Pesquisa decolonial e privação de liberdade

reflexões epistemológicas e metodológicas

Palavras-chave: Privação de liberdade, Pesquisa em Educação, Epistemologia

Resumo

O artigo analisa as contribuições dos conceitos de humanização e dialogicidade para a pesquisa em educação em espaços de privação de liberdade. Trata-se de resultado da pesquisa bibliográfica realizada em uma investigação de natureza qualitativa que pretende compreender as concepções de educação em um Centro Socioeducativo de Internação Feminina. Está embasado em obras de Santos e Meneses (2009), Quijano (2009), Maldonado-Torres (2009, 2016), Fiori (1987, 2001), Lèvinas (2005), Dussel (2003), Freire (1987, 2015), Onofre (2009); Onofre, Fernandes e Godinho (2019), Onofre e Francisco (2016) e foi organizado nas etapas de análise propostas por Bardin (2016): organização da análise, exploração do material e o tratamento dos resultados. Evidencia o compromisso social e político do pesquisador atento às relações ecológicas do fazer pesquisa na perspectiva da decolonialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edla Cristina Rodrigues Caldas, Universidade Federal do Amazonas

Doutoranda em Educação (UFSCar). Professora Assistente (UFAM). Integrante do Grupo de Pesquisa Núcleo de Investigação e Práticas Educativas em educação nos espaços de restrição e privação de liberdade – EduCárceres (UFSCar). E-mail: edlacristina@gmail.com

Elenice Maria Cammarosano Onofre, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Educação Escolar (UFSCar). Docente do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas e do Programa de Pós-Graduação em Educação (UFSCar). Líder do Grupo de Pesquisa Núcleo de Investigação e Práticas Educativas em Educação nos espaços de restrição e privação de liberdade – EduCárceres (UFSCar). E-mail: eleonofre@ufscar.br

Referências

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2007.

DUSSEL, Enrique. Alguns princípios para uma ética ecológica material de libertação (relações entre a vida na terra e a humanidade). In: PIXLEY, Jorge (Coord.). Por um mundo diferente: alternativas para o mercado global. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 23-35.

FIORI, Ernani M. Aprender a dizer a sua palavra In: FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 5-11. (on line).

FIORI, Ernani M. O fio condutor de um pensamento itinerante. In: ______. Metafísica e história (textos escolhidos, v.1). Porto Alegre: L&PM, 1991. p. 32-52.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11ª ed. 23ª Reimpressão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. 11. ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GARCIA, Regina L. Para quem investigamos – Para quem escrevemos: Reflexões sobre a responsabilidade social do pesquisador. In: MOREIRA, Antônio F.; SOARES, Magda.; FOLLARI, Roberto A., GARCIA, Regina L. (Orgs.). Para quem investigamos – Para quem escrevemos: o impasse dos intelectuais. São Paulo: Cortez, 2001. p. 11-25.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

LIMA, Telma C. S. de; MIOTO, Regina T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: uma pesquisa bibliográfica. Rev. Katálysis, Florianópolis, v. 10, n. spe, p. 37- 45, 2007. Disponível em . Acesso em 03 out. 2019.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Modernidade, colonialidade e a colonialidade do ser. In: SANTOS, Boaventura S.; MENESES, Maria P. Epistemologias do sul. In: SANTOS, Boaventura de S.; MENESES, Maria P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 410 – 443

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Soc. estado., Brasília, v. 31, n. 1, p. 75-97, Apr. 2016. Disponível em: . Acesso em 07 Jan.2021.

MENDES, Cláudia e JULIÃO, Elionaldo F. (Coord.) Trajetórias de vida de jovens em situação de privação de liberdade no Sistema Socioeducativo do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: DEGASE, 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

ONOFRE, Elenice M. C. Processos educativos em espaços de privação de liberdade. Revista de Educação PUC-Campinas, [S.l.], n. 27, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2021.

ONOFRE, Elenice M. C.; FERNANDES, Jarina R.; FERREIRA GODINHO, Ana C. A EJA em contextos de privação de liberdade: desafios e brechas à educação popular. Educação, v. 42, n. 3, p. 465-474, 2019.

ONOFRE, Elenice M. C.; FRANCISCO, Julio C. Educação não escolar na Fundação CASA – SP: jovens em situação de privação de liberdade e construção de projetos de vida. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 66, p. 267–277, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643714. Acesso em: 8 jan. 2021.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de S.; MENESES, Maria P. (Orgs.): Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 84 – 131

SANTOS, Boaventura de S.; MENESES, Maria P. (Orgs.). Introdução In: ______. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 15 – 27.

SANTOS, Boaventura de S. Ecologia dos saberes. In: ______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de S. A crítica da razão indolente: contra do desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2001.

STRECK, Danilo R., ADAMS, Telmo. Pesquisa participativa, emancipação e (des)colonialidade. Curitiba: CRV, 2014.

SÜSSEKIND, Maria Luiza; PELLEGRINI, Rapfael. Os ventos do Norte não movem moinhos. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael; SAMPAIO, Carmem Sanches. Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. p. 143-162.
Publicado
2021-04-26
Métricas
  • Visualizações do Artigo 34
  • Html downloads: 1
Como Citar
Caldas, E. C. R., & Onofre, E. M. C. (2021). Pesquisa decolonial e privação de liberdade: reflexões epistemológicas e metodológicas. Plurais Revista Multidisciplinar, 6(1), 34-48. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.11705