IDENTIDADE E FORMAÇÃO DOCENTE: METAMORFOSES DE UMA GUERREIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p175-189

Palavras-chave:

Identidade, Formação de professores, Educação básica

Resumo

Pensar sobre a constituição da identidade docente exige entender este processo como histórico, social e cultural, ao mesmo tempo, que é singular, trilhado por escolhas, ações, intenções, sentimentos e vivências. Este escrito tem por objetivo compreender o processo de constituição identitária de uma professora da Educação Básica na relação com a formação continuada. A pesquisa, de natureza qualitativa, buscou conhecer os movimentos identitários da professora, com apoio nas narrativas de história de vida.1 Mediada pela objetividade do mundo material e pelas relações que estabeleceu, a professora se subjetivou e se constituiu docente, vivenciando neste percurso, principalmente, a personagem “guerreira”. O estudo aponta para a necessidade de olhar para as histórias singulares, respeitando as particularidades e a universalidade, entendendo que, como seres de interação, os professores estão inseridos em contextos concretos, constituindo-se de modo permanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFANASIEV, V. Fundamentos de Filosofia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

AGUIAR, W. M. J.; BOCK, A. M. B. Apreensão dos sentidos: a busca do método. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. (org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. p. 149-161.

BOSI, E. Memória e sociedade – lembranças de velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CARVALHO, M. V. C. Histórias de ser e fazer-se educador: desvelando a identidade do professor universitário e suas possibilidades emancipatórias. 2004. 284 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, 2004.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CIAMPA, A. da C. A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense, 2000.

CUNHA, M. I. da. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação de São Paulo, v. 23, n. 1-2, 1997.

FARIAS, I. M. S. de. Inovação, mudança e cultura docente. Brasília, DF: Liber Livro, 2006.

FARIAS, I. M. S. de. Inovação e mudança: implicações sobre a cultura dos professores. 2002. 260 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2002.

FERRAROTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (org.). O método (auto) biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988. p. 37-50.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1980.

GAULEJAC, V. de. La societé malade de la gestion: idéologie gestionnaire, pourvoir anagérial e harcèlement social. Paris: Seuil, 2005.

GONÇALVES NETO, J. U.; LIMA, A. F. A história de Maria. Psicología, conocimiento y sociedad, n. 3, p. 30-51, 2011.

LIMA, A. F. Metamorfose, anamorfose e reconhecimento perverso: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. São Paulo: FAPESP/EDUC, 2010.

LIMA, A. F. Metodologias de pesquisa em Psicologia Social Crítica. Porto Alegre: Sulina, 2014.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2000. p. 11-30.

PINO, A. O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação e Sociedade, v. 21, n. 71, p. 45-78, 2000.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: QUEIROZ, M. I. P. Et al (org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, 1988. p. 14-43.

SOARES, J. R.; AGUIAR, W. M. J. de. Movimentos de reflexão e possibilidades de mudança do professor na atividade de sala de aula. In: CASTRO, M. R. (org.). Investigação do trabalho docente: sujeitos e percursos. Rio de Janeiro: Caetés, 2012. p. 83-105.

VYGOSTKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

FALCÃO, G. M. B.; FARIAS, I. M. S. de. IDENTIDADE E FORMAÇÃO DOCENTE: METAMORFOSES DE UMA GUERREIRA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 57, p. 175–189, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p175-189. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8278. Acesso em: 16 jun. 2024.