação; formação humana; trabalho como princípio educativo; escola unitária; politecnia; teoria da atividade; educação escolar e em espaços não-escolares; educação profissional e tecnológica; formação de professores da educação profissional; educação de jovens e adultos; ensino médio integrado; pedagogias alternativas; gestos profissionais; trabalho e profissão docente; gestão escolar; gestão social; políticas sociais; políticas públicas; desenvolvimento profissional; economia social; inovação social; desenvolvimento local. Mantém ininterrupta produção intelectual com publicações científicas periódicas.

Referências

BONNEWITZ, P. Primeiras Lições sobre a sociologia de Pierre Bourdieu. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento orientador para a superação da evasão e retenção na rede federal de educação profissional, científica e tecnológica. Brasília: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=110401-documento-orientador-evasao-retencao-vfinal&category_slug=abril-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 19 abr. 2022.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Acórdão nº 506/2013 – TCU – Plenário, de 13 de março de 2013. Brasília, DF: 13 de março de 2013. Disponível em: https://pesquisa.apps.tcu.gov.br/#/documento/acordao-completo/*/KEY%253AACORDAO-COMPLETO-1250021/DTRELEVANCIA%2520desc/0/sinonimos%253Dfalse. Acesso em: 19 abr. 2022.

CAPELO, Maria Regina C. Diversidade sociocultural na escola e a dialética da exclusão/inclusão. In: GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de (org). Diversidade, cultura e educação: olhares cruzados. São Paulo: Biruta, 2003.

DORE, Rosemary; FINI, Roberto; LÜSCHER, Ana Zuleima. Insucesso, fracasso, abandono, evasão...um debate multifacetado. In: CUNHA, Dayse M.; FIDALGO, Fernando S. Rocha; SOUSA JUNIOR, Hormindo P.; OLIVEIRA, Maria Auxiliadora M. (Org.) Formação/Profissionalização de Professores e Formação Profissional e Tecnológica: Fundamentos e reflexões contemporâneas. Belo Horizonte: PUCMinas, 2013. p. 235-271.

DORE, Rosemary; LÜSCHER, Ana Zuleima. Permanência e evasão na educação técnica de nível médio em Minas Gerais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 772-789, set./dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/jgRKBkHs5GrxxwkNdNNtTfM/abstract/?lang=pt. Acesso em: 19 abr. 2022.

GIL, Natália de Lacerda. Reprovação e repetência escolar: a configuração de um problema político-educacional. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina 2015. p. 1-15. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/reprovacao-e-repetencia-escolar-configuracao-de-um-problema-politico-educacional. Acesso em: 19 abr. 2022.

IFRS. Conselho Superior. Resolução nº 64, de 23 de outubro de 2018. Aprova o Plano estratégico de permanência e êxito dos estudantes do Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Bento Gonçalves, 2018a. Disponível em: https://ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2018/10/Resolucao_064_18_Aprovar_Plano_Estrategico_Completo.pdf. Acesso em: 10 abr. 2022.

IFRS. Plano estratégico de permanência e êxito dos estudantes do Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Bento Gonçalves, 2018b. Disponível em: https://ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2018/10/Resolucao_064_18_Aprovar_Plano_Estrategico_Completo.pdf. Acesso em: 10 abr. 2022.

IFRS. Resolução nº 046, de 21 de agosto de 2018. Altera a Política de Ingresso Discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), aprovada pela Resolução nº 053, de 11 de julho de 2017. Bento Gonçalves: IFRS, 2018c. Disponível em: https://ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2018/08/ Resolucao_046_18_Alterar_PID_Acompanhamento_Completa.pdf. Acesso em: 18 abr. 2022.

FERREIRA, Maria José de Resende. Educação profissional técnica e escolarização feminina: entre o silêncio e a interdição. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2013, 14p. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1382035252_ARQUIVO_EDUCACAOPROFISSIONALTECNICAEESCOLARIZACAOFEMININA.pdf. Acesso em: 9 abr. 2022.

POLYDORO, S. A. J. O trancamento de matrícula na trajetória acadêmica do universitário: concepções de saída e de retorno à instituição. 2000. 175 f. Tese. (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000219642&fd=y. Acesso em: 16 abr. 2022.

RUMBERGER, R. W. Why students drop out of school. In: ORFIED, G. (Org.). Dropouts in America: Confronting the Graduation Rate Crisis. Cambridge, MA: Harvard Education Press, 2004, p. 131-155.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em: 8 abr. 2022

TINTO, Vincent. Dropout from higher education: A theoretical synthesis of recent research. Review of educational research, v. 45, n. 1, p. 89-125, 1975.

Downloads

Publicado

2022-05-19

Como Citar

FRANÇA, M. C. C. de C.; ESCOTT, C. M.; MACHADO, L. R. de S. . Permanência e êxito de mulheres na EJA-EPT: possibilidades e desafios do IFRS. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 7, p. 1–22, 2022. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.14053. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/14053. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Mulheres na Educação Profissional e Tecnológica