Educação escolar quilombola

desafios para o ensino de Física e Astronomia

Palavras-chave: Educação Escolar Quilombola, Ensino de Física e de Astronomia, Interculturalidade, Descolonização, Interdisciplinaridade

Resumo

A Educação Escolar Quilombola, como projeto político-pedagógico oriundo de lutas organizadas do Movimento Social Negro e de uma das mais cruciais políticas públicas do início do século XXI, é um processo em construção no Brasil que demanda esforços orquestrados de pesquisadores, educadores, gestores, movimentos sociais e da sociedade, em todas as áreas do conhecimento. Em estilo ensaístico, o objetivo do presente trabalho é problematizar os desafios e as potencialidades dos ensinos de Física e de Astronomia na Educação Escolar Quilombola, tensionando o Projeto de Modernidade materializado na Quarta Revolução Industrial por meio dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas, em que a Física e a Astronomia jogam papel fundamental. Em diálogo permanente com referenciais teóricos, metodológicos e epistemológicos da educação, apontamos fundamentos, pesquisas e novas tendências para que os ensinos de Física e de Astronomia dialoguem com as experiências quilombolas, fomentando perspectivas interculturais e descolonizadoras da educação em ciências. As reflexões, questionamentos e apontamentos apresentados são gestados a partir de resultados parciais de projeto de pesquisa realizado no âmbito dos Programas de Pós-Graduação em Física e Ensino de Física e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Com foco na promoção da equidade racial na educação básica, argumentamos que os Ensinos de Física e Astronomia — tecno-ciências na base do Projeto Científico e de Poder Moderno e Contemporâneo — podem ajudar a ressignificar, ressemantizar e fortalecer o sujeito quilombola diferenciado do século XXI, sufocado pela realidade da Quarta Revolução Industrial. É por meio do diálogo intercultural e interdisciplinar com as comunidades quilombolas que as ciências físicas também poderão se humanizar, contribuindo fortemente para a democratização do País, reconhecendo Saberes-Fazeres que definem identidades potentes, ligadas à ideia de corpo-território e marcos civilizatórios afrodiaspóricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Alves-Brito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Ciências (UFRGS). Programas de Pós-Graduação em Física e em Ensino de Física (UFRGS),
Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos. Brasil. E-mail: alan.brito@ufrgs.br.

Referências

ALVES-BRITO, Alan; DA SILVA, Paulo; MONTEIRO, Matheus N.; BITTENCOURT JUNIOR, Iosvaldyr. Horizontes Antropológicos. Submetido, 2021.

ALVES-BRITO, Alan; CORTESI, Ariane. Complexidade em Astronomia e Astrofísica. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 43, suppl. 1, e20200418, 2020.

ALVES-BRITO, Alan.; MASSONI, Neusa T. Cosmologias Racializadas: direitos humanos, interculturalidade e relações étnico-raciais no ensino e na divulgação da Física. In: Santos, Armando G. F. dos; Queiroz, Glória R. P. C.; Oliveira, Roberto D. V. L. (orgs.) Conteúdos Cordiais: Física Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Livraria da Física, 2021.

ALVES-BRITO, Alan., BOOTZ, Victor.; MASSONI, Neusa. T. Uma sequência didática para discutir as relações étnico-raciais (Leis 10.639/03 e 11.645/08) na educação científica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 35, p. 917–955, 2018.

ALVES-BRITO, Alan. Os corpos negros: questões étnico-raciais, de gênero e Suas intersecções na Física e na Astronomia Brasileira. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 12, n. 34, p. 816-840, out. 2020.

ALVES-BRITO, Alan; MASSONI, Neusa T.; GUIMARÃES, Ricardo R. Subjetividades da comunicação científica: a educação e a divulgação científicas no Brasil têm sido estremecidas em tempos de pós - verdade? Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 3, p. 1598-1627, dez. 2020.

ANTENEODO, Célia.; BRITO, Carolina; ALVES-BRITO, Alan; ALEXANDRE, Simone; D’AVILA, Beatriz; MENEZES, Débora. P. Brazilian physicists community diversity, equity, and inclusion: a first diagnostic. Physical Review Physics Education Research. New York. Vol. 16, no. 1, 010136, 13 p., Jan./June, 2020.

ARTAXO, Paulo. Uma nova era geológica em nosso planeta: o Antropoceno? Revista USP, n. 103, p. 13-24, 2014.

BELTRÃO, Kaizô I.; BERCANTE, Luiz César; PEDROSA, Mônica G. F.; MEGAHÓS, Ricardo S. Evidências do Enade e de outras fontes - mudanças no perfil do Físico graduado. Rio de Janeiro: Fundação Cesgranrio, 2020.

BENTO, Maria. A. S.; CARONE, Iray. (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

BRANDÃO, Ana Paula (coord.). Saberes e fazeres, v.3: modos de interagir. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

_______. Lei 11.645/08, de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

_______. Ministério da Educação (MEC). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 08, de 20 de novembro de 2012. Parecer CNE/CEB nº 16 de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para educação escolar quilombola na educação básica. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 20 nov. 2012.

CONCEIÇÃO, Joanice S. Quando o assunto é sobre religiões de matriz africana: Lei 10.639∕2003. Revista da FAEEBA, Educação e Contemporaneidade, v. 25, n. 45, 11, 2016.

CONAE. CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Documento final. Brasília: MEC, SEA, 2010.

CZUJKO, Roman; IVIE, Rachel; STITH, James H. Untapped talent: The African American presence in Physics and the Geosciences, AIP Report. Number R-444. Statistical Research Center of the American Institute of Physics, College Park, MD, 2008.

DA SILVA, P. S. Contorno pedagógicos de uma educação escolar quilombola. Tese de Doutorado: UFRGS. 2013.

ECKLUND, Elaine; SCHEITLE, Christopher. Religion among academic scientists: Distinctions, disciplines, and demographics, Social Probl. 54, 289, 2007.

EDITORIAL. Tackling systemic racism requires the system of science to change, Nature, 593, 313, 2021.

GUSMÃO, Neusa M. M.; SOUZA, Maria L. A. Educação Quilombola entre saberes e lutas. In: DAUSTER, T.; TOSTA, S. P.; ROCHA, G. (orgs.) Etnografia e educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2012.

LANGHI, Rodolfo; NARDI, Roberto. Educação em astronomia: repensando a formação de professores. São Paulo: Escrituras Editora, 2012.

LIMA, Flávia P. et al. Astronomia indígena: relações céu-terra entre os indígenas no Brasil: dis- tintos céus, diferentes olhares. In: MATSUURA, O. T. (Org.). História da astronomia no Brasil, MAST. 2013.

MASSONI, Neusa T.; ALVES-BRITO, Alan; CUNHA, Alexander M. Referencial curricular gaúcho para o Ensino Médio de 2021: contexto de produção, ciências da natureza e questões étnico-raciais. Revista Educar Mais, 5(3), 583-605, 2021.

MASSONI, Neusa T. A Epistemologia Contemporânea e suas Contribuições em Diferentes Níveis de Ensino de Física: A Questão da Mudança Epistemológica. UFRGS. Tese De Doutorado. 2010.

MIGNOLO, Walter D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americasa. Colección Sur Sur. Clacso: Buenos Aires, 2005.

MOREIRA, Antonio Marco. Ensino de Física no Brasil: Retrospectiva e Perspectivas. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 22, no. 1, Março, 2000.

_______. Desafios no ensino da física. Rev. Bras. Ensino Fís., 43, Suppl 1, 2021.

MOREIRA, Adilson. Tratado do Direito Discriminatório. São Paulo: Editora Contracorrente, 2020.

MOSHFEGHYEGANEH, Saeed; HAZARI, Zahra. Effect of culture on women physicists’ career choice: A comparison of Muslim majority countries and the West. Phys. Rev. Phys. Educ. Res. 17, 010114, 2021.

MUNANGA, Kabengele. Negritude, Usos e sentidos. 4a edição. Belo Horizonte, Autêntica, 2019.

______. Origem e histórico do quilombo na África. Revista USP, n. 28, p. 56-63, 1996.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência afro-brasileira. In: NASCIMENTO, Elisa. L. (Org.). Cultura em movimento: matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2008.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. São Paulo: Perspectiva, 2019.

NOBLE, Safiya Umoja. Algorithms of Oppression: How search engines reinforce racism. NYU Press, 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder e Classificação Social In: SANTOS, Boaventura de S.; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São. Paulo; Editora Cortez. 637 p. Epistemologias do Sul, 2010.

ROSA, K.; ALVES-BRITO, A.; PINHEIRO, B. C. S. Pós-verdade para quem? Fatos produzidos por uma ciência racista. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v.37, .3, p. 1440-1468, dez. 2020.

SANTOS, Antonio. B. Colonização, quilombos: modos e significações. CNPq. Brasilia. 2015.

SANTOS, Armando G. F. dos; QUEIROZ, Glória R. P. C.; OLIVEIRA, Roberto D. V. L. (orgs.) Conteúdos Cordiais: Física Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Livraria da Física, 2021.

SCHNEEGANS, Susan; LEWIS, Jake; STRAZA, Tiffany (EDS). UNESCO Science Report: the Race Against Time for Smarter Development – Executive Summary. UNESCO Publishing: Paris, 2021.

SEREJO LOPES, Danilo da C. A atemporalidade do colonialismo: contribuições para entender a luta das comunidades quilombolas de Alcântara e a base espacial. Editora UEMA/PPGCSPA/ PNCSA: São Luís, 2020.

SILVA, Alex F. Big data como forma de governance racial. 2018. Trabalho de Final de Curso. Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2018.

SILVA, Claudilene; SANTIAGO, Eliete. Pensamento negro e educação intercultural no Brasil. Interritórios, Revista de Educação Universidade Federal de Pernambuco, v.2, n.3, 2016.

SILVA, Geranilde C. Pretagogia: construindo um referencial teórico-metodológico, de base africana, para a formação de professores/as /. Tese de Doutorado: UFC, 2013.

Publicado
2021-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 467
  • HTML downloads: 10
Como Citar
Alves-Brito, A. (2021). Educação escolar quilombola: desafios para o ensino de Física e Astronomia. Plurais Revista Multidisciplinar, 6(2), 60-80. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.12204
Seção
Dossiê Temático