Chamada 2021.1

Temática: Educação Bilíngue Língua Portuguesa/Libras: letramento, identidade, redes sociais.

 

Chamada para contribuições Volume 9, nº. 1 (2021.1) - Educação Bilíngue Língua Portuguesa/Libras: letramento, identidade, redes sociais.

 

Dado o reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais (Libras) pelo Brasil, através da Lei 10.436/02, múltiplas ações no âmbito do ensino, da pesquisa e de políticas linguísticas adentram o universo da Educação de Surdos, principalmente, pela reivindicação de uma Educação Bilíngue Língua Portuguesa/Libras. Nesse sentido, a língua se configura como um fenômeno que coloca em evidência uma comunidade minoritária frente aos desafios do mundo contemporâneo, cuja configuração está em constante processo de negociação quanto às articulações de hibridismos culturais que emergem dessas comunidades (BHABHA, 2013). Essa articulação envolve os vários aspectos que atravessam o universo da linguagem, seja pelo uso, seja pelo ensino. Por ser uma língua de modalidade espaço-visual, o mundo para os falantes da Libras é percebido por meio de experiências visuais, o que torna essa, uma das marcas identitárias da comunidade surda. Nessa perspectiva, esse dossiê receberá contribuições que tragam à baila temáticas cujo enfoque crítico promova uma reflexão e amplie o debate crítico acerca de questões referentes ao contexto bilíngue proposto, tais como: o ensino de Libras como primeira língua (L1) ou como segunda língua (L2), ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para surdos, o fenômeno da interlíngua no ensino da L1 e/ou L2, letramentos na educação de surdos, letramento visual, tradução literária Língua Portuguesa/Libras, didática de línguas e identidade, além dos possíveis diálogos como o mundo das redes sociais e das mídias digitais. Serão bem-vindos também ensaios, resenhas e entrevistas que dialogam com a proposta do dossiê em tela.

Data limite: 31/07/2021

Organizadores: Dilcinéa dos Santos Reis; Gabriel Vidinha Corrêa

Obs: Os textos devem ser submetidos pelo próprio site, para fazer a submissão, é necessário ser cadastrado, caso não seja, clique no link acima (cadastro) e preencha os dados do formulário, lembrando que deve ser escolhida a opção autor

 
   
 
   
 

Chamada 2021.2

Temática: Saberes dissidentes: os estudos queer nas produções e espaços culturais

 

Chamada para contribuições Volume 9, nº. 2 (2021.2) - Saberes dissidentes: os estudos queer nas produções e espaços culturais

 

Desde a década de 1980 estudos que problematizam ou questionam a masculinidade e feminilidade hegemônicas, como a sexualidade, vêm crescendo e ampliando as perspectivas de espaços nos debates críticos nos espaços acadêmicos. Um dos traços notáveis na pletora de pesquisas desse campo instaura uma postura anti-hegemônica e refratária, ressignificando constantemente noções de identidades de gênero e sexualidades, nas construções subjetivas das pessoas e seus corpos, seja a masculinidade, feminilidade ou não-binário, ao mesmo tempo em que também problematizam a cultura cis e heteronormativa de maneira a promover saberes dissidentes. Nesse sentido, pode-se pensar a amplitude dos estudos queer como um fenômeno e como lastros de posições e posturas dissidentes que, em um gesto radical e de ruptura, desacatam e estranham as questões sociais por um olhar não-heterossexual e plural, por pessoas trans, travestis e cis aliados. Como Guacira Lopes Louro (2020) sugere: “Queer costuma ser o rebelde, o mal comportado. Não importa se estamos falando de um indivíduo ou de um grupo, de um movimento ou de um pensamento, tudo ou todos que se revelem ou se reconheçam como queer se mostram, de algum modo, ‘estranhos’, afinal é parte da sua ‘natureza’ desacatar normas e perturbar cânones”. É nesse estado de espírito contestador, insurgente e dissidente que convidamos outras vozes e corpos para colaborarem na construção desse dossiê por meio de artigos, resenhas e entrevistas que reflitam, problematizam e/ou questionam o debate sobre cultura em interseção com os estudos queer, especificamente ao que tange a linguagem e seus usos, seja na literatura, sobre como o meio literário instaura e inscreve a pluralidade e diversidade da comunidade LGBTQIA+ por meio de estratégias discursivas como a escrita de si e representação, bem como por meio de outras linguagens não-binárias de outras formas discursivas dos mais diversos campos dos saberes como a educação, a dança, cinema, entre outros e demais mídias visuais e não verbais.

Data limite: 30/09/2021

Organizadores: Maurício Silva da Anunciação; Moisés Henrique de Mendonça Nunes; Rafael Santiago de Souza

Obs: Os textos devem ser submetidos pelo próprio site, para fazer a submissão, é necessário ser cadastrado, caso não seja, clique no link acima (cadastro) e preencha os dados do formulário, lembrando que deve ser escolhida a opção autor

 
 

Edição Atual

v. 8 n. 1 (2020): Multiletramentos e diversidade linguística
Publicado: 2021-03-04

Edição completa

Apresentação

  • Jeniffer Geraldine Pinho Santos, Karla Santos Simões Bastos Macedo, Magno Júnior Guedes dos Santos Reis
    9-13
    Visualizações do artigo: 13     PDF downloads: 30

Artigos

Resenha

Entrevista

Ver Todas as Edições